quarta-feira, 16 de maio de 2018

Santa Clara sobe á I liga e ao ponto mais alto de Portugal

Santa Clara subiu à I Liga e ao topo do Pico
O Santa Clara juntou-se na subida ao principal escalão do futebol nacional aos madeirenses do Nacional.
Grande parte do plantel do Santa Clara, mais corpo técnico e alguns elementos da direção, subiram hoje à montanha do Pico, ponto mais alto de Portugal, para cumprir a promessa deixada recentemente pelo presidente do clube açoriano.
No final de abril, então a três jornadas do final da II Liga, o presidente do Santa Clara, Rui Cordeiro, garantiu que o clube ia subir ao Pico se lograsse chegar à I Liga de futebol, o que se veio a verificar.
A opção foi a de "mostrar que os Açores têm a montanha mais alta do país", e o Santa Clara teve de "mover montanhas" para chegar ao escalão máximo do futebol português, tendo-se dado hoje este gesto simbólico, contou à reportagem da agência Lusa -- durante o trajeto - o presidente do clube.
Jogadores como Clemente, Rashid, ou o capitão Pacheco foram dos mais enérgicos e bem-dispostos do trajeto, que demorou sensivelmente oito horas entre o começo e o seu fim, com paragem maior na Cratera e no Piquinho, efetivamente o ponto mais alto da montanha, 70 metros acima da cratera.
Ali, a equipa tirou fotografias com a bandeira dos Açores e do Santa Clara, gravando ainda uma mensagem de apoio ao 'fair play', com a situação vivida pelos futebolistas do Sporting, agredidos na terça-feira por adeptos, na mente.
A acompanhar a equipa estiveram dois guias.
Carlos Pinto, treinador que atingiu a subida, mas que se sabe já que não continuará no clube açoriano, enalteceu o esforço dos atletas antes do período de férias: "Quando se quer alcançar muito algo, vai custar, custa sempre, mas vale a pena", diz, falando sobre a subida ao Pico, mas também, naturalmente, sobre o segundo lugar no escalão secundário de futebol.
O Santa Clara juntou-se na subida ao principal escalão do futebol nacional aos madeirenses do Nacional, que conquistaram o título de campeões da II Liga.

Balneários das praias abrem em junho em S. Miguel

Balneários das praias das Milícias e Pópulo e dos Poços de São Vicente/Capelas abrem no início de Junho
A Câmara Municipal de Ponta Delgada os balneários das praias das Milícias (São Roque) e do Pópulo (Livramento), assim como dos Poços de São Vicente/Capelas, abrirão já a partir de 1 de Junho, assim permanecendo até 30 de Setembro. No Forno da Cal, os balneários abrirão entre 19 de Junho e 30 de Setembro.
A antecipação da abertura destas infraestruturas vem corresponder às inúmeras solicitações que têm chegado à Câmara Municipal de Ponta Delgada, por parte dos banhistas que começam a fazer praia muito mais cedo do que em anos anteriores. A época balnear, nas praias das Milícias e do Pópulo começa já no próximo dia 10 de Junho, assim se mantendo até 15 de Setembro.
No caso nos Poços São Vicente/Capelas, será de 10 de Junho a 15 de Setembro e da Zona Balnear do Forno da Cal de 19 de julho a 31 de agosto.
Já nos Poços Sul dos Mosteiros e na praia da mesma freguesia, a época balnear tem início a 1 de Julho, terminando a 31 de Agosto.
Com a abertura oficial da época balnear nas zonas acima mencionadas, passam, também, a ser prestados serviços de assistência e vigilância a banhistas.
Refira-se que, este ano, no concelho de Ponta Delgada, conseguiram o galardão da Bandeira Azul a Zona Balnear do Forno da Cal, Poços de São Vicente/Capelas, Poças Sul dos Mosteiros e praias das Milícias e Pópulo. O programa Bandeira Azul 2018 é subordinado ao tema “O Mar que Respiramos”, uma vez que, 50% do dióxido de carbono lançado na atmosfera é absorvido pelos oceanos e 70% do oxigénio da Terra é produzido pelo plâncton marinho. O papel das florestas marinhas é fundamental, uma vez que são as algas mais pequenas que nos dão o ar que respiramos, refere a nota.
CA/MN

II Liga: Guerra na secretaria contra o Santa Clara continua

Académica quer derrota em três jogos
Ainda pode dar muito que falar a subida em campo do Santa Clara à 1.ª Liga de futebol.
Antes de começarem os jogos da jornada final do campeonato da 2.ª Liga, que se concretizaram, o departamento jurídico da Académica de Coimbra emitiu um comunicado pedindo a derrota do Santa Clara em três jogos, subtracção de pontos e multa por incumprimento do regulamento do campeonato.
O eventual incumprimento reside nos jogos frente ao União da Madeira (25.ª jornada), Gil Vicente (26.ª) e Varzim (27.ª). Nas fichas daquelas partidas não foi incluído um mínimo de dois jogadores sub-23, como está contemplado no artigo 77.º B do regulamento de competições, bem como não terem reduzido “o número de jogadores constantes na ficha técnica na medida de incumprimento” (16 no caso de não terem nenhum sub-23 ou 17 se apenas tiverem um elemento nessas condições). 
Fundamentando a queixa que seguiu para a Liga e já na posse da secção disciplinar que abriu processos de inquérito e que estão a decorrer (o director desportivo e vogal da SAD do Santa Clara, Diogo Boa Alma, já foi ouvido), a Académica esclarece que o Santa Clara iniciou a época com 8 jogadores Sub 23 (tem um erro, porque Stephnes só foi inscrito em Janeiro).
A exposição do departamento jurídico da Académica refere que “até 1 de Fevereiro de 2018 saíram do plantel do Santa Clara os atletas Berny Burke, inscrito pelo Santos Guapilés (Costa Rica - último jogo pelo Santa Clara foi a 13/12/2017 para a Taça de Portugal com o Moreirense), Guilherme Schettine que se encontra actualmente inscrito pelo Al-Batin (Arábia Saudita - último jogo pelo Santa Clara foi a 09/12/2017 frente ao Famalicão) e os atletas Ítalo Cortes e Miguel Machado, que se encontram actualmente inscritos no plantel do Operário Lagoa (Campeonato de Portugal). Assim, a partir de 1 de Fevereiro de 2018, o Santa Clara só contou com 4 jogadores sub-23 no seu plantel, infringindo a alínea b) do n.º 3 do art.º 77.º do Regulamento de Competições.”
SETE PONTOS EM CAUSA
A verdade é que essa infracção não prevê a sanção de derrota ou a subtracção de pontos.
O que a Académica alega, e será a base para seguirem protestos de outros clubes porque haverá implicações na classificação final, são as possíveis infracções cometidas nos jogos com o União da Madeira, Gil Vicente e Varzim, onde o Santa Clara conquistou 7 pontos.
Ora, nesses três jogos, o Santa Clara não inscreveu o número de jogadores sub-23 mínimo na ficha técnica de jogo, violando, dessa forma, o n.º 3 do art.º 77.º-B do Regulamento de Competições (RC). 
Esta infracção a ter sido cometida, e segundo o preceituado no art.º 98.º do Regulamento Disciplinar, é punida com sanção de multa de 25 UC (1Unidade de Conta=102 €) e o máximo de 100 UC. Em caso de reincidência, dolo ou de prática desta infracção nas últimas três jornadas, para além daquela sanção, a infracção é punida com as sanções de derrota e de subtracção de pontos a fixar entre o mínimo de dois e o máximo de cinco pontos. 
Se houve infracções, não aconteceram nas últimas 3 partidas do campeonato, que teve 38 rondas...
“A Académica e outros clubes entendem que a conduta do Santa Clara foi dolosa (dolo eventual)” e ao não ter o número mínimo de jogadores sub-23 nas fichas de jogo desses 3 jogos “estava o Santa Clara obrigado a reduzir o número de jogadores constantes na ficha técnica na medida do incumprimento”.
“Não o fazendo”, alude a Académica de Coimbra, “viola o disposto no n.º 3 do art.º 77.º-A do RC” pelo que pede a aplicação do “n.º 1 do art.º 78.º do Regulamento Disciplinar, que pune esta infracção com as sanções de derrota e de subtracção de 2 a 5 pontos, e com sanção de multa.”
O departamento jurídico do clube da cidade de Coimbra recorda e cita o exemplo do Freamunde na época passada, que ao “não ter o número mínimo de jogadores sub-23 na ficha de jogo, mesmo sem existência de norma no Regulamento de Competições que o obrigasse, reduziu o número de jogadores da ficha técnica para não ser beneficiado dessa infracção. Este ano, com a existência de norma no Regulamento de Competições, o Santa Clara não o fez.”
No comunicado que foi enviado à Comunicação Social, a Académica pede para não serem esquecidas “que estas normas têm como motivo a protecção dos jogadores jovens. Vamos beneficiar os clubes que não cumprem e prejudicar o jovem jogador?”
Justifica ainda que o Santa Clara tirou partido ao ter 7 jogadores no banco de suplentes em vez dos 6 que deveriam ter estado nos jogos com o União da Madeira e com o Varzim e de 7 em vez de 5 atletas no desafio com o Gil Vicente.
Entretanto, a Académica de Coimbra terminou o campeonato na quarta posição da classificação geral, com 63 pontos.
Nota: Pergunta que fica no ar - porque é que a Académica e os outros clubes esperaram para o final do campeonato para protestar contra o Santa Clara - será porque não conseguiram subir no campo de jogos e agora querem justiça na secretaria. Podre anda o futebol português e os seus dirigentes desportivos.
CA/MN

Hóquei em Patins - 2ª e 3ª Divisão Nacional:

Hóquei P. Delgada mais perto da subida
O Hóquei de Ponta Delgada deu mais um passo para subir à 2.ª divisão nacional de hóquei em patins.
Com 5 pontos de vantagem sobre o Campo de Ourique e a 4 jogos do final, com adversários acessíveis, tudo se apresta para a equipa terminar em 1.º lugar na série “C” da 3.ª divisão nacional. 
O Hóquei de Ponta Delgada venceu, por 8-3, o Carregado, com 4-1 ao intervalo. Carlos Guimarães marcou 5 golos e soma 41, e Bruno Botelho apontou 3 e totaliza 57.
Resultados da 18.ª jornada:
Hóquei P. Delgada - Carregado, 8-3 
Campo Ourique - Lobinhos, 6-0 
Emp. Comércio - Alverca, 2-5 
Entroncamento - Atl. Tojal, 5-0
Nafarros - Vilafranquense, 5-6
 Sp. Torres - Estremoz, 13-2
Classificação: 1.º Hóquei Ponta Delgada, 47 pts; 2.º Campo de Ourique, 42; 3.º Alverca, 37; 4.º Atl. Tojal, 34; 5.º Entroncamento, 32; 6.º Sp. Torres, 31; 7.º Carregado, 25; 8.º Vilafranquense, 22; 9.º Nafarros, 19; 10.º Lobinhos de Sintra, 11; 11.º Empregados Comércio Santarém, 10 e 12.º Estremoz, 1 pt.
2.ª divisão nacional - Zona Sul: Marítimo perdeu
Após 9 jornadas fora da zona de descida, o Marítimo voltou ao antepenúltimo lugar a 4 jogos do fim da zona Sul da 2.ª divisão nacional de hóquei em patins.
A derrota aconteceu no recinto do Parede, por 6-5, mas o Candelária ao ganhar, no Pico, por 7-4, o Sporting “B” ultrapassou a equipa de Ponta Delgada e tem mais 2 pontos.
Ao intervalo o Marítimo perdia por 4-3, marcando Pedro Soares (2), João Teles, Tiago Leite e Júlio Soares, com 1 golo cada. Apesar da excelente réplica da equipa de Ponta Delgada, averbou a 14.ª derrota.
Resultados da 22.ª jornada:
Parede - Marítimo, 6-5
Candelária - Sporting “B”, 7-4 
Sp. Marinhense - Benfica “B”, 3-4
 Boliqueime - Oeiras, 0-3 
Sintra - Salesiana, 1-5
Tigres - Física, 1-4
Alenquer - Alcobacense, 6-3.
Classificação: 1.º Benfica “B”, 53 pts; 2.º Sp. Marinhense, 48; 3.º Oeiras, 46; 4.º Parede, 42; 5.º Salesiana, 38; 6.º Alenquer, 35; 7.º Física, 34; 8.º Sintra, 33; 9.º Tigres Almeirim, 28; 10.º Sporting “B”, 26; 11.º Candelária, 24; 12.º Marítimo, 22; 13.º Alcobacense, 10 e 14.º Boliqueime, 7 pts.

Basquetebol feminino: Terceiro título para as açorianas

União Sportiva soma três títulos
O União Sportiva está em alta no basquetebol feminino português. Terceiro título em cinco participações na Liga, o principal campeonato. 
A terceira conquista aconteceu no regresso ao sistema de eliminatórias após a fase regular de 22 jogos de todos contra todos. Ficam qualificadas para os chamados “play-off” as equipas que terminam nos 8 primeiros lugares. Nos quartos de final jogam o 1.º com o 8.º, o 2.º com o 7.º, o 3.º com o 6.º e o 4.º com o 5.º. Seguem-se a meia-final e final, jogando sempre em casa as segunda ou terceira partidas, esta quando necessária, quem tiver ficado melhor classificado na primeira fase.
Os anteriores títulos do União Sportiva foram obtidos em fase concentrada. Foram em 2015 e em 2016 com as provas realizadas em Ponta Delgada. O pavilhão Sidónio Serpa voltou a acolher o jogo decisivo. Dois anos depois do último feito. Um sábado especial, sem o número de espectadores que a equipa, os treinadores e os directores mereciam. Mas os suficientes para o incondicional apoio rumo ao título.
O União Sportiva venceu por 69-67 mais um jogo equilibrado, decidido na parte final face à proximidade do resultado. A Quinta dos Lombos teve 10 pontos de avanço nos 10 primeiros minutos, mas ao intervalo o União ganhava por 38-35. Na segunda parte a equipa de Carcavelos reduziu para 2 pontos de diferença, margem que se manteve até ao final. Como no primeiro jogo o União Sportiva havia ganho por 64-61, eis o título!
Foi a segunda melhor carreira nas cinco presenças do União Sportiva no campeonato (ver quadros em anexo). Vinte e cinco vitórias e somente 3 derrotas, com uma diferença positiva de 263 pontos. Em 2015/16 apenas duas derrotas no campeonato e 3 em todas as 4 provas, num total de 42 jogos.
A equipa esteve em todas as finais das quatro competições da época, mas apenas ganhou uma. A mais importante.
Na Taça Vitor Hugo, que abriu a época, perdeu na final com a Associação de Vagos por 59-56; na Taça Federação foi derrotado na final por 47-44 com a Quinta dos Lombos e na Taça de Portugal derrota com a Associação de Vagos por 54-50.
Para a nova época está de volta às competições europeias. Pela terceira vez.

Masculinos: Quinta vitória para o U. Sportiva
Na tentativa de evitar ficar nos dois últimos lugares da zona Sul da fase de descida da 1.ª divisão de basquetebol masculino, o União Sportiva obteve a quinta vitória em 6 jogos.
O triunfo foi em Ponta Delgada, por 69-52, sobre o Algés, 2.º classificado. A equipa treinada por Eduardo Lopes está em penúltimo lugar, com 9 vitórias e 19 derrotas (4 vitórias e 18 derrotas na primeira fase), mas tem menos dois jogos.
O União Sportiva actua sábado e domingo próximos, em Torres Vedras, com a Física. Só que o primeiro jogo é relativo à 4.ª jornada. Deveria ter sido realizado em Ponta Delgada a 14 de Abril, mas uma avaria numa das tabelas do pavilhão Sidónio Serpa e a impossibilidade de haver um recinto alternativo, inviabilizaram a realização da contenda.
O clube foi multado e tem de disputar o jogo no campo do adversário. Um mal menor. Domingo o encontro é para a 9.ª jornada. 
Além destes dois jogos, a formação do União recebe o Farense a 19 de Maio, no jogo em atraso da 7.ª jornada e a 20 de Maio o Odisseia, para a 10.ª e última ronda.
Nos outros jogos da jornada a Física ganhou, por 67-54, ao Scalipus de Setúbal e o Odisseia venceu, por 75-49, ao Farense.
Classificação: 1.º Scalipus Setúbal, 45 pts; 2.º Algés, 42; 3.º Odisseia Basket, 39; 4.º Física, 38; 5.º União Sportiva, 37 e 6.º Farense, 35 pts.

CA/MN

Câmara Municipal de Ponta Delgada apoia desporto

Sintético do Jácome Correia sim, pavilhão não... para já
A Câmara Municipal de Ponta Delgada assinou, contratos programa com 86 clubes e associações federadas do concelho, no valor global de 230 mil euros, um valor superior ao de 2017. 
Nesta nova fase foram admitidas duas novas candidaturas e doze são de entidades que estão ligadas ao desporto adaptado.
O Presidente da edilidade referiu que os apoios foram atribuídos “pelo trabalho que desenvolvem durante todo o ano desportivo, a favor da prática desportiva, de uma cultura de participação e também de boas práticas de saúde através do desporto para a nossa comunidade, em particular a mais jovem.”
“Neste sentido”, prosseguiu José Manuel Bolieiro, “porque estamos a tratar, sobretudo, de desporto amador, quem ama a sua actividade naturalmente que dá um contributo pessoal de forma importante para o seu bem-estar e para a sua felicidade, mas, enquanto dirigentes, dão a oportunidade de conforto e de segurança às famílias e aos jovens do nosso concelho”, destacou o presidente da Câmara de Ponta Delgada.
De seguida, José Manuel Bolieiro realçou que “para mim é muito relevante que, mesmo em crise, o município de Ponta Delgada não diminui o apoio para estas prioridades, que são prioridades sócio educativas, onde o desporto se inclui entre a actividade desportiva e associativa que tem um relevantíssimo papel para uma certa ideia agregadora, comunitária, espírito de equipa, esforço de superação, porque é preciso, através do desporto, ganhar esta cultura, e, de facto, ela é adquirida na prática desportiva, através do esforço do treino, da dedicação, da disciplina e do fair-play, encontrar vontade de superação e de cidadania.”  
PAVILHÃO ADIADO...
Após as referências aos apoios financeiros aos clubes e às associações, José Manuel Bolieiro surpreendeu a vasta plateia com o anúncio das obras do campo de futebol Jácome Correia, cujo piso de relva sintética está de tal forma degradado que põe em causa a saúde física dos utilizadores.
O líder da maior autarquia micaelense justificou o adiamento de um ano com “razões técnicas, umas que ultrapassaram a responsabilidade do município e outras não, mas que  impediram, como desejaríamos, que as remodelações tivessem ficado prontas e em uso para o ano desportivo ainda em curso”.
José Manuel Bolieiro informou que “agora há condições técnicas da empresa contratada para, no fim desta época desportiva, iniciar logo os trabalhos, para podermos ter o “ácome Correia disponível e renovado a partir da próxima época desportiva.”
Mas a maior surpresa recaiu no anúncio da impossibilidade de ser construído o pavilhão municipal junto às novas instalações da escola da Mãe de Deus, como está projectado há algum tempo.
“Nós sentimos e percebemos que dentro da carta de equipamentos desportivos da ilha de São Miguel, falta manifestamente um pavilhão na cidade para competição oficiais”, começou por referir o presidente sobre um tema delicado.
Seguiu-se, então, a triste notícia, emudecendo a plateia: “Acontece que recebi a triste notícia, fruto da nossa candidatura municipal, que os fundos comunitários não têm, apesar de serem do plafond da Câmara, previstos abrirem para estes equipamentos”, classificando de “absurdo porque ficamos sujeitos à abertura destes anúncios e ao valor disponível de cada um, o que significa que limita e muito a nossa capacidade de planeamento.”
Mas não deixando cair o projecto, Bolieiro anunciou estar a Câmara “a renovar a candidatura quanto à limitação que nos foi comunicada em relação aos valores”, adiantando que estimavam “4,5 milhões de euros para a requalificação da escola da Mãe de Deus, sendo uma parte deste valor para o pavilhão.”
“Vamos ter de fazer a redução, o que quer dizer que a nossa estratégia de política desportiva também passa por ter aquele pavilhão”, alertando que “na impossibilidade de ter aquele co-financiamento comunitário, vamos ter de arranjar recursos próprios para manter este projecto concretizado o que pode originar uma derrapagem no tempo”.
Escrito por João Patrício/CA/MN 

segunda-feira, 14 de maio de 2018

Torneio de Apuramento do Campeão da AFAH:

Torneio de Apuramento do Campeão da AFAH
Graciosa FC é campeão da AFAH
Depois da vitória do Graciosa FC sobre o Desportivo Velense por 2-0 no primeiro encontro do Torneio de Apuramento da Associação de Futebol de Angra do Heroísmo, no segundo encontro os graciosenses derrotaram o Juventude Lajense por 2-1.
Com estes resultados a equipa da ilha Branca conquistou o título de campeão da AFAH e estreia-se na próxima época no campeonato de futebol dos Açores.
No terceiro encontro do torneio o Juventude Lajense derrotou o GD Velense na vila da Calheta de São Jorge por 3-1 e ficou na segunda posição na tabela.
JGS
Resultado da 1ª. jornada:
Graciosa FC, 2 - GD Velense, 0
Folgou: Juventude Lajense (Terceira)
Resultado da 2ª. jornada:
Juv. Lajense, 1 - Graciosa FC, 2
Folgou: GD Velense (São Jorge)
Resultado da 3ª. jornada:
GD Velense, 1 - Juv. Lajense, 3
Folgou: Graciosa FC (Graciosa)
CLASSIFICAÇÃO:
L EQUIPAS         J  V   E   D GM-GS   P
Graciosa FC   2  2   0   0     4 - 1     6
2º JD Lajense      2  1   0   1     4 - 3     3
3º GD Velense     2  0   0   2     1 - 5     0
Campeão da AFAH: Graciosa Futebol Clube.
(Promovido ao campeonato dos Açores).
Campeonato dos Açores vai ter 3 equipas da ilha branca
A 6ª edição do Campeonato de Futebol dos Açores, na época desportiva de 2018/19, vai ter 3 equipas da ilha Graciosa.
O título de campeão da Associação de Futebol de Angra do Heroísmo foi confirmado pelo Graciosa Fc, após a vitória por 2-1 no jogo com o Lajense.
O Campeonato de Futebol dos Açores passa em 4 ilhas com as seguintes equipas:
São Miguel:
Clube Operário Desportivo
Clube Desportivo de Rabo de Peixe
Águia Desportivo dos Arrifes
Graciosa:
Sporting de Guadalupe
Sport Clube Marítimo
Graciosa Futebol Clube
Terceira:
Sport Clube Lusitânia
Grupo Desportivo das Fontinhas
Pico:
Prainha Futebol Clube
Vitória Futebol Clube