quarta-feira, 8 de março de 2017

Divulgação na ilha Terceira do programa 'Europa Criativa'

Avelino Meneses destaca potencialidades dos Açores no quadro dos interesses da Europa
O Secretário Regional da Educação e Cultura defendeu hoje, em Angra do Heroísmo, que a história e a cultura dos Açores “obrigam” a que a Europa dispense “alguma atenção” à Região, por “carências que exigem a solidariedade europeia”, mas também pelas “potencialidades” que possui e que “suscitam o interesse europeu”.
“Aqui, nos Açores, a nossa história e a nossa cultura obrigam a que a Europa nos dispense alguma atenção, porque temos carências que exigem a solidariedade europeia, porque temos potencialidades que suscitam o interesse europeu”, afirmou Avelino Meneses.
O Secretário Regional, que falava na sessão de divulgação na ilha Terceira do programa 'Europa Criativa', salientou que o resultado de uma vivência de cinco séculos “muito afastados dos continentes” e “muito afastados uns dos outros, apesar de estarmos perto”, consistiu na criação de “mentalidades ilhoas” que, acrescentou, “oxalá a Autonomia, a Universidade e a televisão transformem um dia numa identidade açoriana”.
Para Avelino Meneses, os Açores, como os cinco séculos da sua história o comprovam, estão no “lugar indicado” para dar continuidade ao “diálogo intercivilizacional indispensável à projeção da Europa” que, por vezes, aparenta “algum sufoco” porque “constrangida entre coisas grandes: a supremacia da América a ocidente, o enigma da Rússia a leste, a força do Islão a sul”.
Por estas razões, segundo Avelino Meneses, os Açores podem conferir à Europa “uma dimensão atlântica”, mas frisou que o êxito de Portugal na Europa dependerá do investimento em educação e, nesse sentido, a Região com a implementação do ProSucesso, plano integrado de promoção do sucesso escolar, “há-de contribuir para o acréscimo do conhecimento, alavanca da conversão da Europa na mais competitiva das economias mundiais”.
Na sua intervenção, o Secretário Regional manifestou, por outro lado, a expetativa de que, através do programa 'Europa Criativa', dotado com 1,4 mil milhões de euros e com um prazo de vigência até 2020, a atividade dos agentes culturais e as instituições açorianas do setor se “traduza em mais e melhor produção cultural”.
Este programa tem como objetivos o apoio à capacidade dos setores cultural e criativo europeus para operarem internacionalmente, além da promoção da circulação transnacional de obras culturais e criativas e a mobilidade de artistas, a formação de novos públicos e o reforço da capacidade financeira destes setores.
Apoiar a cooperação transnacional para promover o desenvolvimento de políticas, a inovação e a utilização de novos modelos de negócios, apoiando ainda atividades que contribuam para dotar os agentes de competências e 'know-how' que contribuam para o reforço daqueles setores são outros dos objetivos.
GaCS/PB/MN

Sem comentários: