Foram milhares as pessoas, entre as quais muitos emigrantes e turistas, que se deslocaram, este domingo, à maior cidade açoriana para assistir à Grande Coroação dos Impérios do Concelho, na XII edição das grandes Festas do Divino Espírito Santo de Ponta Delgada.
Durante a tarde de ontem, a Coroação dos Impérios do Concelho, que integrou mais de um milhar de pessoas, percorreu, como habitualmente acontece, as principais artérias da cidade, incorporando 107 coroas e 116 bandeiras.
Acompanharam aquele que é um dos pontos altos da grandes Festa do Espírito Santo de Ponta Delgada 12 bandas filarmónicas e estiveram representadas as 24 freguesias do concelho. Destaque para a coroa que o Mordomo (o Presidente da Câmara, José Manuel Bolieiro) levou. Foi a Coroa do Império dos Nobres, que data do século XVII.
Além dos Impérios do Concelho, integraram a Coroação representantes do projeto de inclusão social “Casa dos Manaias” e da Casa do Triângulo em São Miguel, além do próprio executivo camarário.
A Coroação, além da Missa Campal, que decorreu durante a manhã, no Largo da Igreja Matriz, foram transmitidas online e seguidas por milhares de pessoas, sobretudo emigrantes açorianos, espalhados pelos quatro cantos do mundo.
Relativamente à Missa da Coroação, à qual assistiram centenas de pessoas, foi animada pelo Coral de São José e rezada pelo Pároco da Matriz de São Sebastião, Nemésio Medeiros, para que a festa do Espírito Santo é um “momento de partilha” e uma oportunidade para “fortalecer mais e melhor o nosso compromisso fraterno e cristão”.
Na Homilia, o Pároco da Matriz de São Sebastião apelou aos fiéis para que recusem a opressão e o sofrimento e lutem contra “tudo aquilo que escraviza a pessoa humana”.
No final da Missa, foi servido o já tradicional Bodo de Leite, nas Portas da Cidade.
A XII edição das Festas do Divino Espírito Santo de Ponta Delgada encerraram na noite de domingo como animação no centro histórico, mais precisamente com a atuação dos “Bombomania” e, no Coreto das Portas da Cidade, além das já tradicionais cantigas ao desafio, atuou o Grupo de Cantares de São Vicente Ferreira.
Organizadas pelo 12º ano consecutigvo pela Câmara Municipal de Ponta Delgada, as Festas do Divino Espírito Santo contaram com o apoio das Juntas e dos Impérios das 24 freguesias, assim como de vários patrocinadores, grupos de escuteiros, colaboradores do Município e muitos voluntários.
Para o Mordomo, a Câmara de Ponta Delgada, com o apoio de centenas de voluntários e patrocinadores, conseguiu cumprir a tradição e mostrou que a Grande Festa do Espírito Santo, além de marca a fé do povo, é mesmo um grande cartaz turístico. A disso mesmo foi a presença de milhares de pessoas na cidade, quer para assistir ao Cortejo Etnográfico, quer à Missa, quer também à Coroação dos Impérios do Concelho.
José Manuel Bolieiro deixou, em termos pessoais e instituição um “agradecimento sentido” a todos quantos tornaram possível a realização das festas que são do povo e para o povo.
Texto: GI-CMPD | Foto: GI-CMPD
Largos milhares de pessoas em Ponta Delgada para as Sopas do Espírito Santo e Cortejo Etnográfico
Largos milhares de pessoas deslocaram-se este sábado a Ponta Delgada saborear as sopas e o arroz doce, assim como assistir ao tradicional Cortejo Etnográfico do Espírito Santo. Isto sem contar com os mais de mil participantes das 24 freguesias do concelho.
O cortejo, organizado pelas Juntas e Mordomias de todas as freguesias de Ponta Delgada, prolongou-se por cerca de 5 horas e nem o sol intenso que se fazia sentir afastou as milhares de pessoas da Avenida Infante D. Henrique, que aproveitavam para saborear a massa sovada, as malassadas, os bolos lêvedos, o porco no espeto e as bebidas para refrescar.
No Campo de São Francisco, foram servidas 13.000 sopas e 13.000 doses de arroz doce, mas muitos foram os que ali se deslocaram, nomeadamente turistas, apenas para observar o ambiente que se criou naquela zona histórica de Ponta Delgada.
Como habitualmente acontece, o Mordomo – o Presidente da Câmara Municipal de Ponta Delgada, percorreu cada uma das mesas do Campo de São Francisco, cumprimentais os comensais, entre os quais se encontraram muitos emigrantes.
José Manuel Bolieiro, em declarações à comunicação social referiu que “a distribuição das sopas é o grande momento tanto pela partilha, quer pelo número de pessoas que junta à mesma mesa quer pelo convívio”, afirmou José Manuel Bolieiro, que se fez acompanhar pele restante executivo camarário e pelos foliões da Covoada.
Já na Avenida Infante D. Henrique, ao início da tarde, muitas pessoas começaram a sentar-se à sombra aguardando o cortejo etnográfico, que se prolongou até cerca das 20h00.
A escola de percussão “Bora Lá Tocar” e convidados espanhóis abriram o cortejo das 24 freguesias e que contou com 38 carros de bois, 54 carros alegóricos e 15 folias de todo o concelho, além de bandas filarmónicas, grupos folclóricos, entre outros.
À noite, no coreto das Portas da Cidade, o arraial contou com a atuação das Folias do Espírito Santo e do grupo de Cantares de Outrora.
Ponta Delgada, 12 de julho de 2015
Assessoria de Imprensa