domingo, 19 de novembro de 2017

Taça de Portugal - 4ª eliminatória: Ideal eliminado em casa

Equipa da casa nunca abdicou do ataque mas sem conseguir materializer
Sporting Ideal, 1 - Cova da Piedade, 4
Capacidade de concretização premiada com goleada
O Cova da Piedade, da 2.ª Liga, apurou-se para os oitavos de final da Taça de Portugal, ao golear no terreno do Sporting Ideal, do Campeonato de Portugal, por 4-1, em jogo da quarta eliminatória.
Num jogo em que venceu a objetividade e capacidade de concretização do conjunto da Cova da Piedade, do segundo escalão, a turma da casa nunca abdicou do ataque, mas sem conseguir materializar os ataques realizados.
Aos sete minutos, a turma da Ribeira Grande, nos Açores, viu anulado um golo por a bola ter ultrapassado a linha lateral, na sequência de um cruzamento de Rafa do qual que resultou o cabeceamento de Paulo César para o fundo da baliza adversária, com a ajuda do poste esquerdo.
No minuto seguinte, Michael Quintanilha entrou nas costas do central Bertrande na grande área e desviou à saída de Imerson para golo numa altura de equilíbrio na partida.
Aos 11 minutos, após um cruzamento da esquerda de Ballack, Hugo Firmino falhou o desvio, para dois minutos após Paulo Tavares bater um livre em posição frontal com o guarda-redes do Ideal a sacudir para, na recarga, Hugo Firmino cabecear por cima.
Aos 27 minutos, a turma visitante voltou aos golos quando, após um livre na direita do seu ataque, batido ao segundo poste, William Rocha surgiu solitário a encostar para o segundo golo da formação de Almada.
A equipa comandada por Bruno Ribeiro apontou o terceiro tento aos 34 minutos, por Hugo Firmino, após um central falhar o passe na saída da grande área, entregando a bola ao adversário. Firmino surgiu no espaço vazio do central e picou a bola sobre o Imerson.
Aos 40 minutos, os visitantes chegaram ao quarto golo depois de um passe de Firmino para Ballack que ultrapassou o defesa e bateu, de novo, Imerson.
Na segunda parte da partida, em que foram criadas poucas oportunidades de golo, e com a turma visitante a controlar o jogo, o Ideal chegou ao tento de honra, depois de um remate de Hugo Santos que Hélder Arruda confirmou em cima da linha.
Jogo realizado no Estádio Municipal da Ribeira Grande
Sporting Ideal - Cova da Piedade: 1-4.
Ao intervalo: 0-4.
Marcadores:
0-1, Michael Quintanilha, 8 minutos.
0-2-, William Rocha, 27.
0-3, Hugo Firmino, 34.
0-4, Ballack, 40.
1-4, Hélder Arruda, 82.
Equipas:
Árbitro: Sérgio Piscarreta (AF Algarve)
Sporting Ideal: Imerson, Paulo Dinarte, Bertrande, Xexé (José Eduardo, 46), Grilo, Artur, Diogo Pires, Rafa, Hugo Santos, Hélder Arruda e Paulo César (João Pedro, 70).
(Suplentes: Nuno Vieira, Tiago Correia, Filipe, China, João Pedro, Nuno Laró, José Eduardo).
Treinador: Luís Roquete.
Cova da Piedade: Pedro Alves, Wiliam Soares, Evaldo Fabiano, Sampaio, Nelson Semedo. Hugo Firmino, Lima Pereira, Ballack (Robson, 75), Michael Quintanilha (Chu Wang, 68), Paulo Tavares (Pedro Carneiro (60) e Wiiliam Rocha.
(Suplentes: Francisco Anacova, Chu Wans, Wilson Januário, Robson, Pedro Carneiro, Marconi Mané, Rafael Floro).
Treinador: Bruno Ribeiro.
Ação disciplinar: cartão amarelo para Quintanilha (15), Xexé (25) e Rafa (49)
Assistência: cerca de 300 espetadores.
Autor: Lusa

Ta;a de Portugal / 4ª Eliminatória - Resultados:

Santa Clara surpreende Desportivo de Chaves e avança na Taça
O Santa Clara, da II Liga de futebol, surpreendeu hoje o Desportivo de Chaves, da I Liga, ao vencer por 2-0, em Ponta Delgada, em jogo da quarta eliminatória da Taça de Portugal.
 Programa da jornada:
Quinta-feira, 16 de Novembro de 2017
Sporting, 2 - Famalicão,  0
Sexta-feira, 17 de Novembro de 2017
FC Porto, 3 - Portimonense,  2
Sábado, 18 de Novembro de 2017
Benfica, 2 - V. Setúbal,  0
Rio Ave, 1 - Sp. Braga,  0
Domingo, 19 de Novembro de 2017
AD Oliveirense, 2 - Marítimo 3
U. Madeira, 4 - Freamunde,  2
Farense, 2 - Leixões, 1
U. Leiria, 0 - Desp. Aves 3
Vizela, 2 - Vilaverdense 4 (g.p)
Caldas, 3 - Arouca,  1 (g.p)
Moreirense, 5 - FC Felgueiras,  2
Académica, 1 - Nacional,  0
Sporting Ideal, 1 - Cova Piedade 4
Santa Clara, 2 - Desp. Chaves, 0
Praiense, 3 - Vilafranquense, 2 ( a.p)
V. Guimarães, 2 - Feirense,  1
 

Taça de Portugal - 4ª eliminatória: Praiense segue em frente

Equipa de Vila Franca de Xira ainda esteve a vencer mas Dina e Magina inverteram o marcador
Praiense, 3 - Vilafranquense, 2 (ap.)
Açorianos resolveram no prolongamento
O Praiense venceu em casa o Vilafranquense, por 3-2, num jogo da quarta eliminatória da Taça de Portugal que só ficou decidido no prolongamento.
Os açorianos entraram a ganhar, mas o Vilafranquense empatou a partida a meio da primeira parte, arrastando o jogo para o prolongamento.
A equipa de Vila Franca de Xira ainda esteve a vencer por 2-1, mas no final da segunda parte do prolongamento o Praiense conseguiu uma reviravolta, marcando dois golos em quatro minutos.
As duas equipas do Campeonato de Portugal defrontaram-se no Estádio Municipal da Praia da Vitória, debaixo de chuva, com um relvado em más condições e pouca luminosidade.
O Praiense inaugurou o marcador aos seis minutos, na sequência de um livre pela esquerda de Stehb, que cruzou bem para Cristiano.
O guarda-redes Carlos Fernandes ainda defendeu o primeiro cabeceamento do jogador do Praiense que, na recarga, enviou a bola para o fundo da baliza do Vilafranquense.
A equipa da casa baixou o ritmo depois de marcar e os ribatejanos subiram na área do adversário, criando mais oportunidades de golo.
O empate surgiu aos 25 minutos, com um chapéu de Diogo Izata, que aproveitou uma falha de comunicação entre o defesa Breno e o guarda-redes Tiago Maia.
Marocas ainda rematou com perigo à baliza do Praiense, mas ao intervalo mantinha-se o empate.
Na segunda parte, os açorianos dominaram e protagonizaram mais lances de perigo, sem conseguirem concretizar, levando o jogo para o prolongamento.
O Vilafranquense colocou-se pela primeira vez em vantagem, aos 96, com um golo de Luquinhas, com um remate de ângulo apertado, depois de ter passado por dois jogadores.
O jogo parecia resolvido, mas, no início da segunda metade do prolongamento, aos 112 minutos, enquanto nas bancadas os adeptos se envolviam em confrontos, o Praiense empatou, num lance confuso, em que Dina levou a melhor.
A bola não chega a tocar no chão dentro da baliza, mas o fiscal de linha não teve dúvidas em confirmar o tento.
Quatro minutos depois, a equipa da casa garantiu a vitória num lance novamente confuso, em que Magina teve o último toque, apesar de Tiago Cerveira ainda ter tentado evitar o golo.
Jogo no Estádio Municipal da Praia da Vitória, na ilha Terceira.
Praiense - Vilafranquense, 3-2 (ap.)
Ao intervalo: 1-1.
No final do tempo regulamentar: 1-1
No final da primeira parte do prolongamento: 1-2
Marcadores:
1-0, Cristiano, seis minutos.
1-1, Diogo Izata, 25.
1-2, Luquinhas, 96.
2-2, Dina, 112
3-2, Magina, 116
Equipas:
Árbitro: Rui Soares (AF Santarém).
Praiense: Tiago Maia, Luciano Serpa, Cristiano, Diogo Careca, Dina, Breno, Diogo Moniz (Vitinha, 59), João Peixoto, Stehb, Diogo Martins (Filipe Andrade, 46) e Fonseca (Magina,76).
(Suplentes: Mário Freitas, Alex Figueiredo, Magina, Filipe Andrade, André Azevedo, Vitinha e Patrick).
Treinador: Francisco Agatão.
Vilafranquense: Carlos Fernandes, Ruben Freitas, Denis Martins, João Freitas, Tiago Cerveira, Luís Pinto (Ruben Gouveia, 70), Diogo Izata (Balu, 59), David Moura, Ragner, Luquinhas (Gonçalo Gregório, 110) e Marocas.
(Suplentes: Rodrigo, Fábio Freire, Gonçalo Gregório, Yarchuk, Ruben Gouveia, Balu e Danny).
Treinador: Filipe Coelho.
Ação disciplinar: Cartão amarelo para Diogo Moniz (16), Ragner (64), Ruben Freitas (66), Balu (85), João Peixoto (101) e Luciano Serpa (102).
Assistência: Cerca de 200 espetadores.
Autor: Lusa

Taça de Portugal - 4ª eliminatória: Santa Clara elimina Chaves

Insulares levaram a melhor e seguem em frente
Santa Clara, 2 - Desp. Chaves, 0
Flavienses tombam nos Açores
O Santa Clara, da II Liga, surpreendeu este domingo o Chaves, da I Liga, ao vencer por 2-0, em Ponta Delgada, em jogo da quarta eliminatória da Taça de Portugal.
A formação açoriana, terceira do segundo escalão, fixou o resultado final na primeira parte, com golos de Fernando (19) e Vítor Alves (23), e segurou a vantagem, mesmo sofrendo uma grande penalidade, na qual Marco defendeu o remate de Tiba (73).
O Desportivo de Chaves estabeleceu-se nos primeiros minutos junto à área 'encarnada' e patrocinou a primeira jogada de perigo num remate de Platiny à figura de Marco, logo no primeiro minuto.
Aos 15 minutos, o jogo mudou de rumo, com o Santa Clara a criar a primeira jogada de perigo numa excelente jogada no corredor lateral, que culminou nos pés de Gorupec, que não conseguiu rematar à baliza por intervenção da defesa flaviense.
Poucos minutos depois, surgiu o primeiro golo da formação açoriana, num remate de Fernando, após assistência de Saldanha.
O Santa Clara tinha alcançado uma nova dinâmica em campo e aos 23, no seguimento de um livre de João Reis, Thiago Santana falhou o 'alvo', num cabeceamento ao primeiro poste. Na recarga apareceu Vitor Alves que, já em cima da baliza de António Filipe, fez o 2-0.
Na resposta, Ruben Ferreira, com um pontapé cruzado e perigoso, fez a bola passar ao lado do poste esquerdo da baliza açoriana.
Thiago Santana podia ter ampliado a vantagem, aos 32, após passe de Fernando, não fosse a defesa de António Filipe.
Na segunda parte, Luís Castro fez entrar dois avançados, na tentativa de dar a volta ao jogo, mas a formação açoriana continuava a demonstrar que queria seguir na Taça de Portugal e, aos 49 minutos, Thiago Santana protagonizou um cabeceamento perigoso ao poste da baliza transmontana.
Cerca de dez minutos depois, Thiago Santana correu para baliza e rematou para a defesa do guarda-redes flaviense.
Aos 60 minutos, António Filipe faz mais uma boa defesa, a um remate cruzado de Minhoca, numa altura em que o Santa Clara estava, mais uma vez a jogar por cima do Desportivo de Chaves.
Já depois de Luís Castro ter lançado mais um avançado em campo, o árbitro Hugo Miguel marcou grande penalidade, aos 73, a castigar a mão na bola de Marcelo. O guarda-redes do Santa Clara opõe-se bem ao Tiba.
A vantagem galvanizou os adeptos do Santa Clara que, nos minutos finais, com a qualificação para os oitavos de final praticamente certa, incentivaram o clube, no encontro que teve a maior assistência desta época desportiva (3.487 espetadores).
Jogo no Estádio de São Miguel, em Ponta Delgada.
Santa Clara - Desportivo de Chaves, 2-0.
Ao intervalo: 2-0.
Marcadores:
1-0, Fernando, 19 minutos.
2-0, Vitor Alves, 23.
Equipas:
Árbitro: Hugo Miguel (AF Lisboa).
- Santa Clara: Marco, Gorupec, Marcelo, Vitor Alves, João Reis, Pacheco, Minhoca (Pineda, 89), Osama Rashid, Saldanha, Thiago Santana (Kaio, 79) e Fernando (Clemente, 66).
(Suplentes: Rodolfo, Burke, Clemente, Pineda, Guilherme, João Pedro e Kaio).
Treinador: Carlos Pinto.
- Desportivo de Chaves: António Filipe, Paulinho, Domingos Duarte, Maras, Ruben Ferreira (Perdigão, 61), Patrão, Bressan (Matheus Pereira, 46), Tiba, Hamdou (Jorginho,46), Davidson e Platiny.
(Suplentes: Emanuel Novo, Anderson, Jefferson, Perdigão, Jorginho, Pedro Queirós e Matheus Pereira)
Treinador: Luís Castro.
Ação disciplinar: Cartão amarelo para Ruben Ferreira (11), Rodolfo (17), Osama Rashid (38), Thiago Santana (62), Marcelo (73), Pacheco (81), Patrão (82), João Reis (84) e Vitor Alves (87).
Assistência: 3 487 espectadores.
Autor: Lusa

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Instalação do primeiro projeto de aquacultura offshore

Arranque da aquacultura offshore “abre novos horizontes” para a rentabilidade do Mar, afirma Vasco Cordeiro
O Presidente do Governo assistiu hoje, na freguesia da Ribeira Quente, concelho da Povoação, à instalação do primeiro projeto de aquacultura offshore, tendo salientado que esta nova área de atividade representa a “abertura de novos horizontes para a rentabilidade que o mar tem para dar” aos Açores.
“Aquilo que nós estamos a assistir é à abertura de novos horizontes para a rentabilidade que o mar tem para dar à nossa Região”, afirmou Vasco Cordeiro, depois de ter assistido à apresentação dos quatro projetos de aquacultura em mar alto da empresa Aquazor, já aprovados, que serão instalados nas áreas definidas da Ribeira Quente, na ilha de São Miguel, no Porto Martins, na ilha Terceira, e na Feteira, na ilha do Faial.
Em declarações aos jornalistas, o Presidente do Governo adiantou que estes projetos traduzem bem os objetivos que presidem à aposta que o Executivo Regional tem feito nesta área, ao nível da sustentabilidade, mas também do envolvimento das comunidades locais.
Nesse sentido, Vasco Cordeiro salientou que a integração das comunidades no desenvolvimento destes projetos constitui, assim, uma garantia acrescida do seu impacto positivo nas respetivas economias.
“No que tem a ver com a aquacultura de algas e de peixe, este é um projeto inovador e que, no fundo, dá execução prática à aposta que o Governo dos Açores faz na abertura deste novo setor”, destacou o Presidente do Governo.
Vasco Cordeiro, que visitou também os trabalhos para a marcação e colocação das boias oceânicas, realçou que o envolvimento do Governo neste processo incluiu, ainda, o mapeamento das áreas para a instalação offshore de aquacultura, assim como a disponibilização de fundos comunitários, no âmbito do Mar 2020.
O Governo dos Açores tem vindo a apostar no setor da aquacultura através de várias medidas, entre as quais a criação de áreas pré-definidas para a produção aquícola nas ilhas do Faial, Terceira e São Miguel.
A criação destas áreas, em 2016, resultou do mapeamento de zonas de ambiente costeiro e offshore com potencial para a aquacultura no arquipélago, realizado em 2015 e financiado pelo Governo dos Açores, que é disponibilizado gratuitamente aos empresários interessados.
A aprovação destas áreas permite aos investidores instalar e explorar a produção aquícola, através de um procedimento simplificado e mais célere, uma vez que os projetos não serão submetidos ao processo de pré-instalação necessário em qualquer área que não esteja previamente instituída.
GaCS/PC/MN

Paulo Teves na visita á Bermuda

Diretor Regional das Comunidades defende importância da promoção da língua portuguesa na diáspora
O Diretor Regional das Comunidades defendeu, em Hamilton, nas Bermudas, a importância da língua portuguesa como "um potencial no futuro socioprofissional, para além do aprofundamento das relações intergeracionais".
Paulo Teves, que falava quarta-feira no final de uma visita à Escola Portuguesa da Bermuda e ao Clube Vasco da Gama, frisou que a língua portuguesa “tem uma significativa importância nos dias de hoje, quer num maior leque de oportunidades, quer nos relacionamentos com outros povos que partilham a língua de Camões", sublinhando que a sua promoção fora de Portugal “deve ser uma missão de todos, desde logo dos pais no incentivo à sua aprendizagem juntos dos mais jovens”.
No encontro com a Direção do Clube Vasco da Gama, instituição com 82 anos de existência, o Diretor Regional teve a oportunidade de conhecer os projetos que estão a ser desenvolvidos no que se refere à expansão da ação da Escola Portuguesa, bem como outras iniciativas de âmbito cultural junto da comunidade portuguesa, que se estima que representa cerca de 20 a 25% da população total da Bermuda.
Nesta deslocação de três dias a este território ultramarino britânico, Paulo Teves reuniu-se também com a Direção da Casa dos Açores da Bermuda, com a qual foi assinado um protocolo de cooperação com a Direção Regional das Comunidades.
Na ocasião, afirmou ser essencial “que a diáspora açoriana tenha um papel cada vez mais interventivo no local onde se insere", salientando a importância de “explorar todas as possibilidades de interação com a comunidade local, mostrar a realidade arquipelágica açoriana e participar ativamente na sociedade de acolhimento”.
“O Governo dos Açores congratula-se com a vontade do Povo Açoriano em manter a ligação afetiva com as ilhas e o compromisso que assumem trabalhar em prol da plena integração dos emigrantes açorianos e serem atores ativos no projeto de desenvolvimento da nossa Região”, frisou.
Paulo Teves destacou ainda a existência daquela organização no “contributo para a afirmação dos Açores no mundo”, acrescentando que o desenvolvimento de iniciativas sobre a Região na Bermuda demonstra o “orgulho de se ser Açoriano mesmo longe do espaço insular e a vontade de dar a conhecer a terra origem de milhares de emigrantes residentes neste arquipélago”.
Nesta sessão, que contou com a presença de todos os membros da direção desta organização, fundada em 2015 e que passou a fazer parte do Conselho Mundial das Casas dos Açores em 2016 aquando da Assembleia Geral que decorreu nas ilhas das Flores e Corvo, foram dados a conhecer os objetivos que pretendem atingir, bem como as diversas ações planeadas para os próximos anos.
Ainda no âmbito desta visita à comunidade açoriana das Bermudas, o Diretor Regional teve oportunidade de se reunir com o novo Ministro da Administração Interna, Walton Brown, e com a Diretora do Departamento da Cultura, Heather Whalen, tendo destacado “a histórica relação existente entre os dois arquipélagos, que potencia o desenvolvimento de projetos comuns”, em diversas áreas.
Hoje, último dia da deslocação, Paulo Teves reúne-se com a Direção do Bermuda National Gallery, instituição que acolhe e promove vários eventos de âmbito cultural.
GaCS/DRCom/MN

Associação de Turismo dos Açores e Portugal Tours

Marta Guerreiro garante que reforço do trajeto de crescimento do turismo na ilha Terceira é objetivo do Governo dos Açores
A Secretária Regional da Energia, Ambiente e Turismo garantiu que a retoma da ligação aérea Madrid-Terceira a partir de 27 de dezembro, hoje anunciada, “corresponde ao objetivo do Governo dos Açores de reforçar o trajeto de crescimento do turismo na ilha Terceira”.
Marta Guerreiro falava em Angra do Heroísmo numa conferência de imprensa promovida pela Associação de Turismo dos Açores e pela Portugal Tours, entidade responsável pela comercialização dos vôos.
A Secretária Regional salientou que esta ligação está garantida até dezembro de 2018, “em condições mais favoráveis”, permitindo 15% de lugares adicionais, o que “terá impactos muito positivos no número de dormidas que se espera associado a esta operação e, naturalmente, em todas as receitas que lhe estão inerentes”.
A titular da pasta do Turismo afirmou que o Executivo açoriano “tudo fará para apoiar a continuidade do crescimento do turismo da ilha Terceira e dos Açores”.
“Tudo fizemos, e tudo faremos, para que a operação se mantenha”, assegurou.
Marta Guerreiro realçou ainda que “o turismo proveniente de Espanha assume um peso bastante considerável na Região, já que estamos a falar do terceiro mercado estrangeiro com maior destaque”, dando ainda nota de que este “tem tido um efeito muito positivo para contrariar a sazonalidade, apresentando uma estada média muito próxima dos cinco dias”.
“Esta é uma aposta que tem sido ganha e na qual continuaremos a investir”, frisou.
“O que nos compete, enquanto Região, e diretamente através da Associação de Turismo dos Açores, é criar as condições promocionais em termos de divulgação do destino e investimento na sua notoriedade nos mercados alvo, neste caso em concreto, no mercado espanhol”, afirmou Marta Guerreiro.
Até setembro deste ano, a ilha Terceira registou cerca de 236 mil dormidas, o que corresponde a um crescimento homólogo de cerca de 12% relativamente ao mesmo período de 2016, com 9,6 milhões de euros de proveitos, que crescem 14% face ao mesmo período do ano anterior.
GaCS/HMB/MN

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Futebol nos Açores: AFAH - Terceira, Graciosa e AFH - Faial/Pico

ILHA TERCEIRA:
CAMPEONATO DA TERCEIRA - 2017/2018:
Juventude Lajense  imparável
Resultados da 4ª jornada:
Os Marítimos, 3 – SC Barreiro, 1
 
NSIT-Tarauto, 0 – Boavista CR, 2
 
Juv. Lajense, 4 – GDBR São Mateus, 0
 
CLASSIFICAÇÃO:
L  EQUIPAS              J   V    E    D     GM-S      P
1º Juv. Lajense            4    4    0     0    10 – 2      12
2º Os Marítimos          4    3    0     1    15 – 3        9
3º Boavista C.R.          4    3    0     1    13 – 6        9
4º SC Barreiro             4    2    0     2      5 – 6        6
5º GDBR São Mateus  4    0    0     4      3 –22       0
 
 
6º NSIT- Tarauto         4    0    0     4      1 – 8        0
5ª jornada – 19 -11-2017:
 
Boavista Ribeirinha – Os Marítimos
 
SC Barreiro – Juventude Lajense
 
GDBR São Mateus – NSIT-Tarauto
 
GRACIOSA:
Taça Associação de Futebol de Angra do Heroí­smo
Graciosa FC conquistou a taça AFAH
 
Resultado da 6ª jornada:
 
GD Luzense, 2 – Mocidade Praiense, 2
Folgou: Graciosa FC.
CLASSIFICAÇÃO:
L EQUIPAS          J    V  E  D   GM-GS      P
1º Graciosa FC       4    4   0   0     13 – 4      12
2º Moc. Praiense    4    1   1   2      8 – 9         4
3º GD Luzense       4    0   1   3      6 –14        1
Vencedor: Graciosa Futebol Clube.
 
SÃO JORGE:
 
Taça Associação de Futebol de Angra do Heroí­smo
GD Velense vence taça AFAH
Resultado da 6ª. jornada:
FC Urzelinense, 1 – GD Velense, 1
Folgou: FC Calheta.
CLASSIFICAÇÃO:
L  EQUIPAS      J   V  E   D  GM-GS      P
1º GD Velense    4   3   1    0      8 – 4       10
2º Urzelinense     3   1   1   1      5 – 4         4
3º FC Calheta      3   0   0   3      1 – 6         0
1ª jornada (jogo em atraso) - 16-11-2017:
FC Urzelinense – FC Calheta
Folga: GD Velense.
FAIAL - PICO:
CAMPEONATO A.F. HORTA - 2017/2018:
Vitória do Pico lidera isolado
Resultados da 4ª. jornada:
Angústias Atlético, 1 – Vitória FC, 4
Desp. Lajense, 0 – FC Madalena, 1
GD Cedrense, 5 – Fayal Sport, 0
CLASSIFICAÇÃO:
L  EQUIPAS        J   V   E   D   GM-GS      P
1º Vitória Pico       4   3    1    0    13 – 3       10
2º GD Cedrense     4   2    2    0    17 – 5        8
3º FC Madalena     4   1    3    0      7 – 6        6
4º Desp. Lajense    4   1    1    2      5 – 5        4
5º Fayal Sport        4   0    2    2      3 –10       2
6º Angústias Atl.    4   0    1    3      2 –15       1
5ª. jornada –  19-11-2017:
FC Madalena – Angústias Atlético
Fayal Sport Clube – Desp. Lajense
Vitória FC (Pico)  – GD Cedrense
Taça Associação Futebol da Horta:
Desp. Lajense lídera isolado
5ª. jornada – Resultados:
Cedrense, 7 – Angústias Atlético, 1
Fayal Sport, 1 – FC Madalena, 0
Vitória FC, 2  – Desp. Lajense, 2
CLASSIFICAÇÃO:
L EQUIPAS             J   V  E   D   GM-S    P
1º Desp. Lajense       5   3   1   1      7 – 5    10
2º GD Cedrense        5   3   0   2     11 – 5     9
3º Angústias Atl.       5   2   1   2      8 –11     7
4º FC Madalena        5   2   1    2     7 – 7      7
5º Vitória FC            5   1   3    1      6 – 6     6
6º Fayal Sport           5   1   0   4      2 – 7      3
6ª. jornada –  17-12- 2017:
Fayal Sport – Angústias Atlético
Desp. Lajense – FC Madalena
Vitória FC Pico – GD Cedrense
Por: JGS

Futebol nos Açores: Águia conquista a Taça de Honra AFPD

Final da Taça de Honra da AFPD:
Águia dos Arrifes conquistou a taça de Honra da AFPD
O Águia Clube Desportivo dos Arrifes conquistou a Taça de Honra da AFPD – João de Brito Zeferino ao vencer na final a equipa do Santiago de Água de Pau, por 4-3, na marcação de grandes penalidades depois do encontro ter terminado empatado a zero bolas após o prolongamento.
Os verdes-rubros dos Arrifes conquistaram assim a primeira prova oficial da nova época de 2017-18 da Associação de Futebol de Ponta Delgada (AFPD).
Taça de Honra João de Brito Zeferino foge ao Santiago nos penaltis
A equipa de Água de Pau tentou, este domingo, vencer a Taça de Honra João de Brito Zeferino em futebol, mas acabou por ser batida na marcação das grandes penalidades, depois de um empate nos 120 minutos jogados.
A final da prova decorreu no campo José da Silva Calisto, no Pico da Pedra, com o Santiago e Águia dos Arrifes na disputa do título. A equipa verde e vermelha acabou por ser melhor na marcação dos 11 metros, com destaque para o guardião do Águia, Rodolfo Cardoso, que defendeu duas grandes penalidades, e marcou a última, levando a sua equipa a conquistar a Taça com uma vitória por 4-3.
Esta final, foi o reeditar de uma outra que aconteceu em 2014/2015 na Povoação. As mesmas equipas, o mesmo árbitro, e o mesmo vencedor, do mesmo modo e nas mesmas condições.
De referir que a final teve como árbitro César Andrade, da AFPP, curiosamente o mesmo árbitro que já havia apitado a final de 2014/2015, dessa feita no municipal da Povoação.
A última Taça de Honra conquistada pelo Santiago aconteceu na época 2008/2009 frente ao Sporting Ideal. Neste jogo, os pauenses venceram por 4-0.
Depois da Taça de Honra, vem o Campeonato que será disputado em duas fases sendo o Santiago uma das equipas candidata a conquistar o título.
DL/ foto (c) José Luis Tavares
TAÇA ANIVERSÁRIO - AF Ponta Delgada:
CD Santo António vence a taça Aniversário da AFPD
O CD Santo António conquistou a Taça Aniversário da AFPD ao vencer o Mira Mar na primeira jornada e empatar com o Benfica Águia na segunda, somando os 4 pontos que garantiu a vitória do Troféu.
O Benfica Águia ao perder com o Mira Mar na derradeira jornada caíu para a última posição e perdeu a possibilidade de vencer a taça em caso de vitória. 
3ª jornada – Resultado:
Mira Mar, 3 – Benfica Águia, 2
Folgou: CD Santo António.
CLASSIFICAÇÃO:
L  Equipas            J  V  E  D  GM-GS     P
1º Santo António    2   1  1   0     4 – 3       4
2º Mira Mar SC      2   1  0   1     4 – 4       3
3º Benfica Águia    2   0  1   1     4 – 5       1
Vencedor: CD Santo António.

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Açores: Direção Regional do Desporto (DRD)

Açores lideram no número de atletas federados a nível nacional
Os Açores têm a maior taxa de participação absoluta (relação entre o número de atletas federados e o número total da população) nas provas federadas a nível nacional, com um registo de 9,5%, comparativamente com o continente português, que tem uma taxa de 5%, e a Madeira, cuja taxa é de 6%.
De acordo com os dados referentes à demografia associativa das épocas desportivas 2015-16 ou 2016, agora divulgados pela Direção Regional do Desporto (DRD), a taxa de participação desportiva absoluta mantém-se acima dos 9% desde 2009.
Em 2016, os Açores registaram 23.432 atletas federados, o que significa um acréscimo de 365 atletas em relação ao ano anterior.
Do total global de atletas federados em 2016, competiram 16.374 em masculinos (69,88%) e 7.058 em femininos (30,12%), num universo de 40 modalidades.
Os escalões de formação representam a larga maioria, com 76,4% dos atletas federados, perfazendo um total de 17.918.
A Direção Regional do Desporto tem disponíveis no Portal do Governo dos Açores (http://www.azores.gov.pt/Portal/pt/entidades/srec-drd/textoImagem/Demografia+Federada.htm) os dados relativos à demografia associativa das épocas desportivas 2015-16 ou 2016, de acordo com o limite temporal de referência estabelecido para cada uma das modalidades.
A Demografia Federada corresponde à sistematização, tratamento e apreciação de um conjunto de elementos caraterizadores da situação do desenvolvimento desportivo dos Açores, no contexto do desporto federado.
São apresentados dados relativos aos praticantes desportivos, treinadores, árbitros e juízes, dirigentes e outros agentes, quer no global da Região, quer nas diferentes ilhas, tendo por referência a sua população, bem como um conjunto de textos de apreciação geral que apresentam também uma visão evolutiva da situação.
A publicação disponibiliza ainda elementos de caraterização para cada modalidade no contexto global da sua dimensão nos Açores, apresentando os elementos no respeito pela dimensão mais representativa da realidade arquipelágica, a dimensão de ilha.
A metodologia de recolha utilizada passa sistematicamente pelo fornecimento dos dados por parte das diferentes estruturas associativas regionais de cada modalidade e sua aferição pelas respetivas federações.
A DRD pretende, desta forma, contribuir para uma melhor caraterização do desporto nos Açores, possibilitando tomadas de decisão ainda mais conscientes e fundamentadas, quer por parte da administração regional, quanto aos objetivos assumidos no Programa de Governo, quer por parte dos restantes intervenientes no processo de desenvolvimento desportivo.
A área da demografia federada permite, com segurança e rigor, traçar o ponto de situação da expressão do movimento associativo desportivo, em cada momento.
Pese embora a dimensão dos seus elementos, este documento constitui, no entanto, apenas uma amostra da situação desportiva dos Açores.
Nesse sentido, a DRD refere que não se trata de uma caraterização exaustiva dos múltiplos e variados fatores que intervêm e condicionam o desenvolvimento desportivo, pelo que, para uma análise mais profunda e complexa, é sempre necessário recorrer à apreciação de outras variáveis de contexto.
GaCS/DRD/MN

Governo dos Açores vai promover, em 2018

História da Arte nos Açores e Atas das Jornadas Anterianas vão ser editadas em 2018, adianta Avelino Meneses
O Secretário Regional da Educação e Cultura anunciou, em Ponta Delgada, que o Governo dos Açores vai promover, em 2018, a edição das atas das jornadas anterianas 'Antero Hoje', que decorreram na passada semana, numa parceria com a Fundação Calouste Gulbenkian, e da 'História da Arte nos Açores', uma obra coletiva de investigação científica.
Avelino Meneses, que falava segunda-feira na cerimónia de lançamento das obras galardoadas em 2016 com o Prémio de Humanidades 'Daniel de Sá', salientou que a publicação destes e de outros livros deve constituir “um incentivo à promoção da leitura, sobretudo no meio escolar, como preconiza o ProSucesso – Açores pela Educação, plano integrado de promoção do sucesso escolar”.
O incentivo à promoção da leitura também passa, segundo Avelino Meneses, pela “melhor articulação” entre as bibliotecas regionais, municipais e escolares que, como preconiza o Programa do Governo, “urge estimular e desenvolver”.
Na sua intervenção, o titular da pasta da Educação salientou que é necessário despertar na criança o gosto pela leitura “mesmo antes de saber ler”, no jovem a leitura deve ser estimulada "muito para além de um dever escolar” e, no restante público, deve ser promovida a leitura “em todos as suas modalidades”, em papel ou suporte digital.
O Secretário Regional, que evocou Daniel de Sá, patrono deste prémio, como um "exemplo” de Açoriano e uma “referência” da Açorianidade, destacou a “relevância” das publicações científicas e culturais, no passado e no presente, como “instrumentos” de projeção dos Açores.
As obras agora apresentadas, intituladas 'Novas Luzes sobre Povoamento e Topónimos das Flores e Corvo: João da Fonseca e António Carneiro no Reino, em São Tomé e Príncipe, em Cabo Verde e nos Açores (sécs. XV-XVI)', de Pierluigi Bragaglia, e 'O Outro Lado do Mundo', de Paula de Sousa Lima, foram os trabalhos galardoados nas categorias de Ensaio e Criação Literária, respetivamente.
O Prémio Humanidades 'Daniel de Sá' destina-se a galardoar, a cada biénio, nos anos pares, uma obra inédita, referenciável aos Açores, escrita em português, por autor nacional ou estrangeiro, naquelas duas categorias.
GaCS/PB/MN

Açores: “Arqueologia: Velhos Desafios, Novas Perspetivas”

Direção Regional da Cultura promove segunda conferência do ciclo “Arqueologia: Velhos Desafios, Novas Perspetivas”
A Secretaria Regional da Educação e Cultura, através da Divisão do Património Móvel e Imaterial e Arqueológico da Direção Regional da Cultura, promove quinta-feira, 16 de novembro, a realização da segunda conferência do ciclo “Arqueologia: Velhos Desafios, Novas Perspetivas”, com Jorge Custódio.
Nesta conferência, que decorre pelas 18H30, no Palacete Silveira e Paulo, em Angra do Heroísmo, Jorge Custódio vai abordar o tema “Arqueologia Industrial: propostas e desafios”, que resulta de um movimento pós II Guerra Mundial iniciado em Inglaterra, provocado pela destruição de muitas unidades fabris.
O Património Industrial e Técnico (PIT), que compreende uma parte importante da história, de grande influência para a economia e para a evolução de novas estruturas urbanas e sociais, não trata apenas dos vestígios técnico-industriais, dos equipamentos técnicos, dos edifícios, dos produtos, dos documentos de arquivo e da própria organização industrial, mas também das vivências e memórias que lhe estão associadas.
Este património tornou-se, assim, uma área de estudo interdisciplinar, em que o papel da arqueologia se foi afirmando em Portugal desde a década de 80 do século XX, grande parte das vezes aliado à musealização e conservação das estruturas fabris. 
O Património Industrial e Técnico é um dos patrimónios mais complexos da cultura humana, exigindo uma articulação de saberes e entre instituições, assim como medidas políticas, que possibilitem a sua proteção e conservação.
Jorge Custódio é uma figura de referência na área da arqueologia e da museologia industrial em Portugal pelo trabalho pioneiro que tem desenvolvido nesta área desde a década de 80 do século passado.
Doutorado pela Universidade de Évora e docente convidado nesta universidade, bem como na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, da Universidade Nova de Lisboa, é atualmente presidente da Associação Portuguesa de Arqueologia Industrial (APAI), tendo recebido o Prémio Carreira 2015 - Prémio Nacional de Ambiente Fernando Pereira, atribuído pela Confederação Portuguesa de Associações de Defesa do Ambiente.
O ciclo de conferências que a Secretaria Regional da Educação e Cultura está a promover sobre esta temática teve início em outubro com a conferência de Santiago Macias sobre o tema “Arqueologia urbana e reabilitação: o repto do século XXI”, prosseguindo a 4 de dezembro com uma comunicação de Maria da Conceição Lopes.
A Direção Regional da Cultura informa que este e outros eventos estão disponíveis para consulta na Agenda Cultural do Portal CulturAçores, no endereço www.culturacores.azores.gov.pt.
GaCS/DRC/MN

Açores: Promoção da saúde são prioridades em 2018

Recuperação das listas de espera, promoção da saúde, formação profissional e infraestruturas são prioridades em 2018, afirma Rui Luís
O Secretário Regional da Saúde afirmou, na Horta, que o reforço das verbas para o próximo ano nesta área é de 2,3 milhões de euros, destacando a "aposta clara" na recuperação das listas de espera.
“Há uma aposta clara na recuperação de listas de espera cirúrgicas com o programa que anunciámos há pouco tempo e também a necessidade de apostar na prevenção e na promoção de hábitos de vida saudáveis”, destacou Rui Luís, que falava após ter sido ouvido pela Comissão dos Assuntos Sociais da Assembleia Legislativa.
“Já apresentámos uma estratégia global para este efeito que envereda por três áreas: a otimização dos tempos de bloco em cada um dos hospitais, o reforço da produção acrescida depois do horário normal de trabalho e agora o programa Cirurge", salientou.
Para Rui Luís, "a conjugação desses três fatores irá contribuir para a redução do tempo de espera das pessoas que estão na lista“.
O reforço de verbas de 9,5% na pasta da Saúde, comparativamente ao ano em curso, terá ainda por destino a formação dos profissionais de saúde, uma matéria que será alvo de análise no próximo Conselho Regional de Saúde, a realizar em dezembro.
“Queremos ter um plano global de formação para o próximo ano que inclua também a possibilidade de reforçarmos a formação dos médicos internos da Região, na perspetiva de que eles ao formarem-se nos Açores e estarem mais tempo cá, necessariamente terão a possibilidade de se poderem fixar”, afirmou Rui Luís.
Em 2018, o Governo Regional vai prosseguir com a requalificação da rede de infraestruturas das unidades de saúde e hospitais.
“Vamos consolidar esta rede com a construção do Bloco C do Hospital da Horta e da Unidade de Saúde de Ilha do Faial, bem como com as obras que são necessárias no Hospital do Divino Espírito Santo, em Ponta Delgada", salientou o Secretário Regional, acrescentando que vão também "continuar as obras que estão a decorrer ou que já foram lançadas relativamente a vários centros de saúde”.
GaCS/MS/MN

Açores: Setor do turismo no Plano para 2018

Plano e Orçamento para 2018 prevê reforço de investimento para criação de emprego e riqueza através do setor do turismo
A Secretária Regional da Energia, Ambiente e Turismo assegurou, na Horta, um aumento significativo da verba destinada ao setor do turismo no Plano para 2018, num total de 28 milhões de euros, que corresponde a um crescimento de 8% face a 2017.
“Se virmos o esforço direto da Região em termos de orçamento, temos mais 18% a serem investidos num setor que, reconhecidamente, tem tido impactos muito positivos na criação de emprego e na criação de riqueza nos Açores”, frisou Marta Guerreiro, que falava aos jornalistas após ser ouvida nas comissões de Economia e de Assuntos Parlamentares, Ambiente e Trabalho da Assembleia Legislativa.
Entre os investimentos previstos na área do turismo, Marta Guerreiro destacou dois, que considerou terem "uma importância bastante grande”, um dos quais relacionado com a "requalificação dos principais locais de interesse turístico nos quais é necessário intervir em concertação com outras entidades, nomeadamente com a Secretaria Regional dos Transportes e Obras Públicas, por forma a garantir as adequadas condições de usufruto e, ao mesmo tempo, a preservação da natureza e dos locais que estão aqui em questão”.
“Outro aspeto na área do turismo que é de especial importância é precisamente a questão da formação e essa também está prevista em termos de Plano e Orçamento, naturalmente complementando as ações que são realizadas por todas as escolas profissionais da Região nesta matéria”, acrescentou.
Representando também um aumento face a 2017, Marta Guerreiro salientou o investimento de três milhões de euros para 2018 na área da energia, “que representa praticamente o dobro do que tínhamos no ano anterior e que está muito enfocado em dois projetos chave: a mobilidade elétrica e a eficiência energética”.
Relativamente à pasta do Ambiente, a Secretária Regional salientou o investimento na ordem de 20 milhões de euros, “que traduz uma estratégia de continuidade das políticas que vêm sendo implementadas há mais de uma década e que dotaram a Região de estruturas e instrumentos que nos permitem estar com algum conforto no que diz respeito a estas matérias de qualidade ambiental e da biodiversidade, mas que, naturalmente, necessitam de estar atentas e muito relacionadas com o desenvolvimento que se tem verificado na Região”, e com o impacto que o Turismo tem causado.
A proposta de Plano para 2018 para os setores da Energia, Ambiente e Turismo prevê um investimento de cerca de 51 milhões de euros, que, segundo Marta Guerreiro, “resulta numa ação concertada entre as três áreas” e mostra a preocupação do Governo dos Açores em potenciar o crescimento económico através da atividade turística, ao mesmo tempo que apresenta uma oferta ambiental ímpar, aliada à sustentabilidade energética.
GaCS/HMB/MN

Orçamento da Região para o próximo ano de 2018

Orçamento para 2018 marca início de novo ciclo de desenvolvimento nos Açores
O Vice-Presidente do Governo afirmou, na Horta, que a proposta de Orçamento da Região para o próximo ano marca o "início de um novo ciclo de desenvolvimento” nos Açores.
“Um desenvolvimento que visa consolidar o crescimento e a retoma económica que se sentem na Região e, também, a criação de emprego, nomeadamente direcionada para melhor emprego e, nesse contexto, mais qualificado, mais estável e com melhor remuneração”, frisou Sérgio Ávila, em declarações após ter sido ouvido na Comissão de Economia da Assembleia Legislativa.
O governante salientou, por outro lado, que o Orçamento para 2018 visa também “reforçar a aposta que se faz nas pessoas, nomeadamente no que concerne aos setores da educação e da saúde, direcionando o investimento, cada vez mais, não para as infraestruturas, mas sim para as políticas de apoio”.
Para o titular da pasta das Finanças, Emprego e Competitividade Empresarial, trata-se de um investimento que assegura estabilidade orçamental, contribuindo, por essa via, para “um reforço da confiança por parte dos agentes económicos”.
Sérgio Ávila sublinhou que o fator confiança “contribui também para esse crescimento económico que sentimos nos Açores e para essa retoma económica que se tem vindo a consolidar com efeitos positivos no emprego, como foi conhecido na semana passada”.
O Instituto Nacional de Estatística revelou que a população empregada nos Açores no terceiro trimestre deste ano é a maior que se verifica desde 2008, tendo a taxa de desemprego descido para 8,2 por cento, inferior à média nacional e a mais baixa registada em quase sete anos na Região.
O Vice-Presidente salientou ainda que, apesar da redução de fundos comunitário, o Orçamento para 2018 mantém-se exatamente no mesmo valor do ano anterior, ou seja, deste ano, refletindo o aumento de receitas próprias, uma redução da dependência de fatores externos e, precisou, uma elevada taxa de execução dos fundos comunitários.
Os Açores têm “a execução mais alta do país” dos projetos previstos para os sete anos de vigência do atual quadro comunitário, afirmou Sérgio Ávila, ou seja, a Região não perdeu fundos comunitários.
“Os investimentos já foram feitos, nomeadamente na área da educação e na área da segurança social, onde as infraestruturas que estavam planeadas ao longo do mapeamento que é feito para sete anos já tiveram um nível de execução excelente e há uma redução porque as obras já foram feitas”, afirmou.
Relativamente ao descongelamento de carreiras, Sérgio Ávila esclareceu que o previsto no Orçamento Regional “decorre exatamente das normas a aprovar no Orçamento de Estado para 2018 e que se aplica diretamente à Administração Pública Regional”.
O Orçamento da Região para o próximo ano tem um valor de 1.292 milhões de euros, sendo 503 milhões de investimento direto e 753 milhões de investimento global.
GaCS/OGMN