terça-feira, 27 de outubro de 2009

Quando a morte acontece no Desporto


Quando, de súbito, a morte acontece no desporto
Exames clínicos podem detectar 90 a 95 por cento dos casos de morte súbita. Problema é que a primeira manifestação da doença pode ser fatal.
Por mais paradoxal que possa parecer, já que a actividade desportiva é, indubitavelmente, saudável, a prática pode também ter consequências trágicas, como infelizmente se pode verificar pelo histórico de episódios, transversal a todas as modalidades.
O grau de mediatismo dos praticantes aumenta a exposição, como são os casos de Pavão e Marc-Vivien Foé. No entanto, os menos conhecidos Paulo Navalho e Hugo Cunha são igualmente vidas humanas cuja perda se lamenta.
A morte súbita tem sido tema de grande debate no desporto e, sobretudo, de estudo clínico. O director do Centro Nacional de Medicina Desportiva, Fonseca Esteves, afirma que o exame para detecção das causas da morte súbita é bastante fiável. O problema é que a primeira manifestação pode ser fatal. «O modelo e a metodologia que utilizamos permite-nos detectar cerca de 90 a 95 por cento dos casos. No entanto, há situações indetectáveis em vida, cuja primeira manifestação da doença é a morte».
A mais recente vítima de morte súbita, o basquetebolista norte-americano da Ovarense, Kevin Widemond, pode encaixar-se nos casos em que a patologia escapou aos filtros de detecção.
Cronologia das mortes no desporto:
1973, PAVÃO. A 16 de Dezembro o médio do FC Porto cai no relvado das Antas, num jogo frente ao Vitória de Setúbal. Paragem cárdio-respiratória.
1975, JEAN-CLAUDE MISAC. A 10 de Setembro, o corredor francês morre durante um treino, devido a uma paragem cárdio-respiratória.
1977, RENATO CURI. A 30 de Outubro, o jogador do Perugia morre de ataque cardíaco em pleno relvado, durante o encontro com a Juventus.
1980, OMAR Sahnoun . A 21 de Maio, o futebolista argelino naturalizado francês morre de ataque cardíaco num treino do Bordéus.
1987, PAULO NAVALHO. A 23 de Agosto, em jogo de treino com o Al-Jazir, o futebolista sofre um enfarte agudo do miocárdio.
1988, CONNIE MEIJER. A 17 de Agosto, a corredora holandesa morre na sequência de uma paragem cardíaca no decurso do Critério da Holanda.
1989, SAMUEL OKWAJARI. A 12 de Agosto, o futebolista nigeriano morre de paragem cardíaca, no relvado, no encontro frente a Angola. A autópsia revelou que o seu coração tinha dimensões maiores que o normal e alta pressão sanguínea.
1995, AMIR ANGWE. A 29 de Outubro, outro futebolista nigeriano morreu de insuficiência cardíaca, num jogo da Taça das Taças em África.
1997, ANGEL ALMEYDA. A 29 de Julho, o basquetebolista da Portugal Telecom sofreu problemas cardíacos num treino, vindo depois a falecer.
1998, RUI GUIMARÃES . A 6 de Julho, a Portugal Telecom volta a perder outro jogador durante um treino, também por problemas cardíacos.
2000, PAULO SÉRGIO. A 26 de Dezembro, numa partida dos distritais do Inatel de Viseu, o futebolista de 22 anos morre de paragem cardíaca.
2002, LANDU NDONBASI. A 17 de Fevereiro, o congolês do Oliveira de Frades morre por paragem cardíaca em jogo frente ao Oliveira do Douro. Motivo: paragem cardíaca.
PAULO PINTO. A 4 de Março o extremo-poste do Aveiro Basket morre de ataque cardíaco no encontro frente ao Benfica.
2003, MARC-VIVIEN FOÉ. A 26 de Junho, o camaronês, nas meias-finais da Taça das Confederações da FIFA, frente à Colômbia, morre de aneurisma.
2004, MIKLOS FEHÉR. A 25 de Janeiro, o avançado húngaro do Benfica morre de paragem cárdio-respiratória, em jogo da 19.ª jornada, em Guimarães.
BRUNO BAIÃO. A 11 de Maio, o júnior do Benfica sofre de paragem cárdio-respiratória meia-hora depois de um treino, ao receber a notícia que iria assinar contrato profissional. Entrou em coma e morreu quatro dias depois.
SERGINHO. A 27 de Outubro, o futebolista brasileiro do São Caetano morre de paragem cardíaca no encontro frente ao São Paulo.
2005, HUGO CUNHA. A 25 de Junho, o ex-jogador do União de Leiria morre de paragem cárdio-respiratória em Montemor-o-Novo, a jogar futebol com os amigos.
2006, M. ABDELWAHAB. A 30 de Agosto, o futebolista do Al-Ahly morre durante um treino por problemas cardíacos.
2007, ANTONIO PUERTA. A 28 de Agosto, num encontro frente ao Getafe, o jogador do Sevilha sofre uma paragem cardíaca demasiado prolongada, que viria a ser fatal.
2008, BRUNO NEVES. A 11 de Maio, o corredor da LA-MSS cai na Clássica de Amarante, sofre uma insuficiência respiratória aguda, consecutiva de arritmia cardíaca, que provocou a sua queda, batendo com a cabeça com violência no chão.
2009, KAMILA SKOLIMOWSKA. A 18 de Fevereiro, a polaca campeã olímpica do lançamento do martelo em Sidney 2000, morre de embolia pulmonar durante o treino que fazia em Vila Real de Santo António.
DANIEL LANGDON e RICK BROWN . A 18 de Outubro, a maratona de Detroit provoca vítimas mortais devido ao calor que se fazia sentir. Um terceira vítima faleceu já depois de ter terminado a meia-maratona.
KEVIN WIDEMOND. A 25 de Outubro, o base da Ovarense cai inanimado no balneário, ao intervalo, quando se preparava para regressar ao campo com a restante equipa. Morte súbita.

Sem comentários: