sexta-feira, 7 de abril de 2017

Visita à fábrica da INSULAC, no concelho da Ribeira Grande

Inovação e valorização dos produtos pela indústria de lacticínios é uma via para conquistar novos mercados, afirma João Ponte
O Secretário Regional da Agricultura e Florestas sublinhou hoje, em São Miguel, o papel da indústria de lacticínios nos Açores “na inovação e transformação do leite em produtos que acrescentem valor”.
“Tal tem sido possível devido ao esforço de investimento na modernização que acaba por valorizar toda a fileira do leite e potenciar a conquista de novos mercados, que é um desafio estratégico partilhado pelo Governo Regional”, afirmou João Ponte, em declarações à margem de uma visita à fábrica da INSULAC, no concelho da Ribeira Grande, que incluiu uma reunião com a administração, num encontro em que destacou os investimentos desta unidade na modernização, no aumento da capacidade de produção e transformação de produtos, bem como o bom aproveitamento dos fundos comunitários.
O projeto da INSULAC é um dos que integra o conjunto de projetos que foram aprovados terça-feira no âmbito do PRORURAL+, num investimento global superior a oito milhões de euros, envolvendo 5,7 milhões de euros de despesa pública.
João Ponte salientou que se trata de “um projeto que visa, acima de tudo, criar produtos que sejam capazes de ir ao encontro das expetativas do mercado e que sejam capazes de acrescentar valor”.
Nesse sentido, o Secretário Regional manifestou “satisfação” com este investimento, acrescentando que “demonstra a confiança da indústria no futuro do setor dos lacticínios nos Açores”.
“Cabe à indústria ajustar a sua produção às novas tendências dos mercados e às opções de escolha dos consumidores, que estão em constante evolução”, frisou João Ponte, considerando “fundamental que a indústria acompanhe essas tendências para encontrar nichos de mercado que são fundamentais em termos de valorização dos produtos e do leite”.
As instalações fabris da INSULAC, projetadas para fabricar produtos lácteos de qualidade, estão equipadas com os melhores e mais modernos meios para a transformação e controlo de produção.
A sua produção tem vindo a crescer a bom ritmo, recebendo anualmente mais de 60 milhões de litros de leite, com uma produção anual de cerca de 5.000 toneladas de queijo, 1.000 toneladas de leite em pó e 2.000 toneladas de lactosoro em pó.
O Secretário Regional sublinhou ainda que “a valorização dos produtos lácteos e o consequente aumento do rendimento da transformação deve refletir-se também, sempre que possível, no aumento do preço do leite e do rendimento dos produtores”.
No âmbito do CALL – Centro do Leite e dos Lacticínios dos Açores, acrescentou João Ponte, “está a ser preparada uma candidatura, que será entregue nos próximos dias, com vista à promoção em mercados internacionais dos produtos lácteos açorianos, de modo a conquistar novos mercados”.
GaCS/SF/MN

Sem comentários: