segunda-feira, 29 de agosto de 2016

II LigaPro: Santa Clara soma quarta vitória

 
Santa Clara, 1 - Gil Vicente, 0
Clemente dá a quarta vitória aos encarnados
O Santa Clara somou a quarta vitória consecutiva no campeonato da Liga Pro, ao receber e bater o Gil Vicente por 1-0, golo de Clemente apontado de cabeça aos 52 minutos. 
Os encarnados de Ponta Delgada seguem no segundo lugar, isolados, do campeonato com 12 pontos, menos um que o líder Portimonense. 
Com este quatro triunfo consecutivo o Santa Clara de Daniel Ramos supera o melhor registo do Santa Clara de Paulo Sérgio, em 2007/2008, que tinha ganho os primeiros três jogos do campeonato da II Liga. 
Este é, para já, o melhor arranque de sempre do Santa Clara nas competições profissionais de futebol, em 18 participações na II e I Liga.
Melhor arranque de sempre
Daniel Ramos: «Não trabalho para recordes»
O treinador Daniel Ramos já garantiu um lugar na história do Santa Clara. As quatro vitórias consecutivas no campeonato estabeleceram o melhor arranque de sempre da formação açoriana nos campeonatos profissionais.
O técnico assume que "não trabalha para recordes", mas mostra-se satisfeito com estes resultados. "Sentimos a autoestima elevada e aumenta a nossa responsabilidade. Agora o importante são os pontos conquistados", frisa o técnico que somou 12 pontos nos primeiros quatro jogos, sendo que o Santa Clara vai realizar este fim de semana o jogo com o Fafe, referente à 4.º jornada da 2.ª Liga.
A explicação para os resultados positivos do Santa Clara estão na capacidade dos jogadores se unirem e sentirem orgulho em jogar numa equipa que representa uma Região.
A explicação para os resultados positivos do Santa Clara estão na capacidade dos jogadores se unirem e sentirem orgulho em jogar numa equipa que representa uma Região.
"Quando uma equipa é unida, tem e é determinada geralmente consegue ultrapassar grandes adversidades. Esta semana tivemos dois jogadores que foram para o Hospital. Apanhamos um grande susto, mas temos um grupo muito unido que sente orgulho na camisola que veste. Queremos continuar a dignificar o Santa Clara ao mais alto nível", afirmou.
Vitória dedicada ao pai de Daniel Ramos
O treinador do Santa Clara aproveitou para dedicar a vitória ao seu pai, que está a atravessar um "difícil problema de saúde. Espero que esta vitória o ajude a recuperar".
A situação clínica do pai do treinador serviu para unir ainda mais o grupo do Santa Clara. No final do jogo o defesa direito, João Dias, apontou o dedo na direção de Daniel Ramos dedicando a vitória ao técnico. Foram vários os jogadores, que ainda no relvado, foram abraçar o treinador do Santa Clara.
Autores: Luís Silva

domingo, 21 de agosto de 2016

Campeonato de Portugal Prio - Série E: Operário perde, Ideal vence

Operário perde em casa no arranque do campeonato
A equipa principal do Operário perdeu, este domingo, no arranque do Campeonato de Portugal Prio, em partida da 1ª jornada da Série E. Na receção ao Fátima, os fabris sofreram assim a sua primeira derrota, em jogos oficiais, nesta nova época 2016/17.
No encontro da primeira jornada do campeonato, a equipa da Lagoa perdeu por 1-3 e no final do encontro, já na sala de imprensa, o treinador do Operário assumiu que a sua equipa não mereceu os três pontos, tendo sido os visitantes os justos vencedores.
Segundo André Branquinho, a equipa da Lagoa acusou a falta de jogos na pré época, tendo-se notado a falta de ritmo perante o adversário.
“Não conseguimos acompanhar o Fátima, faltou-nos poder ofensivo, mais posse de bolo no meio campo ofensivo, faltou-nos mais linhas de passe e faltou uma maior reação à perda da bola”, disse aos jornalistas.
André Branquinho admitiu não ser este o resultado esperado, “estava convencido que, pelo que os jogadores têm feito, a prestação poderia ser outra, mas esta é a primeira jornada, são três pontos perdidos mas posso garantir que no final desta primeira fase os objetivos vão ser atingidos”.
Segundo referiu o adversário venceu porque foi melhor e mais pragmático, tendo destaca dois momentos fulcrais no jogo. Primeiro o 1-2 do Fátima, aos 45 minutos, e o 1-3 que surgiu numa altura de ascendência dos fabris, mas sendo o Fátima uma equipa experiente, soube fechar o caminho para a baliza, e o Operário não teve arte nem engenho de lá chegar, admitiu.
Sobre o plantel, André Branquinho voltou a reforçar que este ainda não está completo, sendo que, na próxima semana, o Operário deverá receber dois novos reforços para o setor ofensivo, por isso assume que a equipa vai melhorar, vai subir de rendimento e o campeonato será em crescente.
DL/MN-foto@Henrique Barreira
Sporting Ideal, 3 - Vit. Sernache,1 
Golos:  
Paulo César         1 - 0 
André Oliveira    2 - 0  
Bosingwa            3 - 1  (Penalidade)
CAMPEONATO DE PORTUGAL – 1ª FASE – SÉRIE F
                                 1ª JORNADA

20-08-2016 11:00   PRAIENSE 3 – 2 ALCANENENSE    Final
                    02´Helder Arruda  1 - 1 19´Tavares
                    41´Helder Arruda  2 - 2 45´Tavares
                    47´Helder Arruda  3 - 2

20-08-2016 16:00   LUSITÂNIA 3 - 0 GAFETENSE        Final
                    38´Pedro Melo    1- 0 
                    77´Pedro Melo    2 - 0
                    Diogo Picanco   3 - 0
                     
   ADIADO                  MAFRA -ANGRENSE

sábado, 20 de agosto de 2016

II LigaPro: Santa Clara soma terceira vitória consecutiva

Pacheco aos 86 minutos aponta o golo da vitória da equipa encarnada de Ponta Delgada [fotos: João Raposo]
 Santa Clara, 2 - Famalicão, 1
 Açorianos somam terceiro triunfo
Equipa orientate por Daniel Ramos só tem vitórias
 O Santa Clara venceu este sábado, na ilha de São Miguel, nos Açores, o Famalicão por 2-1, mantendo a equipa de Ponta Delgada só com vitórias na 2.ª Liga, ao fim de três jornadas.
Na primeira parte, ambas as equipas mantiveram um jogo equilibrado, apesar do Santa Clara ter tido mais oportunidades de chegar à baliza de Victor Braga.
A equipa açoriana acabou por marcar aos 38 minutos, numa remate de fora da área de Hugo Santos, que ainda tabelou num jogador adversário, mas sem hipóteses para o guarda-redes do Famalicão
Hugo Santos fez o primeiro golo aos 38 minutos
No final da primeira parte, a equipa visitante ainda tentou igualar a partida, sem sucesso, uma vez que Serginho conseguiu defender a bola.
A segunda parte do encontro começou praticamente com o golo do empate, marcado por Medeiros, aos 50 minutos.
Dez minutos depois, Pineda voltou a marcar para o Santa Clara, mas o golo foi invalidado pelo árbitro, por fora de jogo, o que motivou grande indignação entre os adeptos e o treinador Daniel Ramos.
O protesto na marcação de uma falta sobre Medeiros levou mesmo o árbitro a expulsar o adjunto Tiago Sousa, aos 81 minutos.
O segundo golo do Santa Clara aconteceu cinco minutos depois, num remate do capitão Pacheco, na sequência de um cruzamento pela esquerda do Berney Burke.
Jogo no Estádio de São Miguel, em Ponta Delgada.
Santa Clara-Famalicão, 2-1.
Ao intervalo: 1-0.
Marcadores: 1-0, Hugo Santos, 38 minutos; 1-1, Medeiros, 50; 2-1, Pacheco, 86.
EQUIPAS:
Árbitro: Miguel Silva (Lisboa)
Santa Clara: Serginho, João Dias, Accioly, Diogo Santos, Pacheco, Clemente (Diogo Ribeiro, 30), Hugo Santos (Tiago Castanheira, 15), Pineda, Igor, Batatinha (Berny Burke, 25), Vitor Massaia. Suplentes: Pedro Soares, Telmo Castanheira, Berny Burke, João Reis, Rui Silva, Rúben Saldanha, Diogo Ribeiro.
Treinador: Daniel Ramos
Famalicão: Victor Braga, Angelo, Nailson, Mércio (Fred, 34), Cunha (Perre, 20), Medeiros, Jorge Miguel, Lima, Joel, Feliz, Carlão (Mendes, 31). Suplentes: Efremov, Vilaça, Fred, Mendes, Correia, Patrick, Perre.
Treinador: Ulisses Morais
Ação disciplinar: Cartão amarelo para Accioly (33), Diogo Santos (41), Feliz (84) e Medeiros (85).
Assistência: 350 espetadores.
Lusa\MN

terça-feira, 16 de agosto de 2016

Inaugurado novo sintético no campo de futebol da Lagoa

  
Campo Municipal da Lagoa com novo piso sintético
Foi inaugurado no passado sábado, dia 13 de agosto de 2016, o novo piso sintético do Campo João Gualberto Borges Arruda. 
Para além da colocação de um novo relvado, as obras da autarquia envolveram a demolição dos muros delimitadores do campo e da antiga tribuna deste equipamento desportivo.
Tratou-se de uma obra da responsabilidade da Câmara Municipal de Lagoa que visou a instalação do novo relvado sintético já com as medidas de segurança impostas pela Federação Portuguesa de Futebol no recinto de jogos.
Segundo a Presidente da Câmara Municipal de Lagoa, Cristina Calisto Decq Mota, “o continuado investimento, nos últimos dois anos, nesta infraestrutura, propriedade do município e numa altura de grandes restrições orçamentais para os municípios que são do conhecimento público, no seu conjunto já ascendeu aos 550 mil euros e teve por objetivo dotar aquele equipamento desportivo de melhores condições, dotando também o clube que o frequenta, de melhores condições de trabalho, reconhecendo o impacto que o Clube Operário Desportivo enquanto instituição de utilidade pública detém.”
Recordou ainda Cristina Calisto Decq Mota que, ” para além da construção dos balneários que servem a equipa sénior que milita no Campeonato Prio de Portugal, nos primeiros meses de 2016, foram também concluídas as intervenções de requalificação dos balneários das camadas jovens, lavandaria/rouparia e espaço para adaptação a gabinete técnico, bem como sistemas de águas quentes e sanitárias e o ginásio de preparação física. Foi também construído um alpendre para o apoio a atividades lúdicas do clube.
A construção da nova tribuna é o único equipamento que fica por realizar, uma vez que se aguarda a resposta a uma candidatura do Clube Operário Desportivo feita a um dos programas apresentados para a realização de infraestruturas junto da Federação Portuguesa de Futebol e que a líder do executivo camarário salientou que não sendo aprovada, a autarquia assumirá este projeto ainda que seja em moldes mais modestos. Apelou ainda à compreensão dos órgãos de comunicação social para o facto de se terem que adaptar às novas condições e que, juntamente, com a direção do clube estão a ser solucionadas durante uma época provisória, até enquanto não se construir a nova tribuna.
CML|MN

II LigaPro: Santa Clara vence em Coimbra

 Açorianos somam por vitórias os dois jogos disputados
Académica, 0 - Santa Clara, 1
Golo madrugador de Pineda dá segunda vitória aos açorianos
O Santa Clara venceu a Académica por 1-0, em jogo da segunda jornada da 2.ª Liga, disputado em Coimbra, com um golo madrugador do avançado Pineda.
A equipa açoriana apresentou-se mais descontraída na partida e aproveitou algum nervosismo da 'briosa' para marcar nesse período, logo aos quatro minutos, num remate de fora de área do atacante de El Salvador.
A Académica, que vinha de uma vitória fora, em Olhão, por 2-1, respondeu e, dois minutos depois, Traquina atirou ligeiramente ao lado da baliza do Santa Clara.
A equipa da casa soltou-se e passou a acercar-se com perigo da baliza contrária.
Em cima do minuto 45, a Académica teve uma grande perdida com Traquina a atirar ao lado da baliza, depois de os avançados Tozé Marreco e Rui Miguel terem falhado a emenda sobre a linha de golo, após cruzamento de Marinho.
Na segunda metade, os 'estudantes' entraram mais pressionantes e, aos 49 minutos, Marinho poderia ter empatado a partida, mas falhou o remate após uma boa triangulação com Tozé Marreco.
O capitão da 'briosa' esteve muito irrequieto no segundo tempo e aos 52 minutos fez um centro/remate, que passou a rasar o travessão da baliza do Santa Clara.
Aos 61 minutos, Tozé Marreco rematou de cabeça, num excelente movimento de rotação, mas o guarda-redes da equipa açoriana correspondeu com uma boa defesa.
Mais dois minutos depois, o avançado Clemente, do Santa Clara, fugiu aos defesas centrais da Académica, contornou o guarda-redes, mas o remate saiu ao lado.
A 'briosa' continuou a procurar o golo e Tozé Marreco, aos 65 minutos, falhou um toque de calcanhar na pequena área, após um perigoso cruzamento de Marinho.
Até ao final do encontro, os 'estudantes' procuraram sempre a baliza contrária, mas sem sucesso.
Com este resultado, o Santa Clara soma por vitórias os dois jogos até agora disputados.
Jogo no Estádio Cidade de Coimbra, em Coimbra
Académica - Santa Clara, 0-1

Marcador:
0-1, Pineda, 04 minutos.
EQUIPAS:
Árbitro: Gonçalo Martins (Vila Real).
- Académica: Ricardo Ribeiro, Nuno Piloto, João Real, Alfaiate, Nuno Santos, Fernando Alexandre, Kaká (Ki, 72), Marinho, Traquina (Nii Plange, 60), Rui Miguel (Makonda, 82) e Tozé Marreco.
(Suplentes: José Costa, Tom, Makonda, Ki, Nii Plange, Yuri e Jimmy).
Treinador: Costinha.
- Santa Clara: Serginho, João Dias, Accioly, Massaia, Igor, Diogo Santos, Pacheco, Ruben Saldanha (Hugo Santos, 81), João Reis (Batatinha, 68), Clemente e Pineda (Berny Burke, 79).
(Suplentes: Pedro Soares, T. Castanheira, Berny Burke, Hugo Santos, Rui Silva, Batatinha e Diogo Ribeiro).
Treinador: Daniel Ramos.
Ação disciplinar: Clemente (36), Pacheco (40), Serginho (41), Fernando Alexandre (60), Kaká (69) e Batatinha (90+2).
Assistência: 3.003 espetadores.
Autor: Lusa/MN

domingo, 7 de agosto de 2016

II LigaPro: Santa Clara entra a ganhar no campeonato

 Clemente aponta o golo da vitória  dos encarnados nos descontos
Santa Clara, 2 - V. Guimaães B, 1
Clemente dá vitória aos açorianos nos descontos 
Santa Clara venceu, este sábado, em casa o Vitória de Guimarães B por 2-1, com o golo do triunfo a ser apontado por Clemente já em tempo de descontos, numa partida da ronda inaugural da 2.ª Liga. 
O Vitória de Guimarães B adiantou-se no marcador aos 34 minutos, num golo de Boyd, sendo que o Santa Clara só conseguiu chegar à igualdade através de Batatinha, aos 79. Clemente garantiu a vitória da formação açoriana já passavam quatro dos cinco minutos de descontos concedidos pelo árbitro Carlos Xistra. 
O Santa Clara entrou em campo com mais posse de bola, mas foi o Vitória de Guimarães B que conseguiu chegar primeiro ao golo, aos 34 minutos, através de um remate fortíssimo 'disparado' por Boyd à entrada da grande área. 
Dois minutos depois, Pacheco cabeceou para golo, mas Miguel Oliveira defendeu para as redes laterais. 
Na segunda parte, e com os visitantes na frente do marcador, a formação de Guimarães demonstrava estar melhor organizada em campo quando, aos 62 minutos, Boyd ficou solto na esquerda e rematou rasteiro, onde valeu a defesa de Serginho para canto.

Aos 65 minutos, Batatinha ameaçou o golo, num remate a passar muito perto da baliza do guardião de Guimarães e concretizou cerca de 15 minutos depois, com o avançado a marcar de dentro da área vimaranense e no seguimento de um canto. 

Numa altura em que o Santa Clara procurava o golo, a tensão aumentava entre as duas equipas e Carlos Xitra, aos 85 minutos, deu ordem de expulsão a um membro da equipa técnica do Guimarães B, alegadamente por protestos.

Clemente assegurou a vitória do Santa Clara já passavam quatro dos cinco minutos de tempo de descontos atribuídos pelo juiz da partida, aproveitando o erro de um central do Guimarães, que atrasou para o guarda-redes na pequena área, para fazer o 2-1.
Jogo no Estádio de São Miguel, em Ponta Delgada.
Santa Clara - Vitória de Guimarães B, 2-1.
Ao intervalo: 0-1.
Marcadores: 
0-1, Boyd, 34 minutos.
1-1, Batatinha, 79.
2-1, Clemente, 90+4
.Equipas:
Árbitro: Carlos Xistra (Castelo Branco).
Santa Clara: Serginho, João Dias, Accioly, Massaia, Igor, Diogo Santos, Pacheco (Diogo Ribeiro, 76), Ruben Saldanha (Hugo Santos, 64), João Reis (Rafael Batatinha, 57), Clemente e Pineda.
(Suplentes: Pedro Soares, Telmo Castanheira, Hugo Santos, Nikola, Rui Silva, Batatinha e Diogo Ribeiro).
Treinador: Daniel Ramos.
Vitória Guimarães B: Miguel Oliveira, Denis, Ricardo Carvalho, Konan, Arrondel, Boyd, Castro, Hélder (Sacko,90+5), Joseph, André (Domingo,77) e Bence Biró (Correia, 71). 
(Suplentes: Sacko, Domingo, André, Martins, Correia, Kiko e Xavier).
Treinador: Vítor Campelos.
Ação disciplinar: Cartão amarelo para Pacheco (24), Ruben Saldanha (28), Hugo Santos (69), Domingo (84), Clemente (84), Arrondel (88), Rafael Batatinha (90+4), Denis (90+4) e Serginho (90+5).
Assistência: 614 espetadores.
Autor: Lusa/MN- Fotos: João Raposo

Desporto: Jogos Olímpicos Rio'2016

34 atletas representaram Portugal no desfile da Cerimónia de Abertura dos Jogos Olímpicos Rio'2016

A delegação portuguesa entrou às 22:20 locais (02:20 em Lisboa) no Estádio do Maracanã, palco da Cerimónia de Abertura dos Jogos Olímpicos Rio2016, numa delegação liderada pelo velejador João Rodrigues, que, na sétima participação, foi o porta-estandarte luso.
Dos 92 desportistas que competirão no Rio2016, Portugal, que foi a 153.ª delegação a desfilar, fez-se representar com 34 atletas, sendo de destacar ainda a presença do ex-futebolista Pauleta, segundo melhor marcador da história de seleção ‘AA’, em representação da equipa de futebol.
O maior contingente foi o do atletismo, com 11 atletas, incluindo o único campeão olímpico entre os representantes lusos no Rio2016, Nélson Évora, medalha de ouro no triplo salto em Pequim2008.
Cátia Azevedo, Irina Rodrigues, João Vieira, Lorene Bazolo, Marta Onofre, Marta Pen, Patrícia Mamona, Sérgio Vieira, Susana Costa e Vera Barbosa foram os outros representantes da modalidade que 'selou' os quatro ouros olímpicos de Portugal.
Por seu lado, o judo teve os seus seis representantes (Joana Ramos, Telma Monteiro, Sergiu Oleinic, Nuno Saraiva, Célio Dias e Jorge Fonseca), contra cinco da vela (João Rodrigues, Gustavo Lima, Jorge Lima, José Costa e Sara Carmo).
Pedro Martins e Telma Santos (badminton), José Carvalho (canoagem), Luciana Diniz (equestre), Filipa Martins, Ana Rente e Diogo Abreu (ginástica), Ricardo Melo Gouveia (golfe), Gastão Elias e João Sousa (ténis), Tamila Holub (natação) e João Monteiro (ténis de mesa) também marcaram presença.
Entre os atletas que competem já hoje, o tenista Gastão Elias é o único que marca presença, ao contrário dos ciclistas André Cardoso, José Mendes, Nélson Oliveira e Rui Costa, dos nadadores Alexis Santos e Victoria Kaminskaya, do atirador João Costa e de Shao Jieni, do ténis de mesa.
Lusa/MN

Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA)

Presença de poeiras do deserto do Saara nos Açores até quinta-feira

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) informou hoje que a presença de poeiras do deserto do Saara nos Açores, registada no sábado, deverá manter-se, em princípio, até quinta-feira.
“Não é uma situação muito comum, mas já ocorreu no passado e afetará todo o arquipélago, mas principalmente as ilhas dos grupos central e oriental”, disse à agência Lusa a meteorologista Vanda Costa, da delegação regional dos Açores do IPMA.
De acordo com a página do Facebook da delegação, no sábado o céu dos Açores apresentou-se “geralmente nublado por nuvens médias e altas”, sendo que “o azul do céu apresentava também um tom mais pálido do que o habitual, quase esbranquiçado”.
“Este efeito resulta da presença de partículas em suspensão na atmosfera”, adianta o IPMA, referindo que “os resultados das observações da espessura ótica dos aerossóis efetuadas” nesse dia na estação ARM (Atmospheric Radiation Measurement), na ilha Graciosa, “mostram um aumento significativo relativamente aos últimos dias”.
O IPMA adianta que este aumento deve-se “ao transporte de poeiras com origem no deserto do Saara através do ramo sul do anticiclone dos Açores, cujo centro se tem localizado a nordeste o arquipélago”.
Segundo o IPMA, “nos próximos dias não se prevê precipitação significativa”, mas “a eventual precipitação orográfica que venha a ocorrer deverá depositar alguma poeira que poderá ser visível a olho nu”.
Vanda Costa esclareceu que, “dado que os níveis de concentração de poeiras não são muito elevados”, não deverá afetar a saúde pública.
“De acordo com as previsões do IPMA, baseadas no modelo do Centro Europeu de Meteorologia, esta situação mantém-se, em princípio, até quinta-feira”, acrescentou a meteorologista.
O grupo central do arquipélago dos Açores é formado pelas ilhas do Faial, Graciosa, Terceira, Pico e São Jorge. São Miguel e Santa Maria integram o grupo oriental.
Lusa/MN

Automobilismo: 57.ª edição do Rali da Madeira

Bruno Magalhães vence Rali da Madeira pela terceira vez
consecutiva e Ricardo Moura acaba em sexto
O piloto português Bruno Magalhães (Ford Fiesta R5) conquistou, hoje, a 57.ª edição do Rali Vinho Madeira, vencendo a prova madeirense pela terceira vez consecutivo
Com este triunfo, Bruno Magalhães passou a ser o piloto que mais vezes conquistou o troféu, uma vez que esta constituiu a sua quinta vitória na prova madeirense.
José Pedro Fontes (Citroen DS3 R5) obteve o segundo lugar, com mais 5,7 segundos do que o vencedor. No terceiro lugar ficou o madeirense Alexandre Camacho (Peugeot T16 R5), a 6,7 segundos de Magalhães.
A figura do dia, na última etapa do rali, acabou por ser José Pedro Fontes, ao vencer quatro ‘classificativas’ entre as sete disputadas. Contudo, a ‘performance’ de Bruno Magalhães em defesa da liderança também mereceu destaque, sobretudo pela forma como o piloto soube gerir a vantagem, ultrapassando, de forma airosa, um despiste, numa viatura em que, segundo o piloto, ainda não tem “o melhor conhecimento”, o que o impede, muitas vezes, “de arriscar mais”.
Ricardo Moura acaba em sexto
Magalhães queixou-se de que o seu acidente foi provocado “por adeptos”, que, alegou, colocaram “uma pedra na estrada”, provocando o acidente. Segundo a organização do rali madeirense, “a polícia esteve no local a tomar conta da ocorrência”.
A prova, que teve a participação de 44 equipas, acabou com 30, após dois dias em que os pilotos foram confrontados com uma onda de calor, com temperaturas de mais de 30 graus centígrados. O colégio de comissários desportivos mandatou a organização do rali para promover a cerimónia de entrega de prémios no pódio, segundo a classificação não oficial após a 19.ª prova especial.
Lusa/MN

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Livro “BANDA DA RELVA & Filarmónicas dos Açores”

Filarmónicas dos Açores compiladas em novo livro da autoria de José Andrade, vai ser lançado a 5 agosto
O livro “BANDA DA RELVA & Filarmónicas dos Açores”, da autoria de José Andrade, é lançado na próxima semana como edição comemorativa do 150º aniversário da Filarmónica de Nossa Senhora das Neves. Esta nova edição da Letras Lavadas será apresentada numa sessão pública que tem lugar Sexta-feira, 5 de Agosto, pelas 20h00, na igreja paroquial da freguesia da Relva, em Ponta Delgada.
Numa mensagem que escreveu para este livro, o Presidente da República Portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa, refere que “a Região Autónoma dos Açores mantém um impressionante número de orquestras filarmónicas, algumas das quais centenárias” e prossegue dizendo que “celebrando essa pujança e persistência, quero saudar nesta ocasião a Filarmónica Nossa Senhora das Neves, fundada a 1 de Janeiro de 1866, na freguesia de Relva, concelho de Ponta Delgada, ilha de São Miguel, duas décadas depois do nascimento da pioneira Sociedade Filarmónica Micaelense”.
O novo livro de José Andrade, na sua parte central, reconstitui o contexto histórico da fundação da popular “Banda da Relva”, com o ambiente cultural da ilha de São Miguel em 1866, recorda os momentos mais marcantes do seu percurso ininterrupto de 150 anos, com factos e fotos, e arquiva as distinções locais, municipais e regionais que a filarmónica recebeu no âmbito das suas actuais comemorações, designadamente a Insígnia Autonómica de Mérito Cívico.
A parte inicial deste livro descreve as primeiras filarmónicas que existiram na ilha de São Miguel, desde a Filarmónica Micaelense em 1845 até à Filarmónica de Nossa Senhora das Neves em 1866, passando pelas cerca de duas dezenas de bandas fundadas em Ponta Delgada, Ribeira Grande, Lagoa, Vila Franca do Campo, Água de Pau, Povoação, Nordeste, Mosteiros, Fenais da Luz e Furnas.
A última parte do livro é dedicada às antigas e actuais filarmónicas das nove ilhas dos Açores, com destaque para as outras sete que contam mais de 150 anos de existência: Sociedade Filarmónica União Popular (São Jorge), Sociedade Filarmónica Artista Faialense (Faial), Filarmónica Eco Edificante (São Miguel), Filarmónica Fraternidade Rural (São Miguel), Banda Fundação Brasileira dos Mosteiros (São Miguel), Filarmónica Liberdade Lajense (Pico) e Banda Harmónica Furnense (São Miguel).
Ainda nesta sua parte final, o livro apresenta as cerca de 100 filarmónicas açorianas actualmente existentes – nas ilhas de Santa Maria (1), São Miguel (37), Terceira (25), Graciosa (4), São Jorge (15), Pico (13), Faial (8), Flores (1) e Corvo (1) – e faz um levantamento completo da “Cronologia Geral das Filarmónicas dos Açores”, com duas centenas de nomes, desde a “Phylarmonica Michaelense” de Ponta Delgada (1845) até à “Sociedade Recreativa Filarmónica Nossa Senhora dos Anjos” da Fajã de Baixo (2011).
O autor de “BANDA DA RELVA & Filarmónicas dos Açores”, José Andrade, é presidente da assembleia geral da Sociedade Filarmónica de Nossa Senhora das Neves e coordenador das comemorações do seu 150º aniversário.
DA/MN

Faleceu o Pai do Atletismo Português

Morreu Moniz Pereira, símbolo do atletismo português
Moniz Pereira, antigo treinador de Carlos Lopes, medalha de ouro em Los Angeles1984, morreu hoje aos 95 anos, anunciou através do Facebook o Sporting, clube que representou como dirigente, treinador e atleta do clube.    
"O Sporting CP lamenta informar a morte do professor Mário Moniz Pereira, com 95 anos, pelo qual está de luto. O professor Mário Moniz Pereira é o símbolo máximo do ecletismo do Sporting CP e desporto nacional. O clube endereça as mais sentidas condolências à família e amigos", revela a nota publicada pelo Sporting na sua página no Facebook.
Lusa

Plano Integrado de Regeneração Urbana na Cidade da Horta

Câmara da Horta apresenta Plano Integrado de Regeneração Urbana para revitalizar a cidade
A Câmara Municipal da Horta apresentou, esta sexta-feira, o Plano Integrado de Regeneração Urbana Sustentável da Cidade da Horta (PIRUS).
No âmbito da elaboração do PIRUS da Cidade da Horta foram auscultadas as principais forças vivas locais (12 entidades) e foi elaborado um inquérito de satisfação à população residente (200 inquéritos), refletindo também as preocupações elencadas pelas forças partidárias e principais associações locais no âmbito da consulta efetuada para o desenvolvimento dos termos de referência do plano estratégico do município da Horta.
Na conferência de imprensa de apresentação que teve lugar nos Paços do Concelho, o Presidente da Câmara Municipal da Horta salientou que "este é um plano que vai revitalizar a cidade da Horta onde estão inseridos os vários investimentos previstos pela autarquia para cidade da Horta até o ano 2020".
De acordo com José Leonardo, "não se trata de um plano estático, ou seja, é um plano que continua aberto à participação da sociedade civil".
"Reflete uma preocupação que o município em relação ao investimento nos espaços públicos com o objetivo de se melhorar as acessibilidades, o nosso comércio e a ambiência da cidade", acrescentou.
Segundo o responsável do executivo camarário estão identificados 26 projetos integrados no PIRUS, representando um investimento municipal de 6 milhões de euros até o ano 2020.
O Presidente da autarquia faialense enalteceu a sintonia existente entre a Câmara Municipal e os faialenses da necessidade de se fazer um investimento no centro histórico da cidade e na frente-mar que vai trazer resultados positivos nos futuro.
O autarca frisou que alguns dos projetos já são do conhecimento público como é exemplo a revitalização do Mercado Municipal, cuja empreitada será lançada em breve, a frente-mar, a instalação do Centro de Observação Oceânica, o projeto Horta ConVida que também se relaciona com este plano.
José Leonardo considerou ainda que o objetivo da Câmara da Horta não é ter planos para ficarem no papel, mas sim um plano estratégico de desenvolvimento da ilha do Faial que seja realista e exequível.
Por último, o Presidente da Câmara anunciou que o PIRUS da cidade da Horta iniciar-se-á já este ano com o início da requalificação da Rua Cônsul Dabney, aguardando apenas o visto do Tribunal de Contas para se iniciar a obra.
O Plano Integrado de Regeneração Urbana Sustentável da Cidade da Horta poderá ser consultado no site da Câmara Municipal da Horta através do link www.cmhorta.pt .
Fonte: CMH

Campeonato de Portugal PRIO:

Lusitânia sempre ficou de fora do contrato que abrange 4 clubes que militam no CPPrio
O Lusitânia, tal como noticiamos na edição de 21 de Julho, ficou de fora do contrato que abrange 4 clubes que militam no Campeonato de Portugal PRIO.
A resolução do Conselho do Governo de 1 de Abril passado, estabeleceu o limite de 4 clubes para aquele campeonato. O critério de selecção foi direccionado para Praiense, Angrense, Operário e Sporting Ideal, clubes que transitaram da temporada anterior.
O Lusitânia, promovido por ter ganho o campeonato regional, não terá o montante de 96.396,80 euros, recebendo somente os apoios que serão contratualizados com a Direcção Regional do Desporto para as viagens e para as estadas.
São 14 os contratos com as equipas de futebol, basquetebol, voleibol, andebol, hóquei em patins e de ténis de mesa e ainda para o campeão açoriano de ralis (ver quadro em anexo).
A única alteração prende-se com o ténis de mesa masculino. Na época passada foi o Toledos. Esta temporada é o Desportivo do Juncal, por ter ficado à frente da equipa do Pico na classificação do campeonato da 1ª divisão.
O valor total é de 2.038.869,45 euros, sendo para o futebol 1.385.587,20 euros, com o Santa Clara a ser contemplado com um milhão.
As equipas masculinas do Sporting da Horta, do Lusitânia, da Fonte do Bastardo e do Candelária, todas na 1ª divisão das modalidades em que competem, têm o valor total de 506.083,20 euros.
O Sporting da Horta acabou por ficar na 1ª divisão de andebol sem ter de disputar, em Agosto, a “liguilha” de permanência, por ter sido penúltimo no campeonato. A desistência do Passos Manuel beneficiou a formação da ilha do Faial, pelo que já lhe foi designado cerca de 126 mil e 500 euros.
São três, as equipas femininas contempladas. A equipa de ténis de mesa do Juncal tem cerca de 1.600 euros. O campeão nacional de basquetebol União Sportiva e o ex-campeão nacional de voleibol Ribeirense, do Pico, recebem 78.416,54 euros, o que tem motivado críticas dos responsáveis pelo clube de Ponta Delgada. Uma luta desencadeada durante anos pelo presidente do Ribeirense, João Tomé, sem nunca ter conseguido que houvesse uma aproximação aos valores recebidos pelas equipas masculinas das mesmas modalidades.
No critério do Governo, é salvaguardado que “cada modalidade desportiva e o nível a que é praticada implicam graus de notoriedade diferentes” e que “os apoios a conceder devem refletir a contribuição das diferentes actividades desportivas para a notoriedade da Região Autónoma dos Açores no exterior”. Por isso, entendem que o desporto feminino tem menos visibilidade e notoriedade que o masculino, sendo contemplado com verbas inferiors.
CA/MN

Inauguração da nova sede social do Benfica Águia

Gaudêncio destaca dinâmica desportiva na reabertura do Benfica Águia 
A inauguração da nova sede social do Benfica Águia e o regresso do clube à competição desportiva – nesta primeira fase apenas com escalões de formação – são exemplos da “dinâmica que existe na Ribeira Grande ao nível do associativismo”, destacou Alexandre Gaudêncio.
O presidente da Câmara da Ribeira Grande marcou presença na cerimónia de inauguração da sede do histórico clube da cidade nortenha e elogiou o “grupo de pessoas que se interessou pela reabertura do Benfica Águia e que contou com o apoio da autarquia”, salientou.
Alexandre Gaudêncio recordou que “na Ribeira Grande todos têm a porta aberta para colocarem em prática os seus projetos”, valorizando o do Benfica Águia em particular por “apostar na formação de crianças e jovens.”
“Nos dias de hoje os projetos que surgem na área desportiva são muito importantes porque contribuem para a formação das nossas crianças que ganham valores para a vida”, referiu o edil, premissa que “entronca na aposta que vimos fazendo ao nível da educação no concelho.”
Presidido por Mariano Correia, o Benfica Águia reaparece no panorama desportivo regional com o propósito de dignificar o emblema e contribuir para a valorização desportiva do concelho da Ribeira Grande. Nesta primeira fase vai dedicar-se apenas aos escalões de formação.
MN