domingo, 29 de março de 2015

Campeonato dos Açores: Marítimo trava festa do Sp. Ideal

Marítimo da Graciosa, 0 - Sporting Ideal, 0
LIGA MEO AÇORES – 2ª FASE:
Apuramento do Campeão:
Sporting Ideal empatou na Graciosa - Lusitânia venceu fora
Resultados da 4ª. Jornada:
Rabo de Peixe, 1 – Lusitânia, 2
Marítimo, 0 - Sporting Ideal, 0
 
 
 
CLASSIFICAÇAO:
L EQUIPAS         J  V   E  D  GM-GS       P
1º Sporting Ideal    4   2   2   0      7 – 5       53
2º SC Lusitânia      4   2   1   1      6 – 5       48
3º Rabo de Peixe   4   1   0   3      8 – 9        38
4º SC Marítimo     4   0   3   1      9 – 11      27
5ª. Jornada - 12 abril de 2015:
Lusitânia – Marítimo da Graciosa
Sporting Ideal – Rabo de Peixe 
GRUPO DA MANUTENÇÃO:
Sp. Guadalepe vence no Faial e lidera isolado
Resultados da 5ª jornada:
Boavista CR, 2 – Vale Formoso, 3
Flamengos, 0 – Sp. Guadalupe, 1
SC Barreiro, 2 – Prainha FC, 0
CLASSIFICAÇÃO:
L EQUIPAS          J   V  E  D   GM-GS     P
1º Sp. Guadalupe   5   2   2   1      5 – 4       31
2º Prainha FC        5   3   1   1    11 – 5        28
3º Vale Formoso   5   2   2   1      8 – 6        28
4º SC Barreiro      5   3   1   1     11 – 5       27
5º Boavista CR     5   2   0   3      8 –14       19
6º FC Flamengos  5   0   0   5      3 –12       11
6ª jornada - 12 abril de 2015:
Vale Formoso – SP. Guadalupe
FC Flamengos – Prainha FC
Boavisata CR – SC Barreiro
JGS

II Liga: Santa Clara perde em Tondela

Tondela, 2 - Santa Clara, 1
Tondela dá a volta ao Santa Clara, com 'bis' de Piojo
O Tondela isolou-se hoje no segundo lugar da II Liga portuguesa de futebol, ao vencer em casa o Santa Clara por 2-1, depois de ter estado a perder, em encontro em atraso da 36.ª jornada.
Os forasteiros, que lutam pela permanência, adiantaram-se no marcador aos 24 minutos, por intermédio de Accioly, mas Piojo selou a reviravolta, com tentos aos 43 e 71, o primeiro na transformação de uma grande penalidade.
Com este triunfo, o Tondela soma agora 63 pontos, menos um do que o líder Desportivo de Chaves, que bateu em casa o Farense por 1-0, e mais cinco em relação a União da Madeira e Feirense, os mais próximos adversários na corrida à subida.
A primeira meia hora da equipa da casa foi fraca e castigada aos 24 minutos, com o golo dos insulares, que exploraram da melhor forma o nervosismo inicial do Tondela.
O Santa Clara, com jogadores muito muito móveis na frente, fez a primeira ameaça por Ludovic, aos 15 minutos, com um remate de longe que passou por cima. Rúben Saldanha fez o mesmo na baliza contrária, três minutos depois.
O Tondela não conseguiu sair desse adormecimento inicial e, na marcação de um pontapé de canto na direita, Ludovic levantou para a área e Accioly, mais alto do que toda a gente, cabeceou para o primeiro golo.
O Santa Clara começou a sentir as fragilidades defensivas do Tondela e Fábio Pacheco ia comprometendo, só conseguindo retificar em falta à entrada da área. Na marcação, em posição frontal, Ludovic atirou por cima.
Nos últimos 10 minutos antes do intervalo, o Tondela reagiu, mas só através de algumas iniciativas individuais.
Numa dessas jogadas, Piojo foi rasteirado por Luís Dias na grande área dos açorianos e Rui Costa apontou para a marca de grande penalidade, que o argentino transformou no golo do empate.
No segundo tempo, o Tondela surgiu com outra disposição atacante e as dificuldades dos açorianos começaram-se a sentir bem cedo. Aos 55 minutos, na discussão de um lance entre Jimmy e Piojo, este aparece caído na área, mas Rui Costa mandou seguir.
Apesar da maior acutilância da equipa da casa, o Santa Clara respondeu sempre com perigo em contra-ataque, mas a pressão que era feita pelos açorianos junto do setor mais recuado do Tondela é que trazias problemas. Nesta fase, foram cometidos vários erros que podiam saído caro à equipa da casa.
À passagem da meia hora do segundo tempo, Quim Machado leu bem o jogo, fazendo entrar Márcio Sousa para o lugar de Rúben Saldanha.
Com passes longos, o pequeno jogador, que ainda só tinha jogado 20 minutos no campeonato, conseguir tirar a bola da zona de pressão. Acabou mesmo por marcar o canto que selaria a vitória do Tondela, com Piojo, ao segundo poste, a empurrar para dentro da baliza dos visitantes.
Até final, o Santa Clara tentou o tudo por tudo para chegar ao empate, com bolas em demasia cruzadas para dentro da área contrária, mas sem resultados práticos.
por Manuel Resendes c/Lusa
Jogo no Estádio João Cardoso, em Tondela.
Tondela - Santa Clara, 2-1.
Ao intervalo: 1-1
Marcadores:
0-1, Accioly, 24
1-1, Piojo, 43 (grande penalidade)
2-1, Piojo, 71
Equipas:
Árbitro: Rui Costa (Porto)
Tondela: Cláudio Ramos, Edu Machado, Vítor Alves, Deyvison, Nuno Santos, Bruno Monteiro (Fábio Pacheco, 22), Rúben Saldanha (Márcio Sousa, 62), Renato Santos (Joel, 70), Luís Machado, Piojo e Tozé Marreco.
Suplentes: Rui Nereu, Pica, Fábio Pacheco, Márcio Sousa, Carraça, Pedro Mendes e Joel).
Treinador: Quim Machado.
Santa Clara: Serginho, Luís Dias (Clemente, 74), Accioly, Amoreirinha, Mike, Jimmy, Tiago Ronaldo (Reginaldo, 74), Pacheco, Rafael Batatinha (Ely, 65), Ludovic e Vouho.
Suplentes: Pedro Freitas, Malafaia, Clemente, Materazzi, Nuno Silva, Ely e Reginaldo).
Treinador: Filipe Gouveia.
Ação disciplinar: Cartão amarelo para Fábio Pacheco (26), Vouho (40), Luís Dias (43), Rafael Batatinha (53), Luís Machado (75 e 86), Jimmy (79 e 90+1), Amoreirinha (88), Ludovic (90+3). Cartão vermelho por acumulação de amarelos para Luís Machado (86) e Jimmy (90+1).
Assistência: Cerca de 600 espetadores.
Programa da 36ª. jornada:
Quarta-feira, 18 de Março de 2015
Olhanense, 1 - V. Guimarães [B], 1
Oliveirense, 1 - Sporting [B], 2
Marítimo [B], 1 - Leixões, 1
Benfica [B], 4 - Portimonense, 1
Freamunde, 0 - FC Porto [B], 2
Sexta-feira, 27 de Março de 2015
Sp. Braga [B], 0 - U. Madeira, 3
Sábado, 28 de Março de 2015
Atlético, 1  - Feirense, 3
Trofense, 1 - Oriental, 0
Domingo, 29 de Março de 2015
Desp. Chaves, 1 - Farense, 0
Tondela, 2 - Santa Clara, 1
Desp. Aves, 1 - Beira-Mar, 0
Ac. Viseu, 0 - Sp. Covilhã, 1

Religião: Hoje é Domingo de Ramos...

PROCISSÕES: Domingo de Ramos
Procissões são rogos solenes que os fiéis dirigem a Deus, conduzidos pelo clero, indo todos com ordem de um lugar a outro, a fim de aviventar a fé, reconhecer os benefícios de Deus, dar-lhe graças ou pedir auxílio dos Céus.
As procissões já se usavam no Antigo Testamento. Ao regressarem do cativeiro da Babilônia, os judeus fizeram uma procissão em ação de graças, ao redor das muralhas de Jerusalém (IIEdras, XII, 21-29). Obedecendo a ordem de Deus, o povo Hebreu conquistou a cidade de Jericó depois de ter dado sete volta nas fortificações, levando nesta procissão a Arca da Aliança (Josué VI, 4). A entrada triunfal de Nosso Senhor em Jerusalém, poucos dias antes do grande drama da Paixão, é outro cortejo festivo muito parecido com uma procissão. 
Logo, não desacerta quem liga as procissões à tradição Apostólica. Contudo, só se tronaram exeqüíveis depois de findar a era das perseguições. Desde o século IV, vemos que se realizam, numerosas por muitíssimos motivos: para transportar o corpo de algum mártir de algum cemitério ou da Igreja para outro lugar; para colocar a primeira pedra de um templo; para remover algum flagelo; para pedir a proteção de Deus para os frutos da terra (Ladainha de São Marcos e das rogações). Igualmente, uma espécie de procissão antecedia, não raro, a celebração solene dos Santos Mistérios. O povo ajuntava-se onde tinha de esperar pelo bispo e dali prosseguia processionalmente com ele até a Igreja chamada de estação, previamente designada para rezar a missa.
Podemos distinguir atualmente duas espécies de procissões: ordinárias e extraordinárias. - a) Procissões ordinárias são aquelas que se realizam todos os anos na mesma época, como a da Candelária, do Domingo de Ramos, dos Passos, da Ressurreição e de Corpus Christi. Nesta classe também entram as procissões locais, próprias de uma nação, de uma diocese, de uma terra, estabelecidas pelo costume, por circunstâncias particulares, como as que fazem as crianças na ocasião da primeira comunhão, as irmandades, as paróquias na festa do padroeiro, etc.
As procissões extraordinárias não têm este caráter permanente. São transitórias. De emergência. Motiva-as um caso passageiro. Será para pedir o fim da estiagem ou a cessação das chuvas, ou de alguma calamidade pública: fome, peste, guerra. Será para agradecer a Deus um acontecimento auspicioso, para honrar as relíquias de um santo, levando-as em procissão, etc.
Com as procissões devemos relacionar as romarias ou peregrinações. As mais afamadas são: - 1. Lugares Santos, da Palestina; - 2. Na Itália, os túmulos dos Apóstolos São Pedro e São Paulo, a Casa de Loreto; - 3. Em Portugal, Nossa Senhora de Fátima; - 4. Na França, a gruta de Messabielle em Lourdes. - 5. Na Espanha, São Tiago de Compostela, Nossa Senhora do Pilar, em Saragoça; - 6. No Brasil, o Bom Jesus do Congonhas do Campo em Minas, Nossa Senhora Aparecida, em São Paulo.
Fonte: Doutrina Católica -

sexta-feira, 27 de março de 2015

Campeonato dos Açores: Ideal com um pé na subida ao CNS

LIGA MEO AÇORES – 2ª FASE:
Apuramento do Campeão:
Sporting Ideal dá passo gigante rumo ao título
Resultados da 3ª. Jornada:
SC Marítimo, 3 – Rabo de Peixe, 5
Sporting Ideal, 1 – SC Lusitânia, 0
CLASSIFICAÇAO:
L EQUIPAS         J  V   E  D  GM-GS       P
1º Sporting Ideal    3   2   1   0      7 – 5       52
2º SC Lusitânia      3   1   1   1      4 – 4       45
3º Rabo de Peixe   3   1   0   2       7 – 7       38
4º SC Marítimo     3   0   2   1       9 – 11     26
4ª. Jornada - 29 março de 2015:
Rabo de Peixe - Lusitânia
Marítimo - Sporting Ideal
GRUPO DA MANUTENÇÃO:
Prainha goleou o Boavista CR e sobe ao 1º lugar
Resultados da 4ª jornada:

Vale Formoso, 2 – FC Flamengos, 0
Sp. Guadalup, 1 – SC Barreiro, 1
Prainha FC, 6 – Boavista CR, 0
CLASSIFICAÇÃO:
L EQUIPAS         J   V  E  D   GM-GS    P
1º Prainha FC        4   3   1   0    11 – 3      28
2º Sp. Guadalupe  4   1    2   1     4 – 4      28
3º Vale Formoso   4   1   2   1      5 – 4      25
4º SC Barreiro      4   2   1   1      9 – 5      24
5º Boavista CR     4   2   0   2      6 –11     19
6º FC Flamengos  4   0   0   4      3 –11     11
5ª jornada - 29 março de 2015:
Boavista CR – Vale Formoso
Flamengos – Sp. Guadalupe
SC Barreiro – Prainha FC
JGS

FUTEBOL EM SÃO MIGUEL – 2014/15:
Campeonato de S. Miguel da 1ª Divisão:
Águia vence Capelense em jogo antecipado e passa a líder
A equipa do águia dos Arrifes foi vencer o Capelense por 4-1, em jogo antecipado da 15º jornada e atingiu a liderança a par com o União Micaelense, dando um passo importante rumo ao título de campeão.
Resultados da 14ª. jornada:
Águia CD, 2 – U. Micaelense, 1
Mira Mar, 2 – Capelense SC, 0
Santo António, 2 – Marítimo, 1
U. Nordeste, 0 – Santiago, 1
Folgou: GD São Roque.
CLASSIFICAÇÃO:
L  EQUIPAS          J   V   E  D  GM-GS       P
1º Águia CD           13   8   2   3    27 –18      26
2º U. Micaelense    13   8   2   3    26 –18      26
3º GD São Roque   12   7   4   1    21 – 9       25
4º Marítimo SC      13   8   1   4    24 –16      25
5º Santiago FC       12   6   3   3    18 –12      21
6º Mira Mar SC     12   4   2   7    13 –18      14
7º Capelense          13   2   5   6    11 –19      11
8º Santo António   12   3   1   8    15 –27      10
9º U. Nordeste       13   0   2  11     9 –27        2
15ª. Jornada| 28-03-2015:
Capelense SC, 1 – Águia CD, 4
(a) jogo antecipado 21/3)
Santiago FC – Mira Mar SC
U. Micaelense – Santa António
GD São Roque – U. Nordeste
Folga: Marítimo SC
Campeonato de S. Miguel da 2ª. Divisão:
Rabo de Peixe B vence e sagra-se campeão da II Divisão
O CD Rabo de Peixe B sagrou-se campeão de São Miguel da II divisão em futebol senior ao vencer na 10ª e última jornada a Casa do Povo da Maia por 4-1, beneficiando da derrota do GD CP Arrifes que empatou com o GD São Roque B a uma bola.
No Pico da Pedra a equipa da casa venceu o Santa Bárbara por 3-0 e ficou na Terceira posição.
Resultados da 10ª. Jornada:
Vitória Pico da Pedra, 3 – Santa Bárbara, 0
Rabo de Peixe B, 4 – Casa Povo da Maia, 1
GD São Roque B, 1 – GDCP Arrifes, 1
CLASSIFICAÇÃO:
L  EQUIPAS             J    V   E  D    GM-GS        P
1º Rabo de Peixe B    10   7   1   2      22 –12        22
2º GDCP Arrifes        10   6   3   1      14 – 7         21
3º Vitória P. Pedra     10   6   1   3      16 –10        19
4º GD São Roque B   10   3   2   5      17 –18        11
5º Casa Povo Maia    10   2   1   7       14 –20         7
6º Santa Bárbara        10   0   4   6        3 –19          4
Campeão 2014/2015: Rabo de Peixe B

Futebol nos Açores: Campeonato da A.F.Horta - Faial/Pico

Futebol no Faial/Pico-2014-2015:
CAMPEONATO DE SENIORES da A.F.Horta:
Fayal Sport vence Vitória FC e isola-se na liderança
Fayal Sport da passo importante para o titulo venceu o Vitoria Futebol Clube por 2-1
O Fayal Sport Clube deu um passo importante para o titulo de campeão da associação de futebol da Horta na categoria de seniores vencendo o seu principal adversário o Vitoria Futebol Clube por dois um, golos marcados por Diogo Oliveira por parte do Vitoria, os tentos dos Fayal Sport foram apontados por Tiago Oliveira e Zanetti Carvalho.
Na ilha do Pico realizou-se as outras duas partidas desta 15 jornada, triunfo das equipas visitadas, por dois um, nas Lajes do Pico, golos marcados por Diogo Ávila, para o Grupo Desportivo Cedrense,  a equipa de Celestino Ribeiro os autores dos tentos e ambos de bola parada, Paulo Bettencourt num livre a fechar a primeira parte, já nos descontos Tiago Rebelo marcou de grande penalidade fazendo o resultado final 2-1.
Na vila da Madalena a formação local marcou por Paulo Reis e Pedro Cordeiro de penalti muito duvidoso, para os Alvinegros o presidente Luís Medeiros marcou uma vez mais.
Resultados da 15ª Jornada:
C. Desp. Lajense, 2 – GD Cedrense, 1
FC Madalena, 2 – Angústias Atlético, 1
Fayal Sport, 2 – Vitória FC Pico, 1 
 
CLASSIFICAÇÃO:

L  EQUIPAS           J    V   E   D   GM-GS       P
1º Fayal Sport         15   11   1    3    27 –15       34
2º Vitória do Pico    15   10   1    4    31 –15       31
3º CD Lajense         15    7    2    6    26 –21       23
4º Angústias Atl.     15    5    2    8    18 –22       17
5º GD Cedrense      15    4    2    9    16 –27       14
6º FC Madalena      15    4    0  11    12 –32       12
16ª. JORNADA| 29-03-2015:
Fayal Sport – CD Lajense
FC Madalena – GD Cedrense
Vitória Pico – Angústias Atlético
JGS

Futebol nos Açores: Campeonato da Terceira e S. Jorge

ILHA TERCEIRA:
Campeonato da Terceira – Séniores :
Vilanovense vence JD Lajense e fica perto do título
Resultados da 15ª. jornada:
SC Salão, 1 - GD Fontinhas, 1
Vilanovense, 1 – Juv. Lajense, 0
CLASSIFICAÇÃO:
L EQUIPAS         J   V   E   D     GM-GS       P
1º Vilanovense     15 11   3    1      39 –11       36
2º Juv. Lajense     15   8   3    4       24 –14      27
3º SC Salão          15   3   3    9       20 –33      12
4º GD Fontinhas  15   3   1   11      16 –41      10
16ª. jornada | 29-03-2015:
GD Fontinhas – JD Lajense
SC Salão – SC Vilanovense
ILHA DE SÃO JORGE:
Campeonato de São Jorge – Séniores:
GD Velense derrotou Urzelinense (4-1)
Resultados da 15ª jornada:
FC Calheta, 3 – GD Beira, 1
FC Urzelinense, 1 – GD Velense, 4
CLASSIFICAÇÃO:
L EQUIPAS         J    V    E   D     GM-GS       P
1º GD Velense      15  14    1    0       53 – 9        43
2º Urzelinense      15    5    3    7       22 – 28      18
3º GD Beira          14    3    4    7       24 – 29      13
4º FC Calheta       14    3    0   11      15 – 47        9
16ª. Jornada | 29-03-2015:
GD Velense – GD Beira
FC Urzelinense – FC Calheta
JGS

Atletismo: Naide Gomes coloca ponto final na carreira

Atletismo: A saltadora despede-se das pistas aos 35 anos.
O fim da linha para a melhor atleta portuguesa do século XXI
A saltadora Naide Gomes, a mais notável atleta portuguesa da última década, anunciou, aos 35 anos, o fim de uma carreira rica em títulos e que a levou a três Jogos Olímpicos, em representação de dois países.
Com 10 medalhas conquistadas em europeus e mundiais – principalmente, em pista coberta, mas também ao ar livre -, Naide Gomes não resistiu aos efeitos de uma lesão no tendão de Aquiles, que a manteve afastada das pistas desde 2013.
Foram, precisamente, as lesões que mudaram desde muito cedo o rumo traçado pela atleta, que começou pelo heptatlo e o pentatlo, mais exigentes fisicamente, mas acabou por se especializar, com sucesso, numa disciplina de ambos: o salto em comprimento.
Enezaide do Rosário da Vera Cruz Gomes nasceu a 20 de novembro de 1979, em São Tomé e Príncipe, país que representou nos Jogos Olímpicos de Sydney, em 2000, numa fase muito inicial da carreira, na prova dos 100 metros barreiras, depois de ter falhado a qualificação no heptatlo.
A curta vida como atleta são-tomense foi, no entanto, suficiente para estabelecer sete recordes nacionais (100 metros barreiras, salto em comprimento, salto em altura, triplo salto, lançamento do peso, lançamento do dardo e heptatlo).
Em 2001, obteve a nacionalidade portuguesa, país em que vivia desde os 11 anos, optando por representar Portugal, o que acontece pela primeira vez numa grande prova internacional em 2002, nos Europeus de pista coberta, em Viena, de onde saiu com a medalha de prata no pentatlo.
O título mundial ‘indoor’ de pentatlo em 2004, em Budapeste, obtido com a melhor marca mundial do ano, abriu boas perspetivas para os Jogos Olímpicos de Atenas, mas a atleta portuguesa não foi além do sexto lugar, ainda assim a sua melhor participação olímpica.
A aposta no salto em comprimento, em 2005, começa logo por produzir resultados, com o título europeu de pista coberta, em Madrid, a que se seguiu a primeira das duas medalhas de prata nos Campeonatos da Europa ao ar livre, em Gotemburgo, em 2006, ano em que também alcança o ‘bronze’ nos Mundiais ‘indoor’, em Moscovo.
A revalidação do título nos Europeus, em 2007, em Birmingham, e a medalha de ouro nos Campeonatos do Mundo, em 2008, em Valência, ambos em pista coberta, colocaram-na no topo da lista de favoritas para os Jogos Olímpicos de Pequim, na sua terceira e última participação.
A marca de 7,12 metros, obtida a 28 de julho no Mónaco - recorde português, ibérico e melhor marca mundial de 2008 –, reforçaram esse estatuto, mas a capital chinesa fica associada a um dos momentos mais amargos da vida desportiva de Naide Gomes.
Quase dois meses mais tarde, a 19 de agosto, no auge das suas capacidades, a atleta portuguesa desce do céu ao inferno em apenas três saltos: os dois primeiros são nulos e no terceiro, pressionada por ser a última oportunidade de atingir a final, salta 6,29 metros e falha o apuramento.
Depois de um ano em ‘branco’, 2010 marca o regresso às medalhas, concretamente duas de prata, nos Mundiais de pista coberta, em Doha, e nos Europeus ao ar livre, em Barcelona, antes de voltar a conquistar a ‘prata’, nos Campeonatos da Europa, em 2011, em Paris.
A nível nacional, Naide Gomes esteve sempre meio metro à frente da melhor concorrência, como o comprovam os 17 títulos de campeã portuguesa de salto em comprimento, aos quais junta mais três de salto em altura, dois de 100 metros barreiras e um de heptatlo.
lusa