sexta-feira, 28 de abril de 2017

Jornal ''O Dever'' celebra 100 anos em Maio

Jornal “O Dever” vai celebrar centenário em 2017
Diretor sublinha a motivação do projeto em continuar a sua missão, apesar das dificuldades financeiras.
Padre João Bettencourt das Neves
O jornal “O Dever”, uma das duas publicações açorianas que são propriedade da Diocese de Angra, a par do semanário “A Crença”, vai assinalar em maio o seu centenário.
A sessão solene comemorativa do Centenário será presidida pelo Bispo de Angra e contará com uma conferência da colaboradora do Sítio Igreja Açores Carmo Rodeia.
Em declarações ao Sítio Igreja Açores “Igreja Açores”, a quando do lançamento do ano comemorativo do centenário, o diretor do jornal salientou que as dificuldades financeiras que têm surgido nos últimos anos não vão desviar este projeto da sua “obrigação sagrada” de informar e de falar de valores e “deveres que educando o pensamento, dão à vida grandezas, austeridade e sentido”.
“É para o povo o nosso pequeno semanário: a ele o destinamos particularmente, com a mira no interesse da verdade da doutrina e com os olhos postos na obra urgente da cristianização da família”, frisou o padre João Bettencourt das Neves.
Fundado em 1917, o jornal é o mais antigo projeto do género na Ilha do Pico e por ele passaram 12 diretores.
Depois de começar por sair ao sábado, a publicação vai atualmente para as bancas à quinta-feira.
Para honrar as pessoas que passaram por aquela casa, ao longo de um século, a começar pelo fundador, o padre João Madruga, vai ser lançado “um livro com a história da publicação” feito pelo comendador Ermelindo Ávila.
Durante o centenário vai ser lançado “um selo e uma medalha” alusivos à efeméride.
IgrejaAçore/MN

Apoios à modernização e à renovação das frotas de pesca artesanais” das Regiões Ultraperiféricas (RUP)

Governo dos Açores apoia criação de instrumento financeiro específico para as pescas nas Regiões Ultraperiféricas
O Secretário Regional do Mar, Ciência e Tecnologia congratulou-se hoje com o pedido do Parlamento Europeu à Comissão Europeia para a criação de um apoio específico ao setor das pescas nas Regiões Ultraperiféricas (RUP).
Gui Menezes salientou que a criação deste fundo permitiria “apoios à modernização e à renovação das frotas de pesca artesanais” das RUP, “atualmente excluídos ou muito limitados” no âmbito do Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas (FEAMP).
O Secretário Regional afirmou que o relatório do Parlamento Europeu, entregue quinta-feira, “vai ao encontro das pretensões do Governo dos Açores”, uma vez que defende a aplicação diferenciada do regime dos Totais Admissíveis de Captura (TAC) e quotas para várias espécies, “nomeadamente no que se refere às pescarias multiespecíficas”.
O titular da pasta das Pescas frisou também que este novo instrumento financeiro pode trazer “possibilidades de apoios às conserveiras da Região”, na medida em que poderá permitir “a alteração dos limites dos apoios às grandes empresas do setor, atualmente vigentes no FEAMP”.
“A criação de um fundo independente para as pescas, à semelhança do POSEI para a agricultura, por exemplo, seria fundamental para uma melhor gestão do POSEI-PESCAS e para apoiar a investigação e a avaliação de recursos piscícolas nas RUP”, salientou Gui Menezes, frisando o seu “importante contributo potencial para o desenvolvimento da economia azul” nos Açores.
Gui Menezes recordou que “todas as RUP deram contributos para este relatório do Parlamento Europeu, em particular os Açores”, acrescentando que se espera que as recomendações “sejam acatadas pela Comissão Europeia”.
Lusa/MN | Foto: Direitos Reservados

Secretário Regional da Saúde anunciou em Ponta Delgada

Governo dos Açores cria grupo de trabalho para elaborar manual de boas práticas de humanização
O Secretário Regional da Saúde anunciou hoje, em Ponta Delgada, a criação de um grupo técnico para estudar e elaborar um manual de boas práticas em humanização, que será adotado no Serviço Regional de Saúde.
“Queremos que, dentro de seis meses, esta comissão possa elaborar e solicitar a todas as comissões de ética e de humanização dos hospitais e unidades de saúde dados para elaborar um manual sobre essa nova visão de humanização”, frisou Rui Luís, que falava na abertura das II Jornadas da Saúde, promovidas pela Universidade dos Acores.
Rui Luís adiantou que serão convidadas todas as ordens profissionais nos Açores para fazerem parte desta comissão, bem como o Centro de Estudos de Bioética do Pólo Açores.
A concretização deste manual surge na sequência da reunião do Conselho Regional de Saúde, que se realizou a 30 de março.
Na sua intervenção na abertura das jornadas, o titular da pasta da Saúde destacou dois pontos de ação que os alunos de Medicina devem ter em atenção, nomeadamente a economia da saúde e o trabalho em equipa.
No primeiro caso, alertando para a importância do binómio custo/eficácia na forma de gerir stocks e recursos humanos e, no segundo caso, salientando a importância de, na relação interpessoal, o médico ouvir o doente.
O Secretário Regional elogiou a qualidade do ensino da academia açoriana e destacou o seu “papel na formação de jovens que hoje são profissionais no Serviço Regional de Saúde”.
Rui Luís lançou ainda um desafio aos médicos em formação para optarem pela especialidade de Medicina Geral e Familiar.
“É muito apetecível a área de especialidade hospitalar, mas a Região tem uma necessidade grande em especialistas ao nível da Medicina Geral e Familiar”, afirmou, acrescentando que é necessário “pensar a longo prazo com o envelhecimento de alguns dos nossos médicos”.
Estas Jornadas, que decorrem até sábado, são organizadas pela Comissão de Palestras de Medicina da Universidade dos Açores e têm como objetivo aumentar a literacia em saúde, contando com a participação de diretores de serviço e especialistas em Pediatria, Neurologia, Ortopedia, Reumatologia e Reabilitação.
Gacs/MN

Mais 10 novos trilhos pedestres nos Açores

Marta Guerreiro anuncia aprovação de 10 novos trilhos nos Açores
A Secretária Regional da Energia, Ambiente e Turismo anunciou hoje, em Ponta Delgada, a aprovação de 10 novos trilhos pedestres nos Açores, num total de 150 quilómetros, garantindo uma oferta cada vez mais sustentável em termos de quantidade e qualidade deste produto turístico.
“Em 2017, recebemos 25 propostas para novos percursos e alterações dos já existentes, sendo que os 10 aprovados hoje apresentam condições favoráveis para entrarem na rede de percursos pedestres homologados nos Açores ainda este ano”, afirmou Marta Guerreiro, em declarações no final de uma reunião da Comissão Regional de Percursos Pedestres.
Os trilhos pedestres apresentam-se como um produto turístico com especial impacto num destino como os Açores, atendendo aos sucessivos prémios de excelência como destino turístico sustentável.
A titular da pasta do Turismo salientou que, na definição e na seleção dos novos percursos, “foram tidas em conta as potencialidades das nove ilhas”, tendo, naturalmente, em atenção “alguma carga que existe em algumas ilhas e em algumas alturas, de forma a adaptar com inteligência aquilo que estamos a oferecer”.
Marta Guerreiro afirmou que a criação de uma Secretaria Regional que alia o turismo com o ambiente, dentro do que são os padrões internacionais, é um exemplo, apelando ao envolvimento de todos para o desenvolvimento coordenado destes setores.
“Acreditamos que com a vossa ajuda conseguiremos enriquecer e valorizar aquilo que temos para oferecer em termos de património ambiental de uma forma equilibrada, garantindo sempre as questões de sustentabilidade”, frisou.
Gacs/MN

Governo dos Açores - Direção Regional das Comunidades

Curso de Formação “Açores 2017” para Jovens das Comunidades – EUA.
O Governo dos Açores, através da Direção Regional das Comunidades, irá realizar na ilha de São Miguel, de 10 a 16 de Julho, do corrente ano, o curso de formação “Açores 2017”.
Esta iniciativa tem como destinatários jovens açorianos e açor descendentes residentes nos Estados Unidos da América, com idades compreendidas entre os 25 e 35 anos.
Pretende-se com este evento estimular o relacionamento entre os jovens da Diáspora e dos Açores; manter uma relação de familiaridade e proximidade dos açor descendentes com a Região Autónoma dos Açores; reforçar a importância do papel dos jovens para a preservação da identidade açoriana nas comunidades onde estão inseridos; dotar os jovens de competências que lhes permitam promover e divulgar a realidade atual dos Açores nas comunidades da diáspora açoriana; dotar os jovens de instrumentos formativos e informativos capazes de promover e divulgar oportunidades de investimento na Região junto dos mercados e instituições das suas áreas de residência; munir os jovens das capacidades necessárias para servirem de elos entre a Região Autónoma dos açores e o país e/ou regiões onde estão radicados; relevar e valorizar a importância da integração dos jovens nos corpos diretivos das instituições açorianas da diáspora que possam influenciar os destinos das próprias comunidades, incentivar e estimular os jovens a envolverem-se em projetos de iniciativa comunitária, bem como em ações de entidades dos Açores na Diáspora.
Face ao exposto, vimos, por este meio, solicitar a Vossa prestimosa colaboração, no sentido da divulgação deste programa junto dos vossos contactos. Para tal pode ser consultada toda a informação aqui.
Em anexo, remetemos o regulamento da referida iniciativa, bem como a respetiva ficha de inscrição, solicitando o seu envio para o email drc@azores.gov.pt, até ao dia 30 de abril 2017.

Associação Bandeira Azul da Europa (ABAE)

Bandeira Azul distingue 34 praias nos Açores, o mesmo número do que em 2016
A Bandeira Azul vai ser hasteada este ano em 320 praias, mais seis atribuições do que em 2016, anunciou hoje o presidente Associação Bandeira Azul da Europa (ABAE), José Archer.
O galardão vai ser entregue também a 14 marinas, menos três do que no ano passado, e a cinco eco-embarcações turísticas.
Das 320 praias, localizadas em 83 concelhos, 292 são praias costeiras e 28 praias fluviais.
No Norte recebem o galardão 70 (mais uma do que em 2016) praias, no centro 36 (mais quatro do que em 2016), na região do Tejo 48 (-4), no Alentejo 31 (+4), no Algarve 88 (igual número do que no ano passado), nos Açores 34 (o mesmo número do que em 2016) e na Madeira 13 (+1).
José Archer destacou que, mais uma vez, o Algarve tem o maior número de praias com Bandeira Azul e que a região Centro se tem afirmado como a zona em que existe maior número de praias fluviais galardoadas.
Em relação a 2016 há 14 novas praias, reentraram para a lista cinco praias e saíram 13.
Recebem pela primeira vez a Bandeira Azul as praias de Secarias, Sr.ª da Graça, Bico, Vimieiro e Lapa dos Dinheiros, na zona Centro, de Agroal e Porto Novo na região do Tejo, a praia de Monsaraz, Malhão, Alteirinhos e Santa Clara no Alentejo e as de Castelo Branco, Portinho do Faial da Terra e Poço dos Frades nos Açores.
Voltam a receber o galardão as praias de Angeiras Sul, no Norte, Praia Nova, no Tejo, Vale de Centeanes, no Algarve, Prainha de Água D’Alto, nos Açores, e Areeiro, na Madeira.
Perderam este ano a Bandeira Azul as praias de Louçainha, no Centro, Avencas, Carcavelos, Guincho, Moitas, Parede, São Pedro do Estoril e Tamariz, no concelho de Cascais, no Tejo, Pintadinho, no Algarve, Almoxarife, Cais do Pico, Silveira e Furna de Santo António, nos Açores.
Em relação a Cascais, as sete praias que saíram foi devido “a uma decisão meramente política” do município, que “não apresentou a candidatura”, enquanto as praias açorianas saíram por questões técnicas, “devido à alteração dos critérios de aferição da qualidade da água” e “não da qualidade da água em si”.
Quanto às marinas, elas são 14 com Bandeira Azul este ano, menos três do que no ano passado. Saíram as marinas do Parque das Nações, em Lisboa, e as marinas de Ponta Delgada e de Vila do Porto, nos Açores, por mudança dos critérios de avaliação em relação aos anos anteriores e “não conseguiram cumprir todos os novos critérios”, explicou José Archer.
Também terão bandeira azul cinco eco-embarcações turísticas, mais duas do que no ano passado, uma na região do Tejo, outra no Alentejo e três na Madeira.
Em comparação com a atribuição a nível internacional, Portugal é o sexto país com mais galardões conferidos – quando no ano passado era o 5º -, mas continua a apresentar mais de 55% das suas praias galardoadas.
Estão ainda previstas 815 atividades de educação ambiental, 753 em praias e 62 em marinas.
A atribuição da Bandeira Azul tem em conta critérios como a “informação e educação ambiental”, “qualidade da água”, “gestão ambiental e equipamentos” e “segurança e serviços”.
Este ano, pela primeira vez, o programa tem um embaixador e o escolhido é o navegador solitário Ricardo Diniz.
As cerimónias oficiais de hastear das primeiras Bandeiras Azuis de 2017 estão programadas para 01 de junho na praia de Ponta Delgada, no concelho de S. Vicente, na Madeira, para o dia 14 na praia da Congida, em Freixo de Espada à Cinta, e para o dia 09 na doca de recreio de Santo Amaro, em Lisboa.
Lusa/MN | foto: JGS

Futebol em Portugal: Próxima época já tem datas marcadas

Saiba quando é o arranque e o fim da Liga e da Taça de Portugal em 2017/18
Já há datas para a época futebolística 2017/18
A época futebolística 2017/18 arranca a 05/06 de agosto, com a Supertaça, e fecha a 20 de maio, com a final da Taça de Portugal, enquanto a I Liga decorrerá entre 7 de agosto e 13 de maio.
Segundo o calendário hoje divulgado pela Federação Portuguesa de Futebol (FPF), a temporada volta a começar com a tradicional Supertaça Cândido de Oliveira, que junta o campeão e o vencedor da Taça de Portugal, faltando decidir se o jogo será a 5 ou a 6 de agosto.
Quanto às competições profissionais, a FPF apenas avança que a I Liga “irá ter início a partir do dia 7 de agosto de 2017 e terminará até ao dia 13 de maio de 2018″.
A primeira jornada do principal campeonato português de futebol deverá assim começar no fim de semana de 12 e 13 de agosto, podendo, com a antecipação de um jogo, acabar por começar, provavelmente, no dia 11, uma sexta-feira.
O fecho de competição terá de ocorrer o mais tardar a 13 de maio de 2018, um domingo, precisamente uma semana antes da realização da final da Taça de Portugal, que, em 2016/17, também vai fechar a época lusa, com um Benfica-Vitória de Guimarães, a 28 de maio, no Estádio Nacional.
Em 2018, realiza-se a fase final do Mundial, agendado para a Rússia, entre 14 de junho e 15 de julho.
Ainda segundo a FPF, “o campeonato de Portugal, que conhecerá na próxima época um novo formato, arranca a 20 de agosto”.
lusa/MN

Futebol nos Açores - Taça Ilha Terceira, Graciosa e S. Jorge

Equipa do Ramo Grande junta Taça ao campeonato de Ilha
FINAL DA TAÇA ILHA TERCEIRA:
Dobradinha para o Fontinhas
Vitória por 3-1, na final da taça, ante o Porto de São Mateus, permite ao Desportivo das Fontinhas manter a época 100% vitoriosa.
Resultado da Final:
Porto São Mateus, 1 - GD Fontinhas, 3
Vencedor da Taça 2016-2017: 
Grupo Desportivo das Fontinhas
FINAL DA TAÇA ILHA GRACIOSA:
Graciosa FC conquista Taça de Ilha
A tarde foi de taça no futebol graciosense e de "triplete" para a equipa de séniores do Graciosa Futebol Clube. 
A Mocidade Praiense venceu o Luzense, por 2-1, em encontro da ultima jornada da Taça Ilha Graciosa. 
Ricardo Paulino inaugurou o marcador já na segunda parte, enquanto Luís Carlos ampliou a vantagem dos encarnados, tendo José Élio reduzido para o Luzense a 15 minutos do fim.
Este resultado beneficia o Graciosa Futebol Clube que assistiu na "bancada". 
Importa lembrar que o Luzense precisava de uma vitória com dois golos de diferença para conquistar o segundo troféu mais importante do calendário.  
Resultado da 3ª jornada:
GD Luzense, 1 – Mocidade Praiense, 2
Folgou: Graciosa FC
CLASSIFICAÇÃO:
L   CLUBE             J   V   E  D  GM-GS    P
1º Graciosa FC        2   1   1    0     2 – 1       4
2º Moc.Praiense      2   1   0   1      2 – 2       3
3º GD Luzense       2    0   1   1      2 – 3       1
Vencedor da Taça 2016-2017:
Graciosa Futebol Clube.
FINAL DA TAÇA ILHA DE SÃO JORGE:
GD Velense vence a taça de ilha
Resultado da Final:
Marítimo Velense, 0 - GD Velense, 1

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Futebol nos Açores - Campeonato do Faial/Pico (AFH)

Campeonato Faial/Pico (A.F.Horta) 2016/17:
Futebol Clube dos Flamengos virtual campeão
O Futebol Clube dos Flamengos é o virtual campeão da associação de futebol da Horta na categoria de seniores, venceu o Clube Desportivo Lajense por 5-0, golos de Bruno Melo, João Mendes por 3 vezes.
Ainda na ilha do Faial o Angustias Atlético Clube recebeu o Futebol Clube da Madalena e perdeu por 0-4, golos de Ivo Pereira, Fábio Oliveira fez o golo 200 do campeonato o terceiro foi da autoria de Fábio Leal, Aladjy marcou o quarto golo.
Na ilha do Pico o Vitória Futebol Clube recebeu o Fayal Sport Clube e venceu por 2-0, golos de João Rodrigues e Luís Melo.
Resultados da 19ª. jornada:
Angústias Atlético, 0 – FC Madalena, 4
FC Flamengos, 5 – CD Lajense, 0
Vitória FC (Pico), 2 – Fayal Sport, 0
CLASSIFICAÇÃO:
L   EQUIPAS          J     V     E    D   GM-GS        P
1º FC Flamengos      19  14     5     0     40 –10       47
2º Vitória FC (Pico) 19   13    5     1     59 –13       44
3º FC Madalena       19   10    2     7     36 –27       32
4º Fayal Sport          19    7     6     6      37 –26       27
5º Ang. Atlético       19    3     1    15     23 –62      10
6º CD Lajense         19     0    1     18     07–66         1
20ª. jornada – 30-04-2017:
CD Lajense – Angústias Atlético
Fayal Sport – FC Flamengos
FC Madalena – Vitória FC (Pico)
JGS

Futebol nos Açores - Campeonato de S. Miguel (AFPD)

CAMPEONATO DE SÃO MIGUEL DA 1ª DIVISÃO:

Vale Formoso campeão da AFPD

O Vale Formoso, mesmo de folga, sagrou-se campeão de São Miguel de futebol, após a disputa da 17.ª jornada (penúltima) do Campeonato de São Miguel de futebol, efetuada no passado fim-de-semana.
Faltando uma jornada para terminar a prova mais importante da Associação de Futebol de Ponta Delgada, a equipa comandada por Emanuel Simão beneficiou do empate a uma bola obtido pelo Marítimo na deslocação ao reduto do Águia. Na derradeira jornada, a equipa do Vale Formoso desloca-se à Maia em ritmo de passeio e já com o título garantido, pronto para fazer a festa da consagração.
O Marítimo, que necessitava imperiosamente de vencer para adiar por mais uma jornada a questão do título, consentiu um empate sábado nos Arrifes perante o Águia, resultado que ditou a subida antecipada do Vale Formoso ao Campeonato de Futebol dos Açores (CFA) na próxima época. Vítor Sousa apontou o golo dos arrifenses, enquanto Rúben marcou para o emblema “azul e branco”. Dirigiu a partida o árbitro Vasco Almeida.
O Vale Formoso, depois de descer em 2015/2016 às competições da Associação de Futebol de Ponta Delgada (AFPD), regressa desta vez ao agora denominado Campeonato de Futebol dos Açores (CFA), confirmando ser a melhor equipa do Campeonato de São Miguel. Repetiu a vitória obtida na época de 2013/14.
A jornada 17 abriu 5.ª feira, com a derrota caseira do Vitória do Pico da Pedra diante do Mira Mar por 3-1, desfecho que coloca definitivamente a formação vitoriana na 6.ª posição, depois de ter assumido durante algumas jornadas a liderança. O Mira Mar, com este importante triunfo, subiu ao 3.º lugar. Num jogo com três expulsões, o jovem árbitro João Paulo Branco foi o homem do apito.
Na 6.ª feira, o Desp. Rabo Peixe “B” baqueou na receção ao Santiago por 2-0, golos apontados por Múller e por Hugo Lima. Já no tempo de compensação, Zé Carlos falhou um penálti para o conjunto pauense. A equipa treinada por Pedro Costa subiu ao 5.º posto, trocando de lugar com o Vitória. O veterano árbitro Duarte Travassos orientou o embate.
O jogo Santo António – Casa Povo Maia, único marcado para domingo não se realizou devido à falta de comparência da equipa maiata. O motivo prendeu-se com a falta de jogadores em número capaz de o árbitro dar início ao jogo. Pedro Amaral seria o juiz de campo destacado para orientar este confronto entre as duas equipas que ocupam os últimos lugares na classificação.
Face a esse lamentável episódio, para além da multa que será naturalmente imposta à Casa Povo Maia, a derrota, em casos desta natureza, será de 3-0 para a equipa que fez falta de comparência.
CA/MN
Resultados da 17ª. jornada:
Rabo de Peixe ‘B`, 0 – Santiago FC, 2
Águia dos Arrifes, 1 – Marítimo SC, 1
Vitória P. Pedra, 1 – Mira Mar, 3
Santo António, 3 – Casa Povo , 0
Folgou: FC Vale Formoso.
Jogo em atraso da 15ª jornada:
Águia dos Arrifes, 14 – Casa Povo Maia, 1
CLASSIFICAÇÃO:
L  EQUIPAS             J   V   E  D  GM-GS     P
1º Vale Formoso       15  10   4   1    38–09     34
Marítimo SC         15   9   3   3     24–15    30
3º Mira Mar SC        15   8   4   3     26–14     28
4º Águia Arrifes       15   8   3   4     43–20     27
5º Santiago FC         15   7   4   4     23–16     25
6º Vitória CPP          16   7   4   5     24–19     25
7º Rabo de Peixe B  15   4   0  14    19–33     12
8º Santo António      15   1   4  10    17–33      7
9º Casa Povo Maia   15   1   0  14    1267      3
18ª jornada – 29-04-2017:
Santiago FC – Santo António
Casa Povo Maia – Vale Formoso
Mira Mar – Águia dos Arrifes
Marítimo SC – Rabo de Peixe´B´
Folga: Vitória Clube P. Pedra.
JGS

Campeonato de Futebol dos Açores:

Sporting de Guadalupe, 2 - CD Rabo de Peixe, 1

Final dramático para o Desportivo de Rabo de Peixe

O Desportivo de Rabo de Peixe está praticamente fora da rota do título açoriano de futebol.
Ao perder, por 2-1, na Graciosa, com o Sporting de Guadalupe, a equipa de Rabo de Peixe ficou a 4 pontos quando cada equipa tem ainda 2 jogos para disputar. O Guadalupe joga na Terceira com o Vilanovense e em casa com o Prainha. O Desportivo de Rabo de Peixe recebe o Prainha e vai à Graciosa enfrentar o Marítimo. Apenas 2 pontos garantem ao Sporting de Guadalupe o título e a subida ao Campeonato de Portugal.
Até tudo estava encaminhado para que o Desportivo de Rabo de Peixe tivesse um final feliz. Aos 26m Valtinha colocou a equipa em vantagem. Porém, aos 87m, Luís Filipe igualou e aos 90+4m Léo Vaz teve um remate em arco sobre o guarda-redes Armindo que resultou na vitória por 2-1. Foi o delírio no campo de Guadalupe. Está à vista mais um marco histórico.
O árbitro David Rodrigues esteve em bom plano e o jogo decorreu sem casos.
Nos momentos decisivos o Desportivo de Rabo de Peixe falhou. E os momentos decisivos foram nos jogos na Ribeira Grande com o Sporting de Guadalupe. Duas derrotas que ditaram um atraso que nunca mais foi recuperado.
Embora no futebol já aconteceram coisas inacreditáveis, dificilmente o Sporting de Guadalupe desperdiçará esta oportunidade e inscrever o nome como vencedor da 4.ª edição do Campeonato de Futebol dos Açores.
No jogo realizado no Pico, Prainha e Marítimo da Graciosa empataram a 1 golo. Marcaram o micaelense Gonçalo Mendonça, aos 9m, para a equipa da Graciosa, empatou Bruno Teixeira, aos 46m.
Grupo «A» – Apuramento do Campeão:
Resultados da 7ª jornada:
Sp. Guadalupe, 2 – CD Rabo de Peixe, 1
Prainha FC, 1 – Marítimo Graciosa, 1
Folgou: SC Vilanovense.
CLASSIFICAÇÃO:
L  EQUIPAS               J   V   E    D   GM-GS      P
1º Sp. Guadalupe          6   5    0    1     11 – 5       55
2º Rabo de Peixe          6    4   0    2     13 – 6       51
3º Prainha FC               5    1   1    3       3 – 5       39
4º Vilanovense             5    1   1    3      3  – 6       34
5º Marítimo Graciosa   6    1   2    3      4 –11       30
8ª jornada – 30 abril de 2017:
Rabo de Peixe – Prainha FC
Vilanovense – Sp. Guadalupe
Folga: Marítimo Graciosa
GRUPO «B» Manutenção/Despromoção:
Barreiro, Marítimo S. Mateus e Cedrense descem aos regionais
No grupo da despromoção/descidas, confirmaram-se as descidas do Barreiro e do Marítimos de São Mateus. O Barreiro só não baixa se não descer nenhuma equipa dos Açores do Campeonato de Portugal.
O Desportivo de S. Roque foi à Terceira vencer, por 1-0, o Marítimos de São Mateus, golo de Luís Soares, aos 9 minutos, de grande penalidade.
O Barreiro goleou, por 5-0 (3 golos de Marquinho e 2 de Dylan) o Cedrense.
Grupo «B» – Manutenção/Despromoção:
Resultados da 7ª jornada:
SC Barreiro, 5 – GD Cedrense, 0
Os Marítimos, 0 – GD São Roque, 1
Folgou: U. Micaelense.
CLASSIFICAÇÃO:
L   EQUIPAS            J   V   E   D    GM-GS      P
1º GD São Roque       6    5    0    1      8 – 3       39
2º U. Micaelense        5    4    0    1    18 – 3       36
3º SC Barreiro            6    4    0    2    12 – 5       26
4º Marítimos S.M.     5    1    0    4      5 –13      17
5º GD Cedrense         6    0    0    6      3 –22       5
8ª jornada – 30 abril de 2017:
GD Cedrense – Os Marítimos SM
U. Micaelense – SC Barreiro
Folga: GD São Roque.
CA/MN

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Inauguração do 'Monumento à Liberdade' em Sto. António

Vítor Fraga afirma que João Guilherme “será sempre lembrado como um herói de abril”
O Secretário Regional dos Transportes e Obras Públicas afirmou hoje que o açoriano João Guilherme Rego Arruda, natural de Santo António, no concelho de Ponta Delgada, que morreu a 25 de abril de 1974, em Lisboa, quando as forças da então Direção Geral de Segurança dispararam sobre os manifestantes, “foi e será sempre lembrado como um herói de Abril”.
Vítor Fraga, que falava naquela freguesia, na cerimónia de inauguração do 'Monumento à Liberdade', cuja peça principal é o busto de João Guilherme Rego Arruda, salientou que esta homenagem “lembra um Açoriano que nos deve orgulhar a todos pelo seu envolvimento e pela sua coragem e dedicação na revolução de abril”.
O Secretário Regional, dirigindo-se à família do homenageado, frisou não ser fácil “imaginar a dor por ver partir tão cedo um jovem de 20 anos", acrescentando que João Guilherme é "um exemplo de luta firme e tenaz pela implementação da Democracia no nosso país e a favor da liberdade de todos nós”.
Para Vítor Fraga, “se há significado que se possa retirar do facto de estarmos hoje aqui, todos juntos, a celebrar abril através desta homenagem, penso que é a ideia de que o 25 de abril não é propriedade de nenhum partido político nem das opiniões de ninguém”.
Nesse sentido, salientou que a revolução de 1974 trouxe aos portugueses “a possibilidade de decidir sobre o seu presente e o seu futuro" e, nos Açores, "por via da consagração da Autonomia, trouxe também a liberdade de todos poderem escolher livremente quem os governa, ou seja, os governos regionais”.
“Outra das grandes conquistas do 25 de abril foi um poder local democrático”, frisou o Secretário Regional, lembrando as primeiras eleições autárquicas realizadas em 1976, através das quais “as autarquias e o poder local se constituíram como uma realidade inteiramente democrática, resultado do sufrágio direto e universal, recuperando a autonomia e conquistando simultaneamente novas atribuições e competências próprias”.
Para Vítor Fraga, a liberdade e a democracia trouxeram à tona “o verdadeiro sentido da política”, que passa por “resolver os problemas das pessoas, definindo prioridades, procurando soluções, enfim, com liberdade, com espírito democrático e com vontade e em cooperação, conseguir o melhor de nós próprios a favor de quem, democraticamente, nos elegeu”.
“Nada nos sacia tanto como a conquista da liberdade e da democracia, feita, também, por punhos da nossa gente, ilhéus, Açorianos”, frisou Vítor Fraga.
GaCS/HB/MN

Santa Casa da Misericórdia do Corvo

Governo dos Açores garante fornecimento de refeições escolares aos alunos do Corvo
O Secretário Regional da Educação e Cultura afirmou hoje, em Ponta Delgada, que os alunos do Corvo poderão ter acesso a refeições preparadas e servidas pela Santa Casa da Misericórdia local “no início do próximo ano letivo”.
Avelino Meneses, que foi ouvido na Comissão de Assuntos Sociais da Assembleia Legislativa sobre uma proposta de construção de um refeitório e fornecimento de refeições escolares na Escola Básica e Secundária Mouzinho da Silveira, salientou, em declarações aos jornalistas, que aquele serviço está dependente da conclusão das obras que decorrem na cozinha da Santa Casa da Misericórdia do Corvo.
A Secretaria Regional, segundo adiantou Avelino Meneses, celebrou há cerca de uma semana um protocolo com a Santa Casa da Misericórdia do Corvo que, entre outros aspetos, contempla o fornecimento de refeições aos alunos e a utilização do refeitório nas instalações contíguas à escola do Corvo.
Com esta solução, que não prevê necessariamente a construção de uma cozinha e de um refeitório, com custos estimados em mais de 300 mil euros, sem contar com a eventual necessidade de contratar pessoal especializado, o Governo dos Açores garante aos estudantes do Corvo “os mesmos direitos como aos das demais ilhas”, frisou o Secretário Regional.
Avelino Meneses salientou que, num arquipélago caraterizado pela "diversidade", como os Açores, "nem sempre as soluções a adotar serão idênticas para todos em todas as ilhas”, frisando que existe “a obrigação de explorar alternativas” em benefício, no caso, “da gestão do erário público e sem prejuízo da comunidade estudantil do Corvo”.
GaCS/PB/MN

Promoção de 40 empresas aderentes à Marca Açores

Governo promove a divulgação de empresas regionais através do projeto Mundo Marca Açores
O Vice-Presidente do Governo destacou hoje, na apresentação do primeiro dos 40 programas audiovisuais de promoção de produtos regionais, que esta nova iniciativa “constitui mais um esforço de promoção e divulgação da Marca Açores” e mais “um importante apoio às empresas” regionais, contribuindo para sua notoriedade e potenciando novos negócios.
“Com esta nova iniciativa, vamos assegurar, numa primeira fase, a produção de 40 programas de divulgação e promoção de 40 empresas aderentes à Marca Açores”, afirmou Sérgio Ávila que falava no lançamento do projeto Mundo Marca Açores, em Angra do Heroísmo.
O governante revelou que “estes programas serão divulgados através da Internet, redes sociais e através de canais de televisão regionais, nacionais e internacionais que estabeleçam protocolos com o projeto”.
Sérgio Ávila sublinhou que esta medida “além de assegurar nos diversos canais de comunicação mais um meio de promoção das empresas e produtos açorianos, sem encargos para essas empresas, disponibiliza também um novo instrumento de promoção que os empresários podem utilizar no âmbito da sua estratégia de comercialização e divulgação”.
Frisando que desde a sua criação há apenas dois anos, a Marca Açores já conta “com mais de 1800 produtos e mais de 100 empresas aderentes em todo o arquipélago”, o titular da pasta da Competitividade Empresarial anunciou que a partir do próximo mês de maio as empresas aderentes vão passar a ser auditadas.
“Depois da criação da figura do Gestor Marca Açores, em março passado, que assegurará um acompanhamento eficaz e personalizado em todas as fases do processo de adesão, vamos passar também a acompanhar as nossas empresas nas Auditorias Marca Açores”, revelou Sérgio Ávila, sublinhando que se pretende apoiar as “empresas na identificação de situações que podem ser alvo de melhoria”.
As equipas auditoras são geridas pela Sociedade para o Desenvolvimento Empresarial dos Açores (SDEA).
“A proximidade e a relação de parceria que temos com as nossas empresas é dinâmica e orgânica: Altera-se, cresce-se e melhora-se, sempre”, afirmou o Vice-Presidente do Governo, acrescentando que “por isso, queremos continuar continuaremos a inovar e a cuidar das nossas empresas, levando os Açores mais longe!”
A série de 40 programas intitulada Mundo Marca Açores é de produção exclusivamente regional e cada programa mostra todas as componentes de produção de vários produtos do setor agroalimentar, assim como o quotidiano de serviços e estabelecimentos aderentes em diversas empresas de todo o arquipélago e que se caraterizam por serem “certificados pela natureza”.
O programa Mundo Marca Açores é acompanhado pela canção “Marca Açores”, uma música composta pelo grupo terceirense Myrica Faya em exclusivo para este projeto.
Com o lançamento deste programa audiovisual o Governo dos Açores dá continuidade à estratégia de promoção dos produtos açorianos, a qual, possibilita a fidelização e acesso a novos mercados, o alargamento da base económica de exportação e o reforço da competitividade das empresas regionais, sendo o primeiro programa dedicado às Queijadas da Graciosa, também o primeiro produto certificado no âmbito da Marca Acores.
GaCS/OG/MN

Casa dos Vulcões é um projeto do gabinete SAMI Arquitectos

Governo dos Açores adjudica empreitada de execução da Casa dos Vulcões na ilha do Pico
O Governo dos Açores, através da Secretária Regional da Energia, Ambiente e Turismo, adjudicou hoje, em sequência de um concurso público, a "EMPREITADA DE EXECUÇÃO DA CASA DOS VULCÕES, NA ILHA DO PICO", à empresa MARQUES, S.A., com um valor base de cerca de um milhão e seiscentos e quarenta e cinco mil euros e um prazo de execução de quinze meses.
A Casa dos Vulcões é um projeto do gabinete SAMI Arquitectos, a construir em plena Paisagem Protegida da Cultura da Vinha da Ilha do Pico, que promove a recuperação do património edificado do núcleo do Lajido de Santa Luzia, uma vez que será executada com base nas ruínas de dois armazéns tradicionais, e visa, com base em critérios científicos e adaptado ao turismo de preservação, proporcionar uma maior divulgação do património geológico dos Açores e de toda a sua geodiversidade, presente em vulcões, grutas e outras paisagens vulcânicas.
Esta infraestrutura constituirá o ponto de partida para a exploração e conhecimento desse património geológico, com a respetiva exposição permanente, idealizada pela empresa Aula do Risco, a ter por base um conjunto de módulos que contam a história dos vulcões dos Açores e do Mundo, com destaque para a Cápsula Sensorial, constituída por um domo geodésico representando um veículo destinado a realizar viagens imaginárias ao centro da Terra e onde serão efetuadas projeções audiovisuais sobre o poder dos vulcões, e para o Simulador de Sismos, que permite simular, com grande realismo, sismos já ocorridos- uma experiência que será acompanhada de imagens e sons.
A Casa dos Vulcões contempla, ainda, uma área educativa, denominada Cantinhos dos Vulcões, constituindo-se este espaço não apenas um centro de interpretação orientado para os turistas e público em geral, mas também um espaço de conhecimento e de aprendizagem dirigido aos mais novos, onde serão desenvolvidas práticas cognitivas específicas, incluindo uma oficina de desenho, modelação e impressão em 3D.
Trata-se de mais um investimento do Governo dos Açores que pretende destacar a importância do nosso património natural e assegurar a sua projeção num contexto de gestão sustentável.
GaCS/HMB/MN

O programa Erasmus+ Active Jobs, na Ilha Terceira

O Programa Erasmus+ é um bom contributo para uma Europa mais plural e tolerante, defende Berto Messias
O Secretário Regional Adjunto da Presidência para os Assuntos Parlamentares defendeu hoje que “o programa Erasmus+, pela forma como promove o intercâmbio de culturas e de vivências de variados países europeus, é um bom contributo para a construção de uma Europa mais forte, baseada nos valores da tolerância, da igualdade e do respeito por perspetivas e ideias diferentes”.
“As novas gerações têm uma grande responsabilidade nesse processo de construção europeia, num momento de grandes transformações políticas que têm permitido a emergência de movimentos nacionalistas que vêm o fim do espaço europeu comum e da livre circulação de pessoas e bens na Europa como algo muito positivo para o futuro.
Veja-se o que aconteceu com o Brexit ou o que se passou ainda ontem com a passagem à segunda volta das eleições francesas de Marine Le Pen. Estas transformações, na nossa perspetiva negativas, não são algo muito longínquo, que não nos afeta; fazem parte do nosso quotidiano e podem prejudicar-nos”, defendeu o secretário regional.  
Na sessão de boas vindas do programa Erasmus+ Active Jobs, que junta na Ilha Terceira cerca de 40 jovens de diferentes países europeus para debater empreendedorismo e emprego jovem, Berto Messias realçou a importância de os Açores estarem integrados nesta rede europeia, que “garante ganhos importantes para nós, através da perceção que estes jovens levam da nossa cultura, das nossas dinâmicas sociais e económicas e dos nossos bons exemplos de governança, bem como na promoção da nossa Região”.
Berto Messias referiu-se ainda às políticas de juventude na Região e às políticas desenvolvidas na área da promoção do emprego jovem, realçando a “evolução consistente que temos garantido na redução do desemprego jovem, onde conseguimos uma redução de 45% nos últimos dois anos. Estes números não nos fazem acomodar ou descansar, são sim um incentivo para continuar a implementar uma agenda política onde mais emprego jovem é a garantia de mais desenvolvimento económico e social para os Açores”.
GaCS/TM/MN