segunda-feira, 30 de junho de 2008

Ronaldo e Nereida sempre em foco...


Sardenha, 30 de Junho - As férias de Cristiano Ronaldo e Nereida continuam a ser destaque um pouco por todo o mundo. E as imagens dos momentos de descanso do casal arriscam-se a ser as mais vistas deste Verão.

O prodígio madeirense Cristiano Ronaldo e a escultural Nereida Gallardo continuam a banhos e a aproveitar todos os momentos para relaxar. Ronaldo e Nereida gozam uns dias de descanso com muito namoro à mistura para delícia dos "paparazzi".
in-record

Chegada dos Campeões a casa


Madrid, 30 de Junho - O troféu mais desejado na Europa do futebol regressou a território espanhol 44 anos depois. Desta vez com a companhia de Luis Aragonés e Iker Casillas.
in-record

Euro' 2008 - Espanha é campeão da Europa


Viena, 29 de Junho - Fernando Torres abriu o marcador da final deste Euro'2008 e a festa foi em tons de vermelho.
GOLO DE FERNANDO TORRES LEVA "FÚRIA ROJA" AO TRIUNFO
Espanha sagrou-se campeã da Europa. A turma de Luís Aragonés, o treinador mais velho do Euro’2008, bateu a Alemanha na final de Viena, por 1-0, levantando o ceptro continental, que já não fazia parte da sua galeria de troféus desde 1964. O autor do tento solitário do embate foi Fernando “Il Niño” Torres, à passagem do minuto 33. Dia de festa para “nuestros hermanos”.

Alemanha, 0 - Espanha, 1 (crónica)
Uma lufada de ar fresco. Quatro anos depois da consagração de uma Grécia sombria e avarente, a vitória da Espanha no encerramento de um excelente Euro-2008 é uma boa notícia para os apreciadores do bom futebol. O golo de Torres no triunfo sobre a Alemanha (1-0) deu legitimidade histórica a uma equipa com uma identidade própria, um conceito de jogo claro e muita personalidade. É a obra-prima de um treinador, Luis Aragonés, que quase com 70 anos sobe o último degrau, levando até ao fim as suas convicções e a sua teimosia. É, também, a consagração de um grupo de jogadores que tem como plataforma de base um notável trabalho nas selecções jovens, algo de que o futebol português também se podia orgulhar até há poucos anos.

2008 marca o ano em que a Espanha conseguiu colocar entre parêntesis as rivalidades históricas, as guerras permanentes entre Madrid e Barcelona, e unir-se em torno de um projecto comum, assente na qualidade técnica e na posse de bola. Diante de uma Alemanha fiel às suas características (mais forte, mais rápida, mais dura) a final do Ernste Happel permitiu confirmar que o cérebro é o ingrediente mais importante para se jogar futebol. A Espanha foi a equipa mais equilibrada ao longo do Euro, e nesta final provou ser também a mais inteligente.
O início trouxe uma Alemanha determinada, perante um adversário que, talvez surpreendido, talvez acusando a pressão do momento, permitiu ao seu adversário ter bola e agressividade em permanência nos primeiros 15 minutos. Só com Torres na frente, a Espanha apostava tudo no futebol tricotado e paciente de Xavi, Iniesta e Fabregas para destapar a panela de pressão e encontrar a saída para o sufoco inicial.
Com Senna a acertar na marcação a Ballack e Sergio Ramos a recuperar de um início desastroso para, com a ajuda de Silva, travar enfim a dupla Lahm-Podolski, a Espanha acordou a tempo. Iniesta, muito activo na esquerda, foi o primeiro a tocar o sino, logo seguido pelo talento inteligente e prático de Xavi. A dupla do Barcelona tinha um aliado de peso na supermotivação de Fernando Torres, que desde os primeiros minutos colocou em respeito a dupla Mertesacker e Metzelder, não desistindo de um único lance.

Já depois de uma cabeça ao poste, após cruzamento de Sergio Ramos, «El Niño» chamou a si a glória, depois de mais um passe sublime de Xavi e de um duelo ganho a Lahm nos limites da legalidade. Aos 33 minutos, a vantagem da Espanha já era amplamente merecida. A Alemanha tinha sumido de campo, a partir do momento em que a agressividade nos duelos já não lhe permitia estancar aquele futebol fluido de toque e movimento.
A segunda parte trouxe mais do mesmo durante 15 minutos. A Espanha a chamar a sai a bola e as coordenadas do jogo, sempre ao ritmo esclarecido de Xavi, ora paciente ora rapidíssimo a criar passes de ruptura. Joachim Löw tinha de fazer algo para fazer com que a Alemanha voltasse ao jogo, e a entrada de Kuranyi, com o regresso ao 4x4x2, cumpriu esse objectivo. A Espanha tinha de jogar em 3x3 na sua zona defensiva, e os cruzamentos a partir dos flancos tornavam-se ameaçadores.

Mas Aragonés respondeu bem, tirando o apagado Fabregas (o único elemento do meio-campo que não encontrou o seu espaço no jogo) e colocando Xabi Alonso numa posição mais recuada, em auxílio de Marcos Senna. As entradas de Cazorla e Güiza deram frescura a uma equipa que voltava a conseguir respirar, tendo a bola. E os minutos finais foram de consagração para Xavi e companhia, sempre capazes de encontrar a linha de passe correcta, sempre hamoniosos na saída colectiva. A Alemanha acabava o jogo com quatro homens na frente, sem ser capaz de levar a bola até eles. E Sergio Ramos e Marcos Senna ainda estiveram perto de conseguir um segundo golo que, a bem da verdade, não teria ficado mal ao novo campeão da Europa.
in-maisfutebol

FUTSAL: Benfica renova título de campeão


Lisboa, 29 de Junho - André Lima beija a Taça que simboliza a renovação do título nacional de futsal por parte do Benfica, após a vitória sobre o Belenenses (4-2) no jogo decisivo.

Rei com o presidente do Brasil


Brasília, 26 de Junho - Pelé recebe das mãos do presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, uma medalha de prata e uma camisola comemorativas dos 50 anos da conquista do título mundial de futebol, na Suécia. Edson Arantes do Nascimento tinha 17 anos e encantou o Mundo.

quinta-feira, 26 de junho de 2008

EURO' 2008 - Rússia, 0 - Espanha, 3


Viena, 26 de Junho - O médio espanhol Xavi celebra de forma efusiva o seu golo frente à Rússia, na meia-final deste Euro'2008.
E viva la Espanha
Rússia, 0 - Espanha, 3 (crónica)
Espanha vence Rússia sem contestação e garante primeira final após 24 anos
A Espanha está na final de um Europeu 24 anos depois, ao vencer (3-0) em Viena a Rússia com uma autêntica demonstração de poder. Sob chuva intensa e após uma primeira parte sem golos, Xavi, Guiza e Silva materializaram o domínio castelhano sobre os irreconhecíveis russos.
Repetindo uma vitória expressiva sobre a Rússia (3-0 depois dos 4-1 na fase de grupos), a Espanha juntou-se à Alemanha na final do Europeu, numa noite de glória para Cesc Fabregas. O jogo de Viena confirmou a tremenda consistência da equipa de Luis Aragonés, muito inteligente na forma como neutralizou novamente os pontos fortes do adversário. Ao contrário da meia-final de Basileia, empolgante do primeiro ao último minuto pelo cenário de David contra Golias e pelo impressionante avolumar de erros defensivos de parte a parte, o jogo no Ernst Happel só tomou o freio nos dentes na segunda parte.


Espanha e Rússia conheciam bem os respectivos pontos fortes e tinham um guião severo acerca dos erros que era fundamental evitar. Cumpriram-no à risca, durante uma primeira parte exemplar de rigor e acertos tácticos mas, por isso mesmo, pobre em momentos de emoção. Os primeiros minutos mostraram uma Espanha compacta, que sem forçar chegava mais vezes à área de Akinfeev. A vigilância competente de Marcos Senna sobre Arshavin e de Sérgio Ramos sobre Zhirkov estrangulava as saídas russas, privando a equipa de Hiddink da velocidade tão determinante para os festivais frente à Suécia e à Holanda.
Sobrava a garra de Pavlyunchenko, que por duas vezes (31 e 35 minutos) passou muito perto do golo. Foi a única fase do jogo que sugeriu algum ascendente russo. Porque entretanto acontecia um incidente que viria a revelar-se determinante para o desfecho: Villa, lesionado na marcação de um livre (34 m) foi substituído por Fabregas, com Torres a assumir-se como referência solitária no ataque. Com liberdade para jogar como segundo avançado e como médio criativo, o número 10 de Espanha entrou para resolver o jogo, com uma qualidade técnica e uma inteligência que, pouco a pouco, abafaram todas as outras coordenadas, contagiando homens como Xavi e Iniesta, até aí demasiado amarrados às obrigações tácticas.

O primeiro golo, cinco minutos após o intervalo, foi sintomático das virtudes do jogo espanhol: Xavi iniciou a jogada, abriu na esquerda para Iniesta, e avançou para o coração da área, beneficiando do espaço aberto por Torres para concluir de carrinho. O seleccionador da Rússia, Guus Hiddink lembrara, antes do jogo, como na estreia, em Innsbruck (1-4), a sua equipa ruíra depois de permitir o primeiro golo a Villa, expondo-se ao futebol de toque e aos ataques rápidos dos espanhóis.

Não foi preciso muito tempo para perceber-se que o filme ia ser repetido. Com Arshavin eclipsado por Senna e os seus laterais barrados, a Rússia limitava-se a defender para perder a bola logo a seguir. A visão de jogo de Fabregas encarregou-se de fazer o resto, libertando o recém-entrado Guiza para um frente a frente vitorioso com Akinfeev (73 m) e, depois, já com os russos de cabeça baixa para a degola, colocando um golo feito no caminho do infatigável Silva (82 m). Sem contestação, com mérito absoluto, a Espanha repetia a lição da primeira fase, reduzindo a escombros uma Rússia que nunca foi capaz de libertar-se do colete de forças desenhado por Aragonés.
A Espanha não será, por certo, a mais espectacular equipa do Europeu mas é, até ao momento, a mais equilibrada entre soluções de ataque e consistência defensiva. Um finalista de enorme valor, que tem todas as razões para esperar repetir, este domingo, a consagração de 1964.
in-maisfutebol

Férias em Itália - Apanhados a namorar


Itália, 25 de Junho - Cristiano Ronaldo e Nereida foram "apanhados" entre as costas italiana e croata a namorar. Numa das caminhadas por terra firme, o casal não pôde fugir ás objectivas.

quarta-feira, 25 de junho de 2008

Açores Sociedade do Divino E. Santo


IMPÉRIO DE SÃO JOÃO DE CAMBRIDGE
GRANDE FESTA EM HONRA DO DIVINO ESPÍRITO SANTO
A organização do ''Açores Sociedade Império de São João Inc.'' de Cambridge, realizou nos dias 19, 20, 21 e 22 de Junho a festa em Honra do Divino E. Santo que teve lugar no Clube Portugûes de Cambridge.
Neste mês dos Santos Populares a Irmandade do Império de São João da cidade de Cambridge que conta com 18 membros, levou a efeito a grande festa em Honra do Divino Espírito que fez este ano 28 anos de existência.

O programa começou na quinta e sexta-feira com a distribuição das penões aos irmãos em Oakville e Cambridge. No sábado foi a vez de enfeitar do bezerro seguindo-se o cortejo de ofertas acompahada pela Lira do E. Santo de Cambridge. Depois foi as arrematações dos bezerros e cantigas ao desafio com os improvisadores Ramiro (Terceira) e Vasco (S. Miguel) e os guitarristas do Pézinho, que serão acompanhados por um grupo de Violas de Toronto, Cambridge e Mississauga.
Actuação da Marcha Infantil do Império de São João, e do cantor Tony Leal vindo dos Estados Unidos da América.
Houve também B.B.Q. com sardinhas, feijoada, asas de galinha, hamburgers e Hot-Dogs para as crianças e música para dançar com o famoso D. J. Music Nation de Luís Almeida.

No domingo, realizou-se a coroação com saída do Cortejo da Brierdale Plaza para a Igreja de Nossa Senhora de Fátima onde foi celebrada Missa e Benção das Coroas.
Ao meio-dia foram servidas as sopas do Espírito Santo aos idosos e doentes.
Mais tarde novo Cortejo formado junto ao Portão do Clube Português de Cambridge seguindo para a Capela ao som da filarmónica Lira Bom Jesus de Oakville.
Após as cerimónias religiosas as pessoas recolheram ao salão de festas com o tempo a fazer das suas onde caíu uma forte chuvada com trovoada á mistura.


Foram servidas as tradicionais Sopas do Dívino Espírito Santo a todos os presentes.
O tempo melhorou e houve pela tarde dentro o arraial e concerto pela Banda ‘’ Lira do Bom Jesus de Oakville’’, seguindo-se folclore com os ranchos Infantil e Sénior das ‘’ TRICANAS ‘’ de Toronto.
Os mordomo desta festa do Império de São João foi uma criança de nome Frankie Jr. Rocha, mas foi os avós Frank e Evangelina Rocha que levaram o para o seu neto, a coroa e estandarte do Divino Espírito Santo intregrando-se nas cerimónias e a coroação do Império de S. João.


Encerramento da copeira, e escolha das Domingas e sorteio das Rifas. No final da tarde foi a entrega da Coroa aos novos Mordomos de 2009, que saíu a Bernadino Moreira, Inês e filho Kevin Moreira. Actuação da Marcha Infantil do Império de São João de Cambridge que realizou um excelente trabalho com estes jovens de tenra idade nas danças que foram dirigidas pela professora Luísa.
Arrematações e música para todos com o D.J. Music Nation.
O apresentador das festas foi o conhecido Joe Escobar, que dá o seu contributo há longos anos a esta organização.

Todos os organizadores e senhoreas da cozinha estão de parabéns pelo árduo trabalho que fizeram e contribuiram para o sucesso desta linda festa.
Texto e fotos de: João G. Siva.

EURO' 2008 - Alemanha, 3 - Turquia, 2

Alemanha bate Turquia e é a primeira finalista
Basileia, 25 de Junho -
A Alemanha é a primeira selecção finalista do Euro2008 em futebol, depois de hoje ter derrotado a Turquia por 3-2, na primeira partida das meias-finais, disputada em Basileia, na Suíça.
Num encontro marcado pelos últimos 10 minutos, os alemães deram a volta a um marcador desfavorável de 0-1 e acabaram por garantir a vitória já em cima dos 90 minutos, com um tento de Lahm.Adiantaram-se os turcos aos 22 minutos, com um tento de Ugur Boral, mas a Alemanha reagiu de imediato e igualou volvidos quatro minutos, através de Schweinsteiger

Depois de uma segunda parte morna e em que o prolongamento parecia ser o mais certo, a Alemanha passou para a frente aos 79 minutos, com um golo de Klose, a Turquia empatou aos 86, por intermédio de Semih Senturk, mas Lahm, já à entrada dos 90 minutos, acabou com o sonho turco. Na final, agendada para domingo, em Viena, a Alemanha vai defrontar o vencedor do encontro de quinta-feira entre a Espanha e a Rússia.
- Lusa