terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Trail Running nos Açores: Inauguração de um novo Trilho


Primeiro trilho nos Açores com sinalética específica para a  prática do 'Trail Running' vai ser  inaugurado no Faial
Percurso no Monte da Guia é o primeiro da Região e será inaugurado quinta-feira, 2 de fevereiro, com a presença do campeão nacional da modalidade, que estará no Faial no âmbito de um workshop destinado a atletas de trail running.
O Clube Independente de Atletismo Ilha Azul (CIAIA), pioneiro na implementação do Trail Running nos Açores, irá proceder, através do projeto Azores Trail Run® e em parceria com o Parque Natural do Faial, à inauguração do primeiro trilho com sinalética específica para a prática do Trail Running nos Açores.
O percurso pedestre de Entre Montes, no Monte da Guia, permite um acesso fácil tanto aos habitantes locais como aos visitantes, pelas suas características ímpares de proximidade à cidade da Horta e às unidades hoteleiras da ilha.
A inauguração do percurso decorrerá na quinta-feira, 2 de fevereiro, a partir das 18h00, com um treino que contará com a presença do campeão nacional de Ultra Trail, Tiago Aires, que estará no Faial esta semana, no âmbito de um workshop sobre a modalidade.

Esta iniciativa faz parte do projeto do Centro de Trail Running da Ilha do Faial Valorização dos Recursos Endógenos Naturais, Paisagísticos e Patrimoniais, e enquadra-se numa estratégia que poderá abrir portas a um novo segmento de turismo nos Açores através da disponibilização de estruturas que permitirão o treino desta modalidade, com milhões de praticantes no mundo inteiro.
Um dos pilares fundamentais da estratégia de desenvolvimento do segmento de turismo de natureza implementada pelos Açores é a política de planeamento e gestão dos trilhos pedestres, locais onde, preferencialmente, se desenvolve o trail running, atividade que tem vindo a alcançar um número crescente de praticantes. As principais motivações associadas à sua prática são o contacto com a natureza, o bem-estar físico e a descoberta, motivações que se encontram descritas para os mercados de turismo de saúde e bem-estar e, sobretudo, de turismo de natureza, com enorme potencial de crescimento.
TRAIL CAMP - AZORES TRAIL RUN2017 COM PRESENÇA DO CAMPEÃO NACIONAL
Durante esta semana estará no Faial, a convite do CIAIA, Tiago Aires, campeão nacional de Trail e vencedor do ranking nacional de Orientação Elite, para a realização de um workshop sobre trail running, a decorrer na Fábrica da Baleia, aberto a todos os interessados.
O workshop arranca hoje, 31 de janeiro, e prolonga-se até quinta-feira. Todos os dias estão previstas sessões teóricas e práticas, com início às 18h00. Todas as informações sobre o evento, assim como a inscrição, estão disponíveis na página de Facebook do Azores Trail Run®, em www.facebook.com/azorestrailrun.
Com 35 anos, Tiago Aires foi melhor português no Campeonato do Mundo de Trail, com uma longa experiência em Orientação Pedestre, 11 vezes campeão nacional de Elite e quatro vezes campeão nacional junior. Em 2016, o atleta participou no Azores Trail Run® - Faial Costa a Costa, tendo vencido a prova.
 
962 757 454 (Mário Leal; Diretor ATR) comunicacaoatr@gmail.com

Secção Regional da Ordem dos Enfermeiros

Rui Luís manifesta abertura para avaliar a carência de enfermeiros na Região
O Secretário Regional da Saúde admitiu hoje, em Ponta Delgada, analisar, em conjunto com a Secção Regional da Ordem dos Enfermeiros, as dotações destes profissionais para dotar o Serviço Regional de Saúde dos rácios necessaries.
Rui Luís, que falava no final de uma reunião com o responsável regional da Ordem dos Enfermeiros, adiantou que espera receber até ao final de fevereiro um levantamento das necessidades de enfermeiros ao nível dos cuidados primários e hospitalares.
“Temos situações em que os enfermeiros estão a fazer horas extraordinárias, o que significa que há trabalho que é necessário ser feito. Será esse balanço que será necessário realizar”, afirmou o titular da pasta da Saúde.
A adaptação da circular sobre os Núcleos de Saúde Familiar à dimensão das Unidades de Saúde de Ilha foi outro dos assuntos abordados neste encontro, assim como a questão da falta de enfermeiros especialistas.
Nesse sentido, Rui Luís salientou a “possibilidade da Universidade dos Açores, através da Escola de Saúde, disponibilizar, ainda este ano, um curso de pós-licenciatura nesta área para dotar o Serviço Regional de Saúde dos especialistas necessários”.
GaCS/MS/MN                        

“oportunidade valiosa para a agricultura açoriana”

Bruxelas vai destinar verbas específicas para a promoção de produtos agrícolas das RUP ou afetados por dificuldades de mercado
O Secretário Regional da Agricultura e Florestas, João Ponte, afirmou que as alterações hoje anunciadas pela Comissão Europeia para as campanhas de promoção de produtos agrícolas em 2017 representam uma “oportunidade valiosa para a agricultura açoriana”.
As alterações foram anunciadas numa ação de divulgação que decorreu em Bruxelas com a presença do setor agrícola dos Açores, através dos seus representantes no Centro Açoriano do Leite e Lacticínios.
Assim, ao mesmo tempo que se aumenta o orçamento para este ano - 133 milhões de euros comparados com os 111 milhões em 2016 e com uma taxa de cofinanciamento de 70%-85% - há um valor acrescido de 9,5 milhões de euros disponíveis para ações de promoção diretamente geridas pela Comissão Europeia, por exemplo, para pavilhões da UE em feiras de países terceiros ou missões de alto nível.
Um montante de 63 milhões de euros está destinado à promoção de produtos em mercados de países terceiros.
O plano coloca ênfase não só nos produtos abrangidos pelos sistemas de qualidade da UE, nos produtos das Regiões Ultraperiféricas (RUP) e nos produtos de produção orgânica, mas inclui também elementos específicos para setores atingidos por dificuldades de mercado, como os produtos lácteos, a carne suína e bovina, além de uma verba extra de 4,5 milhões de euros destinada a setores que enfrentam crises inesperadas.
Estas novas orientações podem beneficiar especialmente os Açores, não só como Região Ultraperiférica, mas também detentora de um forte setor de leite e lacticínios atingido por dificuldades de mercado.
Novidade em 2017 é também um subsídio de 15 milhões de euros para programas de promoção que fomentem um melhor conhecimento da agricultura sustentável e o papel que desempenha a agricultura na luta contra as mudanças climáticas no mercado interno.
As organizações de produtores e as associações profissionais da União Europeia, entre as quais as dos Açores, podem enviar as suas propostas até 20 de abril, data a partir da qual os projetos recebidos serão avaliados e selecionados.
GaCS/SF

Secretária Regional da Energia, Ambiente e Turismo

Aposta na energia geotérmica é uma forma de valorizar o potencial endógeno dos Açores, afirma Marta Guerreiro
A Secretária Regional da Energia, Ambiente e Turismo afirmou hoje que, até 2021, 60% da produção de eletricidade nos Açores deve ser proveniente de energias renováveis e recursos endógenos, destacando a produção geotérmica, com 34%, enquanto prioridade do Governo na sustentabilidade e valorização dos recursos naturais disponíveis.
“Neste momento, a produção geotérmica em São Miguel é de cerca de 182GWh, o que representa 43% da produção de eletricidade na ilha e 23% da produção de energia nos Açores, sendo que o total de fontes de energias renováveis nesta ilha é de 54% e representa 35% do total nos Açores, permitindo evitar cerca de 165 mil toneladas de emissões de CO2 no último ano”, frisou Marta Guerreiro, que falava, nas Furnas, na abertura da primeira reunião do projeto europeu ERA-NET Geothermica, do qual o Governo dos Açores é parceiro através do Fundo Regional para a Ciência e Tecnologia.
Para a titular da pasta da Energia, é importante reforçar a representação da Região nas organizações europeias para a definição de políticas estratégicas no setor energético, “fazendo dos Açores um ‘living lab’ para testar soluções emergentes que nos confiram a caraterística de ‘smart islands’”.
Participar de forma ativa e eficaz na elaboração de programas e projetos europeus é um dos objetivos, através da investigação e desenvolvimento tecnológico nos domínios da energia, especialmente em áreas que incluam os recursos naturais e endógenos, como é o caso da geotermia.
“Pretendemos fomentar investigação para valorizar o nosso potencial endógeno aplicado aos diversos setores estratégicos, promovendo a inovação e a competitividade na nossa Região”, salientou Marta Guerreiro, acrescentando que a geotermia “não deve ser apenas utilizada para produção de eletricidade, a chamada de alta entalpia, mas também como capacidade calorífica (baixa entalpia), como é o caso do aquecimento de água (no setor turismo), do aquecimento de estufas (no setor da agricultura) e do aquecimento geotérmico (como no típico cozido açoriano)”.
Nos Açores existem duas centrais geotérmicas com capacidade para 23 MW, ambas na ilha de São Miguel, tendo a Secretária Regional adiantado que será concluída este ano a central da ilha Terceira, com capacidade prevista para 3,5 MW.
O Governo dos Açores, alinhado com o compromisso da União Europeia para 2020 e 2030, baseado no Acordo de Paris de 2016, definiu objetivos estratégicos para aumentar a eficiência energética e reduzir tanto as consequências do efeito estufa como a dependência dos combustíveis fósseis até 2020, para promover a qualidade e segurança do abastecimento energético à população.
GaCS/HMB

Secretário Regional da Educação e Cultura dos Açores

Avelino Meneses realça cumprimento dos compromissos do Governo com os docentes dos Açores
O Secretário Regional da Educação e Cultura afirmou hoje, em Ponta Delgada, que o Governo dos Açores, em matéria de revisão do regulamento do concurso do pessoal docente, cumpriu com os compromissos assumidos com os professores.
Avelino Meneses, que falava aos jornalistas no final de uma ronda negocial com os representantes dos sindicatos dos professores nos Açores, destacou que "esses compromissos, que também constituem expetativas dos docentes”, se relacionam com “a reposição da anualidade dos concursos e a supressão da obrigatoriedade de permanência por três anos na escola de colocação”.
“Isto era o essencial e isto é, a partir de agora, um dado adquirido”, frisou o titular da pasta da Educação.
Avelino Meneses adiantou que, para “minorar os efeitos da precariedade laboral” e também em conformidade com o que está estabelecido no estatuto da carreira docente, ficou acordado que “no cálculo do número de lugares do quadro deverão ser consideradas as vagas correspondentes aos contratos a termo resolutivo celebrados consecutivamente durante três anos e as horas de redução da componente letiva em função da idade e tempo de serviço”.
Tal situação, acrescentou o Secretário Regional, ocorrerá desde que “não se exceda os quadros existentes, desde que não implique a existência de docentes excedentários e desde que se destinem à satisfação de necessidades permanentes”.
Esta situação, segundo Avelino Meneses, “não é uma novidade absoluta” nos Açores, já que tem sido “prática” do governo “sempre” que faz a identificação de uma necessidade permanente que esteja a ser suprida por um professor contratado, abrir uma vaga para o quadro.
“Se o fizemos no passado, continuaremos a fazê-lo no futuro”, assegurou o Secretário Regional.
GaCS/PB/MN

'Ocean Governance - An agenda for the future of our oceans'

Açores têm papel fundamental na governança dos oceanos, afirma Rui Bettencourt
O Secretário Regional Adjunto da Presidência para as Relações Externas afirmou hoje, em Bruxelas, que o mar é "um desafio estratégico forte” para a União Europeia e para os Açores, enquanto Região Ultraperiférica.
“O Mar dos Açores é um ponto de passagem obrigatório para qualquer cenário de desenvolvimento da União Europeia implicando o mar”, frisou Rui Bettencourt, que falava na conferência international 'Ocean Governance - An agenda for the future of our oceans', promovida pelo Intergrupo Mares, Ilhas, Rios e Zonas Costeiras do Parlamento Europeu, que contou com a presença do Comissário Europeu para o Ambiente, Assuntos Marítimos e Pescas, Karmenu Vella.
“Para nós, a governança do mar não pode falhar e coloca-se aqui o desafio de os Açores serem um nó fundamental desta governança", salientou Rui Bettencourt, considerando "extremamente importante a existência de uma articulação do nível global, europeu, de governança com o nível regional”.
Na sua intervenção, o Secretário Regional sublinhando o papel fundamental da Conferência das Regiões Periféricas e Marítimas da Europa nesta articulação, uma vez que representa 150 regiões europeias
Rui Bettencourt considerou que seria “impensável não implicar os Açores nos vários níveis de governança dos Oceanos”, não só porque o Mar dos Açores representa 18% do mar europeu, mas também porque “os Açores desejam estar neste processo histórico de desenvolvimento de um quadro de governança internacional dos oceanos”.
Para o governante, o contributo açoriano “assenta nas políticas exemplares que têm sido desenvolvidas no território mais marítimo da Europa e mais oceânico do Atlântico Norte no que respeita à proteção e conservação do meio marinho, à investigação no domínio do oceano profundo e à internacionalização da sua visão estratégica para o mar”.
Neste contexto, Rui Bettencourt afirmou ser fundamental a participação ativa de regiões insulares e, no caso concreto da Região Autónoma dos Açores, realçando que “a dimensão marítima e oceânica, bem como a localização dos Açores na encruzilhada entre as rotas oceânicas dos continentes europeu, africano e americano, são fatores de diferenciação e desenvolvimento, constituindo uma oportunidade para colocar esta região ultraperiférica numa posição de importante vantagem comparativa, como plataforma e centro mobilizador da criação de valor associado ao mar”.
“Os Açorianos são particularmente sensíveis ao mar que os envolve. Pela sua maneira de viver, a sua cultura, a sua economia, o Povo Açoriano está fortemente ligado ao mar”, frisou Rui Bettencourt.
O titular da pasta das Relações Externas disse ainda que “o balanço da Política Marítima Integrada da Europa, nas suas múltiplas valências, é claramente um marco muito positivo para a governança dos oceanos” e que o crescimento sustentável da economia do mar – o 'crescimento azul' - é “uma estratégia fundamental para o progresso das comunidades marítimas da Europa, incluindo as periféricas e as ultraperiféricas, como os Açores”.
Rui Bettencourt frisou, no entanto, que o processo europeu de integração da política marítima, “apesar do quadro estabilizado de que hoje dispomos, enfrenta dificuldades reais decorrentes das estratégias políticas dos Estados Membros”, salientando que a dificuldade que muitos Estados têm em aplicar e implementar os instrumentos internacionais dedicados à gestão sustentável dos oceanos “será um grande impedimento para uma política verdadeiramente global nesta matéria”.
“A falta de conexão e a fragmentação das políticas setoriais parece ser, assim, o principal problema que o objetivo desejado de uma governança internacional dos oceanos enfrenta”, afirmou, acrescentando que “o maior desafio colocado à comunidade internacional neste âmbito será o de alinhar a multitude de atores que nele se movimentam” para que a iniciativa europeia de governança internacional dos oceanos seja um êxito.
Ainda em Bruxelas, o Secretário Regional reuniu-se hoje com a Chefe da Unidade Regiões Ultraperiféricas, da Direção Geral de Política Regional da Comissão Europeia, Sabine Bourdy, num encontro em que foi abordada, entre outros assuntos, a participação dos Açores no Fórum das Regiões Ultraperiféricas, que terá lugar no final de março na capital belga.
GaCS/SN

Projeto piloto substitui o papel pelo formato digital na receita médica

Receita em papel dá lugar à receita digital no Serviço Regional de Saúde
O Secretário Regional da Saúde foi o primeiro utente a testar o projeto piloto que substitui o papel pelo formato digital na receita médica e na compra de medicamentos, sendo a 'receita sem papel' uma realidade a partir de hoje nos centros de saúde de Angra do Heroísmo e da Praia da Vitória.
Rui Luís, em declarações aos jornalistas, salientou que este é um "momento histórico", acrescentando que se trata de "um passo importante para otimizar a utilização das tecnologias na relação com o utente”.
O Secretário Regional, após uma consulta no Centro de Saúde de Angra do Heroísmo, deslocou-se a uma farmácia desta cidade para adquirir os medicamentos prescritos.
Rui Luís adiantou que, no prazo máximo de seis meses, este modelo de 'receita sem papel' deve estar a funcionar em todas as unidades de saúde da Região.
O novo modelo permite ao utente dispensar alguns medicamentos que constam da receita e levantá-los mais tarde noutra farmácia, além de introduzir poupanças no Serviço Regional de Saúde.
Cada receita é acompanhada de uma mensagem SMS enviada para o telemóvel do utente e de uma mensagem por correio eletrónico com as informações relativas à toma dos medicamentos.
Para o levantamento da receita na farmácia, o utente deve apresentar o seu Cartão de Cidadão e o código de dispensa recebido na mensagem que lhe foi remetida
Numa fase de transição, ninguém fica impedido de aceder aos seus medicamentos caso esteja impossibilitado de utilizar a opção digital, existindo sempre a possibilidade de impressão da guia de tratamento.
Para Rui Luís, as vantagens deste modelo estendem-se também à humanização dos serviços.
”Estamos convencidos que a desmaterialização irá dar mais tempo ao médico para estar com o seu utente porque, como é óbvio, e esse é o nosso objetivo, desmaterializando toda a parte burocrática teremos mais tempo para cuidar do utente”, afirmou o titular da pasta da Saúde.
GaCS/MS/MN                        

Juventude açoriana precisa de melhores oportunidades

Governo dos Açores vai reforçar promoção do empreendedorismo nesta legislatura
O Secretário Regional Adjunto da Presidência para os Assuntos Parlamentares anunciou hoje, em Angra do Heroísmo, que o Governo dos Açores vai "reforçar a promoção do empreendedorismo e da cultura empreendedora nesta legislatura", através de um conjunto de ações e de parcerias de apoio para que a juventude açoriana possa ter "novas e inovadoras iniciativas e mais e melhores oportunidades”.
Berto Messias, que falava no final de uma audiência com André Leonardo, promotor de iniciativas de empreendedorismo e embaixador da Direção Regional da Juventude para a Educação para o Empreendedorismo, salientou a importância de “uma atitude proativa da juventude açoriana”.
"O empreendedorismo não pode estar circunscrito à vertente empresarial, deve ser abordado como uma atitude perante a vida e perante a sociedade", frisou, acrescentando que "dizer que uma sociedade mais proativa e empreendedora será sempre uma sociedade melhor não é um cliché de circunstância, é uma verdade inquestionável e temos de intensificar esse caminho”.
“Foram desenvolvidos vários projetos que abrangeram muitos jovens como, por exemplo, a Educação Empreendedora, que chegou a mais de 7.700 crianças e jovens, ou o projeto ‘Faz Acontecer Açores’, em parceria com o André Leonardo, que abrangeu 31 escolas e cerca de 2.700 alunos”, afirmou Berto Messias.
“Estes programas vão continuar, chegando a mais jovens e envolvendo mais parceiros", afirmou o Secretário Regional, salientando que se pretende ainda "lançar outras iniciativas que visam promover a proatividade e a livre iniciativa jovem, quer através de mecanismos de formação e de aumento de competências para a criação de novos negócios e empresas, mas também através da promoção e valorização de mais participação cívica e de mais empenho na construção do nosso futuro”. 
GaCS/TM/MN

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Secretário Regional dos Transportes e Obras Públicas

Serviços do LREC contribuem de forma determinante para a redução de custos das empresas de construção civil, afirma Vítor Fraga
O Secretário Regional dos Transportes e Obras Públicas afirmou hoje, em Ponta Delgada, que os serviços prestados pelo Laboratório Regional de Engenharia Civil (LREC) contribuem de forma determinante para a redução de custos das empresas do setor da construção civil e obras públicas.
Vítor Fraga salientou que o LREC “tem vindo a desempenhar um importante papel junto das empresas do setor da construção e obras públicas, no sentido de, por um lado, reduzir os custos que estão associados à sua atividade e, por outro, possibilitando a oportunidade de criação de valor”.
Para o titular da pasta das Obras Públicas, este papel tem uma tradução prática, “ao nível do desenvolvimento que foi efetuado com a implementação de um 'pack' de Marcação CE dos produtos que essas empresas produzem", o que representou "uma redução ao nível do custo associado de cerca de 30%", destacando também o apoio disponibilizado ao nível do aconselhamento, "com a criação de um gabinete de apoio às empresas para a marcação dos seus produtos”.
“Há também a destacar o facto de o LREC ser um laboratório acreditado para efetuar calibrações, o que nos permite estar hoje aqui a assistir a este ensaio, que irá contribuir de uma forma determinante para a redução de custos das empresas, por um lado, evitando a deslocação destes esquipamentos para o continente e, por outro, evitando a deslocação de técnicos credenciados à Região”, frisou Vítor Fraga, em declarações à margem da apresentação do ensaio de calibração de peneiros, que o LREC passa agora a efetuar.
Para o Secretário Regional, este é “mais um contributo para que a redução de custos seja efetiva, junto das empresas do setor da construção civil e obras públicas”.
Vítor Fraga destacou ainda “o importante papel que o LREC tem vindo a desempenhar, nomeadamente ao nível do desenvolvimento do catálogo de materiais endógenos produzidos e transformados na Região", que considerou ser "um instrumento fundamental para criar valor na fileira da construção”.
GaCS/HB/MN

Empresários do Canadá nos Açores

Vinhos dos Açores interessam a empresários do Canadá
David Tavares, fundador da GlobeStar Systems, também conhecida por Connexall, explicou ao Correio dos Açores, que visitou recentemente algumas ilhas da Região acompanhado pelo Presidente e CEO da LCBO (Liquor Control Board of Ontario), George Soleas, com vista a dar a conhecer os vinhos dos Açores e gerar a importação e comercialização dos mesmos no vasto mercado canadiano.
O Fundador da GlobeStar Systems falava à margem da sessão de networking e motivação intitulada “The Power of You”, que contou com uma apresentação da speaker internacional, Jane Gaynor, e teve lugar ontem, no edifício Nonagon, na Lagoa.
Segundo David Tavares, “todos os produtos alcoólicos que entram em Ontário, têm de passar pela LCBO, é a maior empresa na área e têm vendas no valor de 6 biliões de dólares por ano.”
A LCBO já importa alguns vinhos de Portugal continental, “mas não em grande quantidade, e quis dar a conhecer os vinhos e licores dos Açores à LCBO. Essencialmente, para este propósito visitamos as ilhas de São Miguel, Terceira e Pico”, deu conta.
Os resultados, acrescentou, “foram muito positivos”. Definiram-se alguns vinhos como possíveis de se lançar no Canadá. “Não têm ainda a produção necessária mas há, no mínimo, dois vinhos que julgamos que vão ter sucesso na sua exportação para o Canadá”, considerou David Tavares.
De acordo com o empresário, natural das Feteiras e radicado no Canadá, são vinhos brancos de duas empresas do Pico, “uma propriedade de um senhor alemão e outra de uma senhora. Achamos os vinhos muito interessantes, o feedback da LCBO foi muito positivo e vamos regressar, talvez ainda este ano”.
Para terem sucesso, é importante levar os vinhos para o Canadá e fazer demonstrações, e “a LCBO é a empresa mais capaz de fazer isso, não só em Ontário mas também no Quebec”, argumentou.
Para David Tavares, a qualidade dos vinhos é inegável e com a produção suficiente podem singrar no mercado. Actualmente, existem, na ilha do Pico, “duas empresas a caminho disso.”
O fundador da GlobeStar Systems referiu que a intenção é criar uma secção de produtos açorianos na LCBO.
“Inicialmente, com os vinhos e, conforme as coisas forem correndo, vamos pensar, por exemplo, em incluir licores”, concluiu.
Escrito por: Nuno Fontes Sousa/MN

Campeonato de Portugal Prio:

Operário goleou o Carapinheirense por 7-1 e garantiu o 2º lugar
Operário garante apuramento para a fase de subida 
Goleada por 7-1 sobre o Carapinheirense valeu o segundo lugar aos fabris que ultrapassaram o Sertanense, derrotado no terreno do líder, Fátima. Sporting Ideal empatou mas também dependia de terceiros para ir mais além.
 O Operário carimbou o acesso à fase de subida do campeonato de Portugal ao golear, em casa, o Carapinheirense por 7-1. Os fabris não dependiam apenas de si para terminar a fase regular na segunda posição da série E mas o desaire consentido pelo Sertanense no terreno do Fátima abriu as portas da qualificação à formação da Lagoa.
Ao ganhar por 7-1 e beneficiando do desaire do Sertanense, o Operário saltou para a segunda posição com 35 pontos, os mesmos que o União de Leiria que goleou a Naval por 6-0. Só que os lagoenses beneficiaram do maior número de golos marcados na prova e qualificaram-se pela quinta alínea dos critérios de desempate.
Também o Sporting Ideal ainda sonhava com o apuramento mas dependia de uma maior conjugação de resultados que se esfumou a partir do momento que o União de Leiria e o Operário tinham as vitória asseguradas. Os leões da Ribeira Grande empataram (1-1) diante do Benfica e Castelo Branco, opositor que também chegou a São Miguel de calculadora na mão para ainda tentar chegar ao segundo lugar.
Praiense segura 1º lugar na Série F
 Bem mais tranquila foi a jornada para as equipas açorianas envolvidas na série F.O apurado Praiense recebeu e empatou (0-0) com o Torreense, resultado que apurou o opositor dos terceirenses para a segunda fase, pois o Mafra não foi além de um empate caseiro diante do Vilafranquense. Em Angra, o Lusitânia bateu o Angrense por 3-1 e deu mais um passo rumo à permanência.
Acácio Mateus/MN

sábado, 28 de janeiro de 2017

II LigaPro: Santa Clara vence em Famalicão

Golo de Ruben Saldanha, aos 89 minutos deu vitória aos açorianos
Famalicão, 0 - Santa Clara, 1
Santa Clara vence em Famalicão com golo aos 89 minutos
Com um golo de Ruben Saldanha, aos 89 minutos, o Santa Clara venceu este sábado em casa do Famalicão 1-0, em jogo da 24.ª jornada da II Liga portuguesa de futebol.
Depois de contrariedades para as duas equipas - Carlos Pinto teve de recorrer a Berny Burke para substituir Hugo Santos, que mostrou não estar em condições durante o aquecimento, enquanto Nandinho viu Kisley lesionar-se aos sete minutos de jogo, substituindo-o por Correia -, na primeira parte foram escassas as situações de perigo, bem como a emotividade.
O Santa Clara começou a deter algum domínio após a primeira meia hora de jogo e, aos 39 minutos, Clemente, primeiro, e Diogo Santos, na recarga, atiraram contra o corpo do guardião da casa.
O Famalicão respondeu através de Perre, que rematou forte para fora (41 minutos) e de Feliz, que deu o mesmo destino à bola, após passe de Medeiros (45).
Os açorianos trocavam melhor a bola, mas os minhotos eram mais organizados defensivamente. No ataque pecavam os dois, pelo que ao intervalo se mantinha o 'nulo'.
No arranque da segunda parte, aos 48 minutos, Clemente voltou a tentar surpreender, após passe de Pacheco, mas Victor Braga estava novamente atento.
Aos 80 minutos, quando os locais estavam claramente por cima, surgiu o melhor lance de perigo da partida: Mendes cruzou para Correia, que, sem hesitar, rematou forte, mas Serginho travou o remate com uma defesa difícil e por instinto.
E aos 89 o 'balde de água fria' caiu sobre o Famalicão, quando o Santa Clara, num contra-ataque, acabou por marcar por intermédio de Ruben Saldanha, que aproveitou um passe recuado de João Reis.
Jogo no Estádio Municipal de Famalicão, em Vila Nova de Famalicão.
Famalicão - Santa Clara, 0-1.
Ao intervalo: 0-0.
Marcador:
0-1, Ruben Saldanha, 89 minutos.
Equipas:
Árbitro: Gonçalo Martins (AF Vila Real).
- Famalicão: Victor Braga, Joel Monteiro, Nuno Diogo, Vilaça, Nera, Vítor Lima, Mércio (Diogo Cunha, 75), Perre, Feliz (Mendes, 59), Kisley (Correia, 7) e Medeiros.
(Suplentes: Efremov, Ângelo Meneses, Patrick, Diogo Cunha, Mendes, Chico e Correia).
Treinador: Nandinho.
- Santa Clara: Serginho, Rui Silva, João Dias, Accioly, Diogo Coelho, Diogo Santos, Pacheco, Ruben Saldanha, Berny Burke (Pineda, 67), João Reis (Igor, 90+2) e Clemente (Diogo Ribeiro, 90+1).
(Suplentes: Pedro Soares, Felipe Barros, Igor, Pineda e Diogo Ribeiro).
Treinador: Carlos Pinto.
Ação disciplinar: Cartão amarelo para Pacheco (08), Diogo Coelho (14), Nera (54), Nuno Diogo (57), Vítor Lima (75) e Pineda (90+1).
Assistência: cerca de 2.000 espetadores.
Lusa/MN

Secretário Regional Adjunto da Presidência em Toronto

Rui Bettencourt destaca papel das comunidades açorianas como pilar da estratégia de internacionalização dos Açores
O Secretário Regional Adjunto da Presidência para as Relações Externas salientou, em Toronto, a importância da Federação de Empresários e Profissionais Luso-Canadianos, que representa largas dezenas de empresas, considerando esta estrutura empresarial da diáspora como “um importante pilar na estratégia de internacionalização dos Açores”.
Rui Bettencourt falava sexta-feira no final de um encontro com a presidente da instituição, Michelle Jorge, que manifestou forte interesse em estabelecer diversos protocolos de colaboração com o Governo Regional e com a Universidade dos Acores.
Ainda em Toronto, o Secretário Regional teve também uma reunião com a presidente da Direção da Casa dos Açores de Ontário, Suzanne Cunha, em que também participaram os restantes órgãos de direção, num encontro em que foram articulados diversos pormenores relativos à organização, este ano, nesta cidade canadiana da reunião anual do Conselho Mundial das Casas dos Açores.
Nesta reunião ficou também estabelecida a possibilidade de organizar, concomitantemente, diversos eventos que mobilizem a comunidade açoriana no Canadá e projetem os Açores junto dos Canadianos.
No âmbito da visita que realizou às comunidades açorianas no Canadá, que incluiu deslocações às províncias de Quebeque, Manitoba e Ontário, Rui Bettencourt proferiu uma comunicação na Universidade de York sobre 'Os Açores no século XXI'.
Na sua intervenção perante os alunos do Curso de Estudos Portugueses, entre os quais açor descendentes, Rui Bettencourt desafiou os jovens a escolher a educação como um investimento fundamental, "integrando sempre a Açorianidade como um dos elementos importantes dos seus projetos de vida".
Nesse sentido, destacou a importância da manutenção e perpetuação do património, material e imaterial, edificado pela primeira geração, considerando que deve ser “prolongado e intensificado pelas novas gerações de descendentes”.
Defendeu ainda que “é necessário um aprofundamento das relações intergeracionais de uma forma mais sistemática e de partilha de conhecimento e aspirações”.
O Secretário Regional visitou, na cidade de Hamilton, o Portuguese Support Service for Quality Living, organização que conta com o apoio do Governo dos Açores na resposta a situações de maior vulnerabilidade, destacando que o trabalho desenvolvido “em muito contribuiu para a realização pessoal de cada cidadão e garantia da sua qualidade de vida”.
Na sua primeira deslocação oficial ao Canadá, o Secretário Regional Adjunto da Presidência para as Relações Externas, que esteve acompanhado pelo Diretor Regional das Comunidades, Paulo Teves, visitou as comunidades açorianas residentes nas províncias do Quebeque, Manitoba e Ontário.
GaCS/SRAPRE/MN

Porta-voz da Casa Branca diz que não deve haver novidades

Imigrantes com antecedentes criminais serão prioridade nas deportações nos EUA
Porta-voz da Casa Branca diz que não deve haver novidades em relação a permissão para imigrantes ilegais que chegaram ao país ainda crianças, trazidos pelos pais.
A casa Branca informou nesta segunda-feira (23) que os imigrantes em situação irregular e que possuem antecedentes criminais serão prioridade nas políticas de deportação, como havia prometido durante a campanha o presidente Donald Trump.
“Pessoas que podem fazer mal ou tenham feito mal e têm antecedentes criminais são o centro das atenções”, disse o novo porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, para quem “na atualidade a prioridade está nas pessoas que fizeram mal ao nosso país”.
Spicer acrescentou que, no momento, a prioridade do governo está nos imigrantes “que ficaram no país após o vencimento de seus vistos ou que cometeram crimes. Mas avançaremos nisto de forma sistemática e metódica”.
Trump, disse o porta-voz, “deixou muito, muito claro que precisamos orientar as agências a se concentrar nos que estão ilegalmente no país e têm antecedentes criminais ou representam uma ameaça”.
“No momento, a prioridade clara está aí”.
Ao ser questionado se Trump firmaria algum decreto contra a chamada “Ação Diferida para a Chegada de Jovens Imigrantes” (DACA, sigla em inglês), Spicer sugeriu que não deve haver novidades a este respeito.
A DACA foi adotada em 2012 pelo então presidente Barack Obama e permite regularizar a situação de imigrantes que chegam ilegalmente aos Estados Unidos como menores trazidos por seus pais.
O mecanismo permitiu que mais de 740 mil imigrantes regularizassem sua situação, mas os pais destes jovens permanecem em situação irregular.
No final de 2014, Obama firmou outro decreto, que permitia ampliar o benefício da DACA aos pais de jovens com a situação regularizada, para evitar a separação de famílias por deportação, mas a aplicação da segunda medida foi bloqueada pela Justiça.
Durante sua campanha eleitoral, Trump prometeu tolerância zero com imigrantes em situação irregular, e disse que iria construir um muro na fronteira com o México.
Fonte: Globo/MN

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Academia de Ciências de Lisboa (ACL) e a língua portuguesa

Academia sugere regresso de acentos, consoantes mudas e do hífen ao Acordo Ortográfico
O documento de aperfeiçoamento do Acordo Ortográfico de 1990 (AO90), aprovado na quinta-feira pela Academia de Ciências de Lisboa (ACL), propõe o regresso de consoantes mudas, do acento gráfico, em alguns vocábulos, do circunflexo, noutros, assim como do hífen.    
O estudo propõe o regresso das consoantes mudas em palavras como “recepção” e “espectador”, ou seja, nos casos em que geram uma concordância absoluta de sons (homofonia) que podem causar "ambiguidade".
O documento “Sugestões para o aperfeiçoamento do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa” de 1990 foi aprovado em plenário, na quinta-feira, por 18 votos, com cinco votos contra.
Segundo a proposta apresentada, deve regressar o acento agudo em palavras com pronúncia e grafia iguais, as palavras homógrafas, referindo, entre outras, “pára”, forma do verbo parar, que se confunde com a preposição para, também “péla”, nome e forma do verbo pelar, que se confunde com a preposição “pela”.
Também é recomendado o regresso do acento circunflexo em diferentes vocábulos que são homógrafos a outros, por exemplo, o verbo “pôr”, para evitar confundir com a preposição “por”.
Defende o estudo o emprego do acento circunflexo “nas flexões em que a vogal tónica fechada é homógrafa de outra flexão da mesma palavra”, como os casos de “pôde”, forma do pretérito perfeito do indicativo do verbo “poder”, para se distinguir de “pode”, forma do presente do indicativo do mesmo verbo.
Também a forma “dêmos”, presente do conjuntivo do verbo “dar”, para se distinguir de “demos”, pretérito perfeito do indicativo, do mesmo verbo.
O acento circunflexo é igualmente recomendado para as terceiras pessoas do plural do presente do indicativo, casos de “crêem”,” lêem”, “vêem”, ou do conjuntivo, como “dêem”, dos verbos “crer”, “ler”, “ver”, “dar”, e seus derivados “relêem”, e “desdêem”, por exemplo.
O estudo defende a acentuação gráfica na terminação verbal “ámos”, relativa ao pretérito perfeito do indicativo dos verbos da 1.ª conjugação, todos os que terminam em “ar”. Esta acentuação da terminação verbal “amos” visa “distinguir da terminação ‘amos’ do presente do indicativo dos mesmos verbos”, como “terminámos” e “terminamos” ou “afirmámos” e “afirmamos”.
Quanto às consoantes mudas, nos casos em que geram uma concordância absoluta de sons (homofonia), sugere a Academia os termos "aceção”, que se pode confundir com "acessão" (consentimento), "corrector", que se pode confundir com "corretor" (intermediário), "óptica", relacionado com a visão, que se confundirá com ótica (audição), além de “receção” (recebimento) que se confunde com recessão (retrocesso), e "espectador", diferente de "espetador" (o que espeta).
Conserva-se também quando a consoante muda “tem valor significativo, etimológico e diacrítico”, como por exemplo “conectar”, “decepcionado” e “interceptar”.
Segundo a argumentação da ACL “eliminam-se [as consoantes mudas] nos casos em que são invariavelmente mudas em todos os países de língua oficial portuguesa”
Deste modo “a grafia passa a ser única” nas palavras “acionar”, “atual”, “batizar”, “coleção”, “exato”, “inspetor” ou “projeto”.
Todavia, quando “se verifica oscilação de pronúncia na variedade portuguesa da língua”, recomenda a Academia, “preferencialmente, nestes casos, a manutenção da grafia com a consoante, para evitar arbitrariedades”.
Um dos exemplos dados é “fato”, na grafia brasileira, e “facto”, na grafia portuguesa.
Quanto ao hífen, é recomendação geral, por “clareza gráfica”, o emprego quando os elementos dos compostos, com a sua acentuação própria, não conservam, considerados isoladamente, a sua significação, ou seja, quando “o sentido da unidade não se deduz a partir dos elementos que a formam”.
Argumenta o estudo que se exige o emprego do hífen, em vocábulos como “água-de-colónia”, “braço-de-ferro”, “entra-e-sai” e “pé-de-meia”, e mantém-se nos termos que já o tinham como por exemplo “trouxe-mouxe”.
O hífen deve ser restaurado em expressões em que a soma dos elementos forma um sentido único, como por exemplo “faz-de-conta” e “maria-vai-com-as-outras”.
Também no interior de certos compostos vocabulares deve manter-se o hífen e o apóstrofo, como em “borda-d’água”, “cão-d’água”, “copo-d’água”, “mãe-d’água”, “marca-d’água”, “pau-d’água” e “pau-d’arco”, entre outros.
Já os vocábulos, dos quais se perdeu a noção de composição, como “mandachuva”, “paraquedas” e “paraquedista”, devem escrever-se aglutinadamente, o que não se deve cumprir relativamente aos “compostos com a forma verbal ‘manda-‘ e ‘pára-‘” que devem continuar “separados por hífen conforme a tradição lexicográfica”, casos de “manda-lua”, “pára-choques”, “pára-brisas”, e “pára-raios”.
O documento com as “Sugestões para o aperfeiçoamento do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa” de 1990, aprovado pela Academia das Ciências, está disponível em http://voc.cplp.org.
Lusa/AO/MN

Vice-presidente do Grupo Parlamentar do CDS-PP Açores

Promessas de António Costa para os Açores foram “mão cheia de nada”
A Vice-presidente do Grupo Parlamentar do CDS-PP Açores, Graça Silveira, critica o Primeiro-ministro, António Costa, por ter vindo à Região fazer promessas que redundaram “numa mão cheia de nada” e acusa-o de enganar os Açorianos, nomeadamente na questão relativa à instalação da sucursal do Laboratório Europeu de Recursos Biológicos Marinhos em Portugal, que, em vez de vir para os Açores, acabou instalado no Algarve.
Num requerimento entregue no Parlamento dos Açores, Graça Silveira pede ao Governo socialista Regional que “esclareça quais as diligências que foram feitas junto do Governo da República, no cumprimento do compromisso assumido a favor da Autonomia no que se refere às questões científicas e tecnológicas na área das Ciências do Mar”, concretamente “para que o EMBRC Portugal ficasse no IMAR (Instituto do Mar) da Universidade dos Açores e não no Centro de Ciências do Mar (CCMAR) da Universidade do Algarve”.
Tudo isto porque, recorda, “por ocasião da visita oficial do Primeiro-ministro à Região, em final de abril de 2016, este se comprometeu com uma verdadeira parceria a favor da Autonomia, nomeadamente no que se refere às questões científicas e tecnológicas, particularmente nas áreas da Climatologia, Vulcanologia e das Ciências do Mar, do estudo do Atlântico e do mar profundo, tendo afirmado o seu empenho na constituição dum Centro de Observação Oceânica que ficaria sedeado no Faial”.
Aliás, salienta a parlamentar democrata-cristã, “na declaração conjunta do Governo da República e do Governo Regional dos Açores, divulgada a 30 de abril, no âmbito da visita oficial do Primeiro-ministro à Região, a alínea e) do ponto 4, refere a intenção de ‘criar um Centro de Investigação Oceanográfica, a sedear na Ilha do Faial…’”.
Estes compromissos foram assumidos antes das eleições Regionais, lembra Graça Silveira, frisando, no entanto, que, “depois das eleições, que o PS ganhou com maioria, o Laboratório Europeu de Recursos Biológicos Marinhos (que é o principal centro europeu de investigação em ciências do mar), sediado em Paris, encontra-se representado em Portugal pela Universidade do Algarve, desde o passado dia 12 de dezembro, onde foi inaugurado pelo Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, em vez de ficar no IMAR do Departamento de Oceanografia e Pescas da Universidade dos Açores, e onde se investiram 15 milhões de euros”.
CDS/MN

Noite de Fado no Centro Cultural Português de Mississauga

Gonçalo Salgueiro cantou e encantou num excelente espetáculo
Em mais uma noite dedicado ao fado o Centro Cultural Português de Mississauga (CCPM), decidiu convidar mais um grande artista da nova geração vindo diretamente de Portugal, o jovem Gonçalo Salgueiro com os seus guitarristas.
O salão nobre do CCPM vestiu-se a rigor para receber mais uma gala de fado no último sábado dia 21 janeiro, numa noite amena de nevoeiro intenso a convidar para um jantar á boa maneira típico lisboeta, que incluiu o tradicional caldo verde e o fiél bacalhau á murro acompanhado por um bom vinho português a relembrar as noites fadistas na capital portuguesa.
A noite começou com um jantar e logo depois o presidente do CCPM, Tony de Sousa, subiu ao palco primeiramente para pedir um minuto de silêncio por um membro da direção da terceira idade, José Pereira, que tinha falecido durante a semana. Depois agradeceu a todos pela presença e convidou o mestre de cerimónias, Avelino Teixeira para apresentar o espetáculo.
Abriu o espetáculo a banda ‘’Nelz’’ que vieram de Cambridge com o seu vocalista Nelson Medeiros que interpertou vários números entrando em cena também a voz feminina de Eduarda Bernardo que o acompanhou, terminando com o convidado em palco do famoso guitarrista português Guilherme Banza, que tocou no último número na canção que o lançou o Nelson, ‘’Toca Guitarra do Meu País’’, recebendo no final muitos aplausos da plateia.
Seguiu-se então a apresentação o artista convidado vindo de Portugal, Gonçalo Salgueiro, um jovem alentejano que é dono de uma grande voz do fado em Portugal e já conta com três CD’s, o último com o título com o seu nome ‘’Gonçalo Salgueiro’’.
O Mc Avelino Teixeira apresentou primeiramente os três músicos: Guilherme Banza (guitarra portuguesa), Rogério Ferreira (viola) e Paulo da Paz (viola baixo), seguindo logo depois a presença do fadista da noite, Gonçalo Salgueiro que cantou vários temas do seu último CD como também cantou temas muito conhecidos de Amália Rodrigues entre outros temas do velho fado de Lisboa.
Foi a primeira vez que Gonçalo Salgueiro veio cantar ao Canadá e de certo que deixou boa impressão não só na sua voz e como interpete o fado com paixão e amor como também como pessoa e levou muito a sério a sua atuação em Mississauga e que diga o público que assistiu a esta grande noite de fado no CCPM.
Gonçalo Salgueiro já tem em conta quatro CD´S editados o primeiro em 2002 grava o 1º álbum a solo “…No tempo das cerejas”, uma assumida homenagem a Amália, onde recria alguns dos seus temas esquecidos. Em 2006, edita o 2º Álbum “Segue a minha Voz”, que será reeditado em 2012 com a mais valia de duetos inéditos com Fernanda Maria e Beatriz da Conceição. E por ultimo em 2009/2010, edita o CD/DVD homónimo “Gonçalo Salgueiro” onde se revela como autor de versos para o Fado.
Em 2011 – É distinguido pela SPA – Sociedade Portuguesa de Autores, na Gala de Homenagem ao Fado.
Em 2012 Gonçalo Salgueiro é galardoado pela Fundação Amália Rodrigues com o Prémio Amália Rodrigues 2012 na categoria “Tributo a Amália”, prémio pela primeira vez instituído e atribuído.
Espectáculos pela Europa e USA, levam-no ao contacto mais próximo com o grande público que, tal como os críticos, são unânimes em afirmar a sua extraordinária versatilidade, emoção e presença.
No final da suia atuação Gonçalo Salgueiro foi ovacionado com muitas palmas e recebeu os maiores elogios dos mais criticos presentes. Fez o público participar e cantar com ele algumos fados mais conhecidos como também dirigiu algumas palavras que ficou impresionado com os luso-canadianos que gostam do fado e teceu os maiores elogios ao Centro Cultural Português de Mississauga, e como é conhecido em Portugal pelos os artistas que são sempre bem recebidos quando cá passaram atuar neste grande Centro Cultural.
Como salientou o presidente do CCPM, Tony de Sousa, ‘’Aqueles amantes do fado que não puderam marcar presença nesta grange noite, não sabem o que perderam, esteve conosco um grande jovem fadista, que amam aquilo que faz e deixa em palco o seu melhor e é um dos melhores jovens  fadista que alguma vez passou aqui no Canadá’’. Também agradeceu ao Eduardo Barros que serviu de referência para o convite da vinda do Gonçalo até nós, no Canadá. Terminando a dizer que o Eduardo Barros é como um membro da sua direção escondido que tem um conhecimento direto com os fadistas portugueses como referiu o próprio Gonçalo Salgueiro e uma grande pessoa e homem que podemos contar.
texto e fotos por: J.G.Silva

Estratégias para o Desenvolvimento Agrícola nos Açores

Governo dos Açores vai desenvolver plano para a agricultura e produção biológica, anuncia João Ponte
O Secretário Regional da Agricultura e Florestas anunciou que vai desenvolver, em conjunto com os operadores que se dedicam a esta atividade, um plano para a agricultura e produção biológica.
João Ponte considera que “é imperativa a definição de uma estratégia política regional, no âmbito da Estratégia Nacional para a Agricultura Biológica, com o objetivo de apoiar um crescimento sustentável deste modo de produção através de medidas e ações adequadas às exigências da oferta e da procura atuais, indo assim ao encontro dos objetivos da estratégia Europa 2020 e da Política Agrícola Comum (PAC)”.
O Secretário Regional falava ontem à noite na sessão de abertura do seminário Estratégias para o Desenvolvimento Agrícola – O Papel da Agricultura Biológica no Contexto Regional, promovido pela Cooperativa Bio Azórica em Angra do Heroísmo.
A produção Biológica assume-se cada vez mais como uma oportunidade para a agricultura açoriana e para a diversificação agrícola que é um desígnio estratégico deste Governo para o setor.
A aposta na Agricultura Biológica é um desígnio do XII Governo Regional dos Açores que, no seu Programa, prevê direcionar incentivos e promover orientações técnicas com vista ao desenvolvimento da produção integrada e da consolidação de nichos para a produção biológica.
Além disso, no que se refere à diversificação produtiva, o Governo dos Açores pretende a melhoria da organização e de integração dentro e entre as várias fileiras da diversificação agrícola, promover o comércio e o consumo dos produtos locais e melhorar a formação e informação e reforçar a prática da produção biológica.
Ao nível dos programas comunitários em execução nos Açores, o modo de produção biológico também não foi esquecido. A prová-lo temos o Eixo da Promoção de Modos de Produção Sustentáveis no PRORURAL+.
O Modo de Produção Biológica tem vindo a registar uma evolução muito positiva na Região Autónoma dos Açores nos últimos anos. Dos 22 produtores registados em 2005 passou-se para 93 produtores registados em 2016, onde se destacam os 47 produtores terceirenses.
Quanto à área total em conversão ou já em Modo de Produção Biológico, partiu-se de 68 hectares em 2005 para mais de 660 hectares em 2016.
Embora existam já algumas empresas a exportar produtos biológicos para fora da Região, a maior parte destas produções é para consumo local.
Os serviços afetos à Secretária Regional da Agricultura e Floretas têm desenvolvido um papel proactivo em várias ilhas para promover o Modo de Produção Biológica. Quer pelas atividades implementadas, quer pela introdução de novas culturas e plantações em estufa ou pela testagem de variedades de hortícolas, quer pela promoção da recolha de sementes de hortícolas para tornar as ilhas autosuficientes.
O Governo dos Açores promoveu também o apoio à realização de Hortas Biológicas em vários estabelecimentos de ensino e a realização de cursos e workshops sobre Agricultura Biológica, muitas vezes em colaboração com câmaras municipais ou escolas, destinados à formação de novos potenciais produtores.
João Ponte acredita que “esta é uma atividade com futuro e pode vir a ser fundamental na diversificação agrícola em curso no arquipélago”.
Aos produtores biológicos, o Secretário Regional dirigiu uma palavra de incentivo “e a certeza de quem podem contar com o Governo dos Açores para a prossecução dos seus projetos em prol do desenvolvimento de toda a Região”.
GaCS/SF/MN

Vamos elaborar novo programa de apoio à comunicação social

Governo dos Açores ausculta empresas de comunicação e informação
O Governo dos Açores está a desenvolver um conjunto de reuniões e audições com as empresas de comunicação e informação da Região, com vista à recolha de informações sobre o novo programa de apoio à comunicação social privada.
“Depois do programa Promédia III, que terminou no final do adno passado, vamos elaborar um novo programa de apoio à comunicação social e, para isso, estamos a ouvir as empresas do setor, a quem solicitamos o envio de propostas”, afirmou o Secretário Regional Adjunto da Presidência para os Assuntos Parlamentares.
“Queremos, desta forma, fazer um balanço aturado dos programas anteriores, perceber o seu impacto e ouvir sugestões para o que deve ser acautelado no futuro”, salientou Berto Messias, que falava no final de uma reunião com a Administração da Rádio Atlântida.
Para Berto Messias, “é tempo de fazer um balanço do programa adotado até agora e perceber da parte das empresas do setor qual deve ser o caminho a seguir e de que forma os instrumentos de apoio podem servir melhor as empresas de comunicação social e minimizar os constrangimentos desta atividade, numa Região com as nossas especificidades”.
 “Queremos um novo programa que consiga apoiar estas empresas e que garanta a adequação do setor às novas tendências de comunicação, novas tendências digitais, bem como a valorização da criação de postos de trabalho e de promoção de um serviço de informação essencial para a nossa Região, quer na qualificação da nossa democracia, quer na perspetiva cultural e educativa, na aproximação entre ilhas, bem como na promoção externa dos Açores”, frisou o Secretário Regional.
GaCS/TM/MN