terça-feira, 27 de abril de 2010

Diário de uma viagem aos Açores: São Miguel


No âmbito do Torneio de Golfe da Casa dos Açores do Ontário - (2ª parte)
Um passeio deslumbrante ao arquipélago açoriano, e a duas ilhas de Bruma
Após a descrição da forma como correu a nossa incursão pela ilha Terceira, agora dou conta da nossa passagem pela ilha de São Miguel.

Na quarta-feira, 23 de Março, depois da chegada ao aeroporto de Ponta Delgada, já na ilha de São Miguel, um moderno autocarro da empresa Varela, esperava por nós, para nos levar até ao Hotel VIP- Executive Azores, o maior do arquipélago, com 229 quartos, bar, restaurante e várias salas para conferências, entre as quaisse inclui um auditório. O hotel localiza-se na rotunda de São Gonçalo, lugar previligiado perto do centro da cidade e hipermercado ''Sol-Mar'', onde ficamos instalados até final da semana. A comitiva teve a tarde livre. Alguns seguiram a sugestão do guia, Jaime Furtado, e almoçaram um delicioso prato de peixe no restaurante ''Delícias do Mar''.
Eu decidi ir almoçar com o meu irmão Luciano e amigo Mário Jorge, ao restaurante ''Adega Regional''. Aproveitámos a tarde de Sol para tirar algumas fotos na avenida marginal Infante D. Henrique de Ponta Delgada.

No final da tarde, de volta ao hotel juntei-me à comitiva para a visita às instalações do magnífico Complexo Desportivo da Escola e fundação Pauleta em São Roque, um pouco mais acima do Estádio de São Miguel, onde encontramos os miúdos em fase inicial do treino de futebol. Fomos recebidos, pelo Pedro Resendes (Pauleta), que é também o Embaixador do Turismo para os Açores. Tivemos a oportunidade de conversar e tirar fotografias com o melhor marcador de sempre da selecção nacional de futebol de Portugal. Na breve conferência de imprensa que se seguiu, o Prof. Simas, explicou o modo de funcionamento da instituição, e o Pauleta respondeu a diversas questões sobre temas tão diversos, que foram desde a forma como vê o futuro desportivo do seu filho André, até à presença da selecção portuguesa no mundial na África do Sul.

Já o sol, se tinha posto, quando partimos para a Quinta do Gilberto Branquinho, na vila da Lagoa. O ditoso presidente do Clube Operário Desportivo, que convidou a comitiva para uma noite de convívio, que incluiu um jantar de boas-vindas a São Miguel. Comida não faltou. Lapas frescas, lapas com arroz, bacalhau no forno, chouriço, morcelas, ilhames, sopa, vinhos, cerveja, sumos, houve de tudo, juntamente com muita alegria e convívio. Durante o serão, jogou-se futebol, matraquilhos, bilhar e até houve tempo para Gilberto Branquinho cantar o fado; Carlos Botelho aproveitou a oportunidade para mostrar também dotes vocais. Foi-nos proprocionada uma exelente noite na Lagoa.

Na quinta-feira, 24 de Março, novo dia. Desta feita, um pouco mais cinzento e com alguma chuva. Saímos do hotel para o campo de golfe da Batalha, onde deixámos os golfistas a praticarem ''Shotgun''. Eu e os demais jornalistas fomos dar a volta à ilha pela costa este. Passámos pela Covoada e subimos para a Vista do Rei. A chuva e o nevoeiro não permitiram que vissemos a beleza e o colorido das duas lagoas das Sete Cidades. Descemos até ao vale da freguesia. Parámos entre as duas lagoas e visitámos a igreja local. A paragem serviu ainda para tomar um café e comer uma queijada de nata. Prosseguimos a viagem para o miradouro da Ponta do Escalvado, para observamos a freguesia dos Mosteiros e os seus ilhéus, mas o vento, o frio e a chuva não nos deram tréguas, para que pudessemos apreciar a beleza do lugar. Continuámos. João Bom, Pilar da Bretanha, Ajuda da Bretanha, Remédios, Santa Bárbara, Santo António foram as freguesias por onde passámos até chegármos à Vila das Capelas, onde fizemos uma pausa no porto à beira mar, junto à antiga fábrica da Baleia. No local observamos a estátua em pedra de um elefante com a trompa metida na água. O almoço deste dia, foi no restaurante ''Cavalo Branco'', no qual pudémos saborear uma excelente refeição regional, onde não faltou arroz de mariscos, polvo, torresmos, feijão entre outros pratos da culinária micaelense. Após a refeição fizémo-nos de novo ao caminho, passando em São Vicente Ferreira até aos Aflitos-Fenais da Luz, onde está situado o campo de golfe da Batalha. Juntámo-nos aos golfistas e regressamos ao hotel. A comitiva teve o resto da tarde livre.

Na quinta-feira, 25 de Março, saímos do Hotel -VIP Executive Azores pelas nove da manhã na direcção do campo de golfe nas Furnas, para que os jogadores disfrutassem de mais um dia de ''shotgun'', enquanto nós percorriamos a costa oeste da ilha verde, das Furnas atè à vila da Povoação, com paragem obrigatória de visita á Câmara Municipal local. Carlos Ávila, o presidente da autarquia recebeu-nos e entregou-nos uma medalha com o brazão daquele conselho, onde habitaram os primeiros povoadores de São Miguel.

O dia estava bonito com muito sol e céu azul, mas à saída da Câmara, fomos surpreendidos por uma chuvada, de uma nuvém passageira. Continuámos a subida para o conselho do Nordeste. Da estrada pudemos avistar Água Retorta, Ponta da Madrugada, Ponta do Arnél, até chegármos ao centro da vila de Nordeste. O presidente da etilidade, José Carlos Carreiro estava à nossa espera, tendo-nos recebido e oferecido diversas lembranças, com vários livros, a bandeira do conselho. Não deixou passar a presença dos jornalistas luso-canadianos para que estes fizessem eco de um convite, a todos os nordestenses na diàspora, para que estejam presentes nas festas do conselho em Julho, em honra do padroeiro São Jorge. Em seguida deslocámo-nos ao restaurante da ''Estalagem dos Cléricos'', para o almoço, oferecido pela auarquia. O local tem uma vista apaixonante para o centro da vila, sendo possivél vislumbrar a ponte, o edifício dos Paços do Conselho e a igreja Matriz. Foi sem dúvida mais um saboroso almoço, na terra do famoso ''capão'', prato tradicional nordestense. De regresso às Furnas, continuamos o passeio pela zona norte da ilha Verde, passando por diversas freguesias locais: Lomba da Fazenda, S. Pedro de Nordestinho, Sto. António Nordestinho, Algarvia e Santana, onde cortámos para a Salga, a caminho do miradouro do ''Salto do Cavalo'' com o objectivo de avistármos as lagoas antes de voltarmos ao campo de golfe. De novo com a comitiva completa, visitamos as caldeiras das Furnas e suas águas naturais.
Na Lagoa das Furnas, esperáva-nos o jantar oferecido pela Secretaria da Economia dos Açores. Tratava-swe do famoso cozido das Furnas, na histórica ''Casa do Chá''. Frank Alvarez e José Mário Coelho tiraram as duas panelas do cozido do buraco, onde foi cozinhado ao longo do dia por várias horas. O jantar foi uma delícia regional, e teve um complemento músical a cargo de Carlos Galvão. Não faltou o bolo lêvedo furnense e o queijo branco. Quanto ao sabor do cozido, estava uma delícia, todos gostaram e ninguém reclamou, pois, ao contrário do que alguns dizem, este não tinha qualquer sabor ou cheiro a enxofre. O regresso a Ponta Delgada fez-se pela costa sul, com passagem em Vila Franca do Campo (primeira capital de S. Miguel), Água de Pau e Lagoa.

Na sexta-feira, (26), penúltimo dia da nossa estadia, os golfistas foram logo pela manhã para o torneio no campo de golfe da Batalha (Aflitos- Fenais da Luz), enquanto a comunicação social acompanhou o presidente da Casa dos Açores do Ontário, Carlos Botelho, a uma reunião com o presidente do Governo Regional dos Açores, Carlos César, no palácio de Santana em Ponta Delgada. Na reunião foram debatidos vários temas e o Presidente da CAO, convidou Carlos César para estar presente no 25º Aniversário da CAO em Toronto, no mês de Novembro.
O presidente do Governo Regional agradeceu o convite e disse que posteriormente daria resposta à CAO. Após a reunião á porta fechada entre os dirigentes da CAO, e Carlos César, foram tiradas diversas fotografias da comitiva em frente do edifício governamental.
Finalizado este encontro, avançamos para o campo de golfe da Batalha para assistir ao torneio, que se iniciou ao principio da tarde.
No final, realizou-se um jantar de gala, no restaurante do campo de golfe, durante o qua foram entregues os trófeus aos vencedores, numa cerimónia patricionada pelo Governo Regional dos Açores.
Antes da entrega dos prémios o apresentador, Máximo Borges supervisor do campo de golfe da Batalha, chamou o Dr. Ricardo Medeiros (Administrador das Ilhas de Valor) que dirigiu algumas palavras de incentivo e agradecimento, e convidou a comitiva para voltar novamente aos Açores.
O primeiro troféu especial, foi entregue à única senhora que participou no torneio, Liliana Lopes, por Valter Couto. O prémio ''Closer to The Pin'' foi entregue a Fernando Couto, pelo responsável pelo torneio de Golfe no Canadá da CAO, José Porto. O prémio ''The Longest Drive'', foi entregue a Ilídio Medeiros pela pela jovem responsável pelo torneio e funcionária da CAO, Anabela Resendes.
Finalmente o prémio para o vencedor do torneio foi para Gualberto Giesta, que somou 46 pontos, e foi entregue pelo Dr. Vasco Cordeiro (Secretário da Economia do Governo Regional dos Açores). A cerimónia contou com a presença de diversos convidados, entre os quais, o gerente do Hotel VIP- Executive Azores, Manuel da Cruz Marques, também figura popular conhecida como presidente do Clube Desportivo Santa Clara, o presidente Gilberto Branquinho do Clube Operário Desportivo da Lagoa e José Silva, presidente da Rádio e Televisão de Portugal nos Açores. O entertenimento esteve mais uma vez a cargo de Carlos Galvão, que desta feita foi acompanhado pela cantora Andreia. Houve ainda tempo para um breve baile.
No sábado (27), último dia na ilha, fizemos o check-out no Hotel. A manhã estava de chuva, mas nos impediu de visitar o convento da Esperança em Ponta Delgada, onde o reitor monsenhor Agostinho Tavares, nos esperava. Na visita que nos proorcionou, levou-nos até ao coro baixo, para vermos de perto a veneranda imagem do Senhor Santo Cristo dos Milagres. Monsenhor Tavares contou-nos a história que está associada à forma como a imagem chegou ao convento. No final, rezámos um Pai Nosso; um momento de oração que comoveu alguns membos da comitiva. Esta foi a primeira vez que diversos membros da comitiva tiveram oportunidade de realizar esta visita, incluindo o pres. CAO, Carlos Botelho.
A imagem do Senhor Santo Cristo dos Milagres está na origem da maior anifestação religiosa nos Açores.
Segui-se o último almoço no restaurante, Mandarina, onde comemos um bom bife á regional, antes de seguimos para o aeroporto. No percurso que fizémos para o aeroporto, recebemos a bordo do autocarro um saco com diverso material de promoção turística dos Açores, que continha ananázes de S. Miguel, chá da Gorreana, queijadas da vila Franca e queijo de São Jorge, numa cortesia do Secretário Regional da Agricultura e Florestas, Noé Rodrigues, que aqui agradeço.
Embarcamos para Toronto num voo da SATA - Internacional e seis horas depois estávamos na capital do Ontário.
Antes de terminar esta reportagem gostaria de dar a conhecer os participantes do torneio de golfe que integraram esta comitiva, que foram os seguintes: José Porto, Paulo da Cunha, Greg Bettencourt, Mariano Pontes, Tobias Medeiros, Ilídio Medeiros, Eugénio Medeiros, Domingues Rites, Joaquim Lains, Ewanheck Michael, Inácio Cunha, Ramiro Moniz, Belmiro Moniz, Frank Alvarez, José Leal, Steve Sicluna, Gery Atkin, Robert Silano, José Costa, Paulo Cabral, Walter Ventura, Tony Azevedo e Fernando Ivo Peralta.
A delegação da Casa dos Açores do Ontário, foi composta por Carlos Botelho (presidente), Leo Machado, Anabela Resendes, Ricardo Viveiros, António Azevedo e Paulo da Cunha.
Agradecemos ao Governo Regional dos Açores pela amabilidade com que nos recebeu e à direcção da Casa do Açores, por este passeio deslumbrante a duas ilhas de Bruma.
Bem Hajam!
Reportagem e fotos de: João G. Silva.

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Liga de Honra/Vitalis: Santa Clara na corrida


SANTA CLARA, 3 - FREAMUNDE, 2
Açorianos de olho na subida
O Santa Clara venceu o Freamunde por 3-2, conquistando três preciosos pontos numa altura em que o campeonato entrou em contagem decrescente.
LEANDRO TATU FAZ HAT-TRICK

Foi com um hat-trick de Leandro Tatu que o Santa Clara conquistou três pontos importantes na jornada 27 da Liga Vitalis.
Numa altura em que faltam apenas três rondas para o final da temporada e com o objectivo da subida na mira e no pensamento, os encarnados de Ponta Delgada bateram-se ontem com um forte adversário, um Freamunde - que já garantiu a manutenção - que não desarmou e complicou a tarefa aos da casa.
Numa primeira parte em que a formação orientada por Vítor Pereira criou algumas situações de golo, os visitantes - sempre que podiam - tentavam responder.Daí que os contra-ataques eram rápidos e por vezes gerando alguma confusão na pequena área.
O Santa Clara venceu este domingo o Freamunde, por 3-2, em jogo da 27.ª jornada, reforçando a sua candidatura à promoção reduzindo para um ponto a diferença para o líder.
A vitória dos encarnados de Ponta Delgada foi assegurada por 3 golos do seu melhor goleador, Leandro Tatu, que disputa o título líder da tabela de marcadores do campeonato.
O golo inaugural nasceu de uma situação confusa na área do Freamunde, tendo Leandro Tatu aproveitado o ressalto de uma bola atirada ao poste por Nuno Santos. O tento balançou o Santa Clara para o ataque, com Tatu e Oliveira a rematarem pouco depois com perigo para a baliza de Peraltinha, mas acabou por ser o Freamunde a obter o segundo golo da partida, em livre direto apontado por Brandão.
Antes do intervalo, os encarnados de Ponta Delgada voltaram porém a marcar, através de uma grande penalidade concretizada por Tatu, castigando uma defesa com a mão de Brandão, na área.
No regresso dos balneários, a pressão atacante do Santa Clara voltou a ser premiada, com Leandro a fazer um chapéu a Peraltinha. A resposta do Freamunde aconteceu a 12 minutos do fim da partida, com Marco Cláudio a aproveitar um cruzamento da direita, que o deixou sozinho frente a Matt Jones.
Jogo no Estádio de São Miguel
Árbitro: Paulo Costa (Porto)
Santa Clara: Matt Jones, João Dias, Danilo Rocha, Gonçalo, Leandro Tatu (Lico, 77), Ruy Netto (Tó Miguel, 67), Rincon (Renan, 58), Nuno Sociedade, Nuno Santos, Oliveira e Gabi
Freamunde: Peraltinha, Kika (Nuno Silva, 71), Marco Tiago, Tarcísio, Bock, Marco Cláudio, Luís Carlos Luís Pedro (Bertinho, 34), Brandão (Júnior Maranhão, 60), Raviola e João Paulo
Acção disciplinar: cartão amarelo para Brandão (45 m)
CAMPEONATO NACIONAL DA 2ª. DIVISÃO - ZONA CENTRO:

Sport Praiense empata em Mafra

O Sport Clube Praiense conquistou um ponto muito importante na deslocação ao recinto do Mafra, enquanto o Operário perdeu em casa com o líder Arouca e o Vitória FC do Pico conseguiu a sua terceira vitória consecutiva, continuando, mesmo despromovido, a lutar com a mesma dignidade.
Foi importante o empate do Praiense em Mafra, porque a luta pela fuga à despromoção vai durar até ao cair do pano, mas não é menos importante vencer o próximo encontro frente ao Sertanense, o mesmo de poderá dizer do Operário, que também necessita ganhar, tendo em conta que ambos jogam fora de portas na derradeira ronda.

OPERÁRIO, 0 - AROUCA, 1
Jogar contra catorze foi missão impossível
Pelas informações que nos chegaram, o Operário foi prejudicado por uma arbitragem tendenciosa, nada que surpreenda nesta fase da competição.
Um dos muitos erros cometidos pelo trio de arbitragem bracarense que esteve na Lagoa ditou a vitória do Arouca sobre o Operário por uma bola a zero, em partida da 28ª jornada da II Divisão Zona Centro.
Uma grande penalidade que apenas António Ferreira deslumbrou (Pedro Santos rematou, já na área, com Armindo no relvado a desviar para canto, surgindo depois um contacto entre ambos os jogadores) foi bem aproveitada por Bruninho, fixando aos 27 minutos o resultado final de um jogo em que os fabris, para além dos onze elementos aveirenses ainda tiveram de defrontar (sempre com nítido prejuízo) o trio de arbitragem.
Resultados da 28ª. jornada
Mafra, 0 – Sp. Praiense, 0
Tondela, 3 – Pampilhosa, 1
Operário, 0 – Arouca, 1
Vitória FC, 1 – Académico Viseu, 0
Sertanense, 2 – Monsanto, 1
Esmoriz, 0 – Tourizense, 2
União Serra, 1 – Oliveira Bairro, 0
Eléctrico, 2 – Marinhense, 0
Classificação: Pontos.
1º Arouca .......... 51
2º Pampilhosa ..... 49
3º Tourizense ..... 46
4º AD Mafra ....... 45
5º Tondela ......... 45
6º Esmoriz ......... 42
7º Sertanense ..... 39
8º UD Serra ........ 38
9º Praiense ........ 37
10º Eléctrico ...... 37
11º Operário ...... 36
12º Ac. Viseu ..... 33
13ª Marinhense .. 31
14º Oliv. Bairro... 30
15º Monsanto ..... 28
16º Vitória Pico .. 28

sábado, 17 de abril de 2010

Diário de uma viagem aos Açores: Ilha Terceira


No âmbito do Torneio de Golfe da Casa dos Açores do Ontário:
Um passeio deslumbrante ao arquipélago açoriano, e a duas ilhas de Bruma
A pretexto do Torneio de Golfe que anualmente promove, a Casa dos Açores do Ontário, promoveu uma viagem à Região Autónoma dos Açores, entre 20 e 27 de Março, na qual participaram elementos da direcção da CAO, jogadores de golfe e jornalistas. Esta viagem serviu ainda para promover e dar a conhecer em premenor duas ilhas do arquipélago a Terceira e São Miguel.
A viagem teve ínicio a sexta-feira, 19 de Março quando os participantes saíram do Aeroporto Internacional Pearson num voo da SATA-Internacional, rumo a Ponta Delgada (São Miguel). Foi uma bela e confortável viagem, que durou aproximadamente cinco horas.Chegámos ao aeroporto de João Paulo II, no sábado, às 7h10, , numa manhã de sol e céu azul. Depois despachámos as malas, rumo à ilha Terceira no vôo da Sata-Air Açores.
Contudo , como eu e o José Mário tinhamos uma hora de embarque diferente do resto da comitiva, em virtude de não haver lugar para todos no mesmo voo para a Terceira, acabamos por premanecer mais tempo em S. Miguel, para seguir à uma hora da tarde, para a Ilha Terceira.
Esta curta estadia em S. Miguel, premitiu que José Mário Coelho rencontrasse, Rogério Lopes, antigo piloto reformado da Sata, que nos levou a passear pelos arredores de Ponta Delgada, uma cidade totalmente virada para a modernidade, com muitas estradas novas e rotundas que premitem as ligação aos vários pontos da ilha pelas vias rápidas. Visitámos o jardim botânico que e encontra em construção para os lados da Fajã de Cima, lá bem no alto com uma vista deslumbrante para a cidade e para o mar. Depois partimos para a casa do Rogério, que foi buscar a esposa Liliana, uma pintora que, entre outros, foi a autora dos quadros que se encontram expostos no aeroporto João Paulo II em Ponta Delgada.
Decidimos ir almoçar um bom prato de peixe, num restaurante junto ao mar na Praia do Pópulo-pequena. No final regressamos ao aeroporto e embarcamos rumo à Terceira e ao encontro da nossa comitiva.

O vôo levou aproximadamente 35 minutos, até ao aeroporto das Lajes, onde nos esperava um Táxi, que nos conduziu até ao hotel do Carracol em Angra do Heroísmo. Chegados ao hotel recebemos as chaves e fomos até ao quatro deixar as malas.
Com o sono despertado de uma noite perdida, aproveitamos a tarde livre para desfurtar do bom tempo. Eu e o José Mário decidimos ir dar um longo passeio a pé, até à baixa da cidade de Angra do Heroísmo que é património mundial. Desde o hotel, no largo da Silveira seguimos pela rua Diogo de Teive até á Avenida Tenente Coronel José Agostinho, Alto das Covas e chegámos à Rua da Sé; descemos até à Praça Velha, voltamos à Rua Direita e continuamos até à Igreja da Misercórdia frente a Marina, de onde avistámos ao fundo o Monte Brasil. Na nossa caminhada, como é óbvio, tiramos fotografias, alguma das quais à vistosa igreja do Santíssimo Salvador da Sé (Catedral da Sé), entre outras. Chegamos ao hotel algumas horas mais tarde depois da longa caminhada e fomos descansar.

Ao cair da noite a comitiva deslocou-se de autocarro até á cidade da Praia da Vitória, onde nos foi oferecido um jantar, no restaurante ''O Pescador'', que teve a presença de Sérgio Ávila vice-presidente do Governo Regional dos Açores, e de Paulo Soares, jovem presidente da Rede Intregada de Apoio ao Cidadão (RIAC), Foi numa exelente recepção completada por uma saborosa refeição.
Terminado o respasto, seguimos a pé para a baixa da Praia da Vitória, até aos bares, cafés restaurantes e discotecas, que no sábado á noite começam a encher-se depois da meia-noite até altas horas da madrugada. Da comitiva, uns ficaram e outros voltaram ao hotel.
No domingo (21 de Março), acordámos com um dia enevoado e com chuva. Após o pequeno almoço, os golfistas foram para o clube de golfe da Terceira, enquanto os jornalistas e a direcção executiva da Casa dos Açores do Ontário, deram a volta à ilha Terceira, num autocarro da EVT, com o motorista José Manuel e o guia, Pires Borges.
Iniciámos a volta à ilha, passando por várias freguesias. A primeira paragem foi na vila de São Sebastião, onde visitamos a igreja, em estilo gótico, erguida pelos primeiros povoadores. Mesmo ao lado, a capela, obra prima de arquitectura popular dos ''impérios'' devotados ao culto do Divino Espírito Santo. Seguimos para o Miradouro do Facho para avistar do alto a cidade de Vitorino Nemésio, a Praia da Vitória. Continuamos o nosso roteiro por Porto Martins, terra dos vinhos, e pelo Porto de S. Fernando, lugar piscatório. Pouco depois fomos almoçar, num restaurante com vista para o mar no Porto Salgueiros (''Porto Novo'').
A volta à ilha prosseguiu com passagem por Porto Judeu, onde avistamos o ilhéu das Cabras, rumo à fortaleza de S. João Baptista, em Angra do Heroísmo, onde subimos ao Monte Brasil, para avistar a cidade. A visibilidade da beleza histórica da cidade atrimónio mundial, foi afectada pela chuva que caía e o nevoeiro, como seria num dia de sol.
De regresso ao hotel, passámos pelo Clube de Golfe apanharmos os golfistas. O resto da tarde foi passado a visitar o outro lado da ilha, que nos permitiram conhecer melhor a história da ilha Terceira, como as adegas dos Biscoitos e Queijarias das Cinco Ribeiras.
Apesar da presistência da chuva e do nevoeiro o passeio permitiu conhecer melhor a ilha ''Lilás'' ou de Jesus Cristo.

De regresso ao hotel do Carracol, foi a vez de assistir à final da Taça da Liga, com Benfica a derrotar o FC Porto por 3-0. Uma vitória muito festejada pelos benfiquistas presentes na comitiva, que apenas incluia um simpatizante dos dragões.
Na segunda-feira, 22 de Março, mais um dia de frio, vento e chuva. O dia começou com a visita ao Palácio dos Capitãos Generais em Angra do Heroísmo. Filipa Silva, a guia, explicou a história da ''ilha de Jesus Cristo'' e dos seus habitantes sem esquecer o papel desempenhado pelos reis ao longo dos séculos. Este palácio não dispensa a visita de quem quer conhecer melhor o historial da ilha Terceira, como o da heroína Briana Pereira, que deu o nome a Angra do Heroísmo. Já a designação da ''Praia da Vitória'' surgiu aquando de uma tentativa de tomada da ilha pelos corsários, que a população retaliou, soltando touros e vacas, que em plena noite, foram mar adentro, e provocaram a fuga dos invasores.

Nesta mesma noite, foi oferecido um exelente jantar pela vice-presidência, no salão de festas do Clube de Golfe da Terceira, no qual actuou o Grupo de Cantares e Violas da Terra da Praia da Vitória. Tocaram e cantaram músicas tradicionais terceirenses e regionais. José Mário, foi convidado a cantar o bailinho da Madeira com o grupo, e não deixou seus créditos por mãos alheias. Neste jantar de despedida da comitiva da CAO, estiveram presentes entre outros, o vice-presidentes do Governo Regional dos Açores, Sérgio Ávila, a delegada de Turismo da Terceira, Verónica Bettencourt, Paulo Sérgio Soares (Rede Integrada de apoio ao Cidadão) e Alexandre Barroso (presidente do Clube de Golfe da Terceira). Concluído o requintado jantar, regressamos ao Hotel do Carracol para passarmos a última noite.
No dia 23, terça-feira, deixamos a ilha Terceira com destino a S. Miguel. O dia estava lindo, com o sol a brilhar bem alto. Viajamos no novo Dash Q400 - Manuel Arriaga, da Sata-Air Açores, numa viagem confortavel que durou 25 minutos até até à na ilha verde. A comitiva teve resto da tarde livre.
Reportagem e Fotos de: João G. Silva nos Açores.

Açores: ''As Ilhas Encantadas''


VENHA CONHECER CONNOSCO:
Terceira: ''A Ilha de Jesus Cristo''
O porto onde ancoraram galeões ajoujados com o peso das especiarias do Oriente, do ouro e da prata da América. As ruas rectilíneas de uma Cidade que nos leva à atmosfera dos séculos XVII e XVIII. O quadriculado de campos verdes e planos pontilhados pela silhueta branca das vacas leiteiras. As pinceladas de colorido vivo, gritante dos "impérios" por entre o casaria branco. Os risos, as piruetas dos rapazes que mostram as suas habilidades na tourada à corda". As horas tranquilas de uma partida de golfe por entre maciços de criptomérias vindas do Japão.
Formas, cores e perfumes do caleidoscópio turístico da ilha Terceira. Onde o presente se junta ao passado para férias completas, entusiasmantes.

Exemplo primeiro do urbanismo europeu do séc. XVI em pleno Atlântico, Angra do Heroísmo merece a classificação de património mundial. Pelas ruas que conservam a arquitectura de outros tempos. As igrejas, palácios, museus. As poderosas muralhas da fortaleza que defendeu a cidade e o porto dos ataques dos corsários.

Depois de apreciar o muito que há para ver em Angra do Heroísmo importa conhecer o centro histórico da Praiada Vitória. A igreja gótica de São Sebastião, erguida pelos primeiros povoadores. As casas solarengas, igrejas e capelas de São Carlos, Fontinha, SãoBrás e Lajes. As obras primas de arquitectura popular dos"impérios" devotados ao culto do Espírito Santo.
Terceira não é só história e monumentos, Tem, também, paisagens verdejantes onde apetece passear, Serras que desvendam horizontes de campos floridos, de mar e céu. A curiosa Caldeira de Guilherme Moniz, cratera vulcânica de 15kmde perímetro.

As grutas do Algar do Carvão, com paredes de lava e basalto. Um campo de 18 buracos desafia a perícia dos golfistas. O mar, rico em peixe, é um paraíso para os pescadores, Mergulho,"windsurf",vela são desportos praticados na ilha. E, na falta de praias, existem ao longo do litoral piscinas construídas por entre rochedos para um banho refrescante.

Terceira, nos meses de Maio a Setembro, é um permanente festival de cor e tradições seculares. São as Festas do Espírito Santo com a cerimónia, repetida em todas as povoações, da coroação do "imperador" seguida por bodos onde se come e bebe fartamente. As Festas Sanjoaninas, com o seu interessante cortejo etnográfico. E, sempre, as multidões entusiastas que acompanham as peripécias, tantas vezes humorísticas, da tourada à corda.

Festa significa boa comida. Por isso tem fama a cozinha tradicional, com o aroma exótico da alcatra, a morcela, as receitas de polvo. Os doces são muitos e bons, como as donas Amélias. E a refeição não fica completa sem o vinho de Biscoitos, de que um pitoresco museu recorda a longa crónica de agrado ao paladar.

quinta-feira, 8 de abril de 2010

AZORES GOLF TOURNAMENT ' 2010


TORNEIO DE GOLFE DA CASA DOS AÇORES DO ONTARIO
Gualberto Giesta e Liliana Lopes venceram nas respectivas categorias
O campo de Golfe da Batalha na ilha de São Miguel, foi o lugar escolhido para a realização da final do Torneio de Golfe da Casa dos Açores de Ontario que se deslocaram à Terceira e a São Miguel.
Participaram quarenta e um jogadores que competiram entre si, com canadianos e micaelenses.
Gualberto Giesta foi o vencedor absoluto e somou 46 pontos, mais dois que o segundo classificado o luso-canadiano, Domingos Rites, 44, em terceiro lugar ficou José Oliveira com 40 pontos.
A vencedora da prova feminina foi Liliana Lopes, a única senhora que participou no torneio, ficando na 32ª posição da classificação geral.
Parabéns aos vencedores!
O primeiro troféu especial, foi entregue à única senhora que participou no torneio, Liliana Lopes, por Valter Couto. O prémio ''Closer to The Pin'' foi entregue a Fernando Couto, pelo responsável pelo torneio de Golfe no Canadá da CAO, José Porto. O prémio ''The Longest Drive'', foi entregue a Ilídio Medeiros pela pela jovem responsável pelo torneio e funcionária da CAO, Anabela Resendes. Finalmente o prémio para o vencedor do torneio foi para Gualberto Giesta, que somou 46 pontos, e foi entregue pelo Dr. Vasco Cordeiro (Secretário da Economia do Governo Regional dos Açores).
Resultados do Torneio:
P JOGADORES PONTOS
1. Gualberto Giesta ...... 46
2. Domingos Rites ........ 44
3. Jose Oliveira ........... 40
4. Bruno Mendes .......... 37
5. Gary Atkin ............. 36
6. Fernando Amado ...... 35
7. Fernando Couto ........ 35
8. Antonio Rego .......... 34
9. Ulf Smith ................ 34
10. Walter Ventura ........ 34
11. Gary Wilkstron ......... 33
12. Luis Sousa ............. 33
13. Mariano Pontes ....... 33
14. Rogerio Lopes ......... 33
15. Rui Cordeiro ........... 32
16. Amilcar Santos ......... 30
17. Frank Alvarez ............ 30
18. Manuel Farias ........... 30
19. Steve Sicluna ............ 29
20. Andre Barci ............... 28
21. Jose Porto ............... 28
22. Luis L. Silva ............. 28
23. Ilidio Medeiros .......... 27
24. Severino Pereira ....... 27
25. Tobias Medeiros ....... 27
26. Abilio Sousa ............. 25
27. Manuel Soares .......... 25
28. Manuel Costa ............ 24
29. Joaquim Lains ........... 22
30. Jose Leal ................ 21
31. Robert Silano ......... 21
32. Liliana Lopes ......... 19
33. Ramiro Moniz ......... 16
34. Jose Costa .............. 15
35. Paulo Cunha ........... 15
36. Paulo Cabral ........... 13
37. Greg Bettencourt .... 12
38. Inacio Cunha ........... 10
39. Belarmino Moniz ..... 8
40. Andre Medeiros ....... 0
41. Eugenio Medeiros ..... 0