domingo, 23 de abril de 2017

Campeonato de Portugal Prio: Praiense vence Operário

CPP - Zona Sul - Subida
Praiense em modo de subida
Vitória caseira diante do Operário coloca o Praiense em posição muito favorável para concretizar a subida à II Liga. Angrense recupera terreno. Sporting Ideal desperdiça manutenção em casa.
O Praiense deu mais um passo em frente rumo à subida de divisão ao receber e derrotar o Operário por 2-0 em partida da 11.ª jornada do campeonato de Portugal, zona sul de subida. A formação da Praia da Vitória manteve assim a posição cimeira na classificação e tirou proveito dos desaires consentidos por Torreense e Fátima.
O coletivo às ordens de Francisco Agatão soma agora 21 pontos, os mesmos que o Real, que recebeu e bateu o Louletano por 2-0, mantendo-se firme na liderança da prova e a depender apenas de si para almejar a inédita subida à II Liga.
Angrense recupera terreno
 Na série E, fase da manutenção, o Angrense continua a interessante recuperação na classificação e já saiu dos lugares de descida. A formação da rua de São João derrotou, fora, o Sertanense por 1-0, resultado importante para as aspirações dos encarnados que estão a realizar uma reta final em crescendo.
Já o Lusitânia complicou a tarefa de alcançar a permanência ao perder, em casa, diante do Benfica e Castelo Branco (1-2), igual resultado averbado pelo Sporting Ideal diante do União de Leiria, mas os leões da Ribeira Grande precisam apenas de um ponto para selar a manutenção em termos matemáticos.

Acácio Mateus

II LigaPro: Santa Clara empata em São Miguel

Jogo com oportunidades acabou sem golos em Ponta Delgada
Santa Clara, 0 - U. Madeira, 0
Nulo em jogo equilibrado
Santa Clara e União da Madeira empataram este domingo sem golos, num jogo equilibrado entre duas equipas insulares da 38.º jornada da II Liga portuguesa de futebol. Com este empate, o Santa Clara subiu ao sétimo lugar, com 56 pontos, enquanto o União da Madeira ascendeu ao 10.º posto, com 54
Num jogo em que as duas equipas dividiram lances perigosos, o empate acabou por ser justo, depois de uma primeira parte disputada e um segundo tempo marcado por paragens e assistências médicas constantes
O Santa Clara foi o primeiro a chegar à baliza adversária, aos 13 minutos, quando Guilherme falhou por pouco a baliza de Nilson, depois de um cruzamento de Saldanha. Pouco depois, Breitner podia ter marcado para os madeirenses, num remate fortíssimo em que a bola saiu ao lado da baliza de Serginho.
Aos 30 minutos, o guarda-redes do Santa Clara segurou o nulo no marcador, ao fazer uma excelente defesa ao cabeceamento de Luan em cima da baliza. Antes de as duas equipas recolherem ao balneário, coube a Nilson salvar a equipa do União da Madeira de sofrer golo numa excelente defesa ao remate de Guilherme.
À entrada da segunda parte, os jogadores do União da Madeira reclamam castigo máximo por mão na bola de Pacheco, mas o árbitro Carlos Cabral, que estava perto do lance, nada assinalou. Aos 61 minutos, Osama e Accioly chocaram num lance ofensivo que levou o veterano defesa do emblema açoriano a abandonar o campo, apoiado pelo guarda-redes da equipa adversária, e a ser transportado de ambulância para o Hospital de Ponta Delgada por precaução.
Cerca de 15 minutos depois, o jogo ficou interrompido para assistência a Allef após uma queda em campo em que ficou bastante combalido. Na reta final do jogo, o União da Madeira ficou reduzido a dez jogadores, com a expulsão de Roniel por duplo amarelo, antes disso Jorge Casquilha foi expulso do banco, após uma confusão entre os Rui Silva e Roniel.
Jogo no Estádio de São Miguel, em Ponta Delgada.
Santa Clara - União da Madeira, 0-0.
Equipas:
Árbitro: Carlos Cabral (AF Algarve).
- Santa Clara: Serginho, Rui Silva, João Dias, Accioly (Vítor Alves,65), João Reis, Pacheco, Osama, Ruben Saldanha (Diogo Coelho, 79), Berny Burke, Guilherme e Joel Silva (Clemente, 69).
(Suplentes: Pedro Soares, Felipe Barros, Diogo Santos, Clemente, Igor, Diogo coelho e Vítor Alves).
Treinador: Carlos Pinto.
- União da Madeira: Nilson, Thiago Ennes, Kusunga, Allef Nunes (Jaime,75), Luís Tinoco, Sérgio Marakis, Micá, Breitner (Caminata,80), Viveiros (Nsor,71), Luan e Roniel.
(Suplentes: Tony, Luís Carlos, Nsor, Tiago Moreira, Jaime, Caminata e Henrique ).
Treinador: Jorge Casquilha.
Ação disciplinar: Cartão amarelo para Kusunga (32), Roniel (68+88), Luís Tinoco (78) e Osama (83). Cartão vermelho por acumulação de amarelos para Roniel (88).
Assistência: 747 espetadores.
Autor: Lusa/MN

quinta-feira, 20 de abril de 2017

5ª edição 'Antes de me Discriminares, Conhece-me'

Governo dos Açores apresenta campanha “Antes de me Discriminares, Conhece-me”
O Diretor Regional da Juventude salientou ontem, em Ponta Delgada, a importância de iniciativas que promovam a igualdade e a não discriminação como "forças motrizes para uma sociedade que se quer mais justa e inclusiva”.
Lúcio Rodrigues falava na apresentação da quinta edição da campanha 'Antes de me Discriminares, Conhece-me', uma iniciativa do Governo dos Açores, implementada através das direções regionais da Juventude, da Solidariedade Social e da Educação, em parceria com a Associação CIPA - Novo Dia.
Na sua intervenção, o Diretor Regional da Juventude destacou as valências desta campanha que, ao longo dos anos, tem contribuído para a “promoção da igualdade, a prevenção da violência doméstica e no namoro, a prevenção da gravidez na adolescência e o combate às várias discriminações, através da implementação de um conjunto de eventos e atividades direcionadas aos jovens e aos que ocupam um papel fundamental na sua formação e integração social”.
Lúcio Rodrigues frisou a importância de promover este tipo de iniciativas junto dos jovens, especialmente tendo em conta as “várias formas de discriminação" que têm vindo a surgir nesta faixa etária, nomeadamente o bullying e cyberbulling.
Nesse sentido, afirmou que esta campanha tem “vindo a fomentar, ao longo dos anos, uma crescente consciência e mudança de mentalidades e atitudes junto daqueles que podem efetivamente proporcionar e perpetuar esta mudança: os jovens e os seus educadores”.
Por seu lado, a Diretora Regional da Solidariedade Social, Marta Bulhões, frisou a importância da articulação entre os vários organismos do Governo dos Açores e a forma integrada como têm vindo a trabalhar, que considerou constituir um “instrumento privilegiado no contacto com as entidades e na criação de novas políticas e paradigmas socioeducativos, através das suas perspetivas multidisciplinares, o que é fundamental na sensibilização da comunidade para as questões da discriminação".
O Diretor Regional da Educação, José Freire, também presente nesta apresentação salientou o trabalho que decorre em cinco ilhas no âmbito do plano de promoção do sucesso escolar ProSucesso – Açores pela Educação, que “contempla a parceria com a comunidade educativa e com as associações de inclusão social, privilegiando as áreas da promoção de valores da cidadania e dos princípios da igualdade”.
A campanha 'Antes de me Discriminares, Conhece-me' será implementada em duas dezenas de escolas da Região, envolvendo a realização de cerca de 50 sessões em aula até ao final deste ano.
A aposta para 2017 centrar-se na formação de professores e de outros profissionais da educação, na elaboração de um guia de boas práticas para a Unidade Curricular de Cidadania e na concretização de um roteiro que percorrerá várias ilhas do arquipélago e que não se restringirá aos principais centros populacionais.
GaCS/MN

Reunião anual da Comissão do Mar dos Sargaços e dos signatários da Declaração de Hamilton

Políticas regionais para o mar são reconhecidas a nível internacional, afirma Gui Menezes
O Secretário Regional do Mar, Ciência e Tecnologia salientou hoje, na Horta, que as políticas do Governo dos Açores para a conservação do ambiente marinho são "reconhecidas internacionalmente”, apontando o "pioneirismo” na criação de áreas marinhas protegidas fora da Zona Económica Exclusiva com o objetivo de salvaguardar os campos hidrotermais e outros ecossistemas marinhos vulneráveis.
Gui Menezes falava no encerramento da reunião anual da Comissão do Mar dos Sargaços e dos signatários da Declaração de Hamilton, que decorreu durante dois dias e contou com a presença do Ministro da Educação das Bermudas e de representantes do Reino Unido, EUA, Mónaco, Bahamas, Canadá e Ilhas Caimão.
“A Declaração de Hamilton para a conservação do Mar dos Sargaços enquadra-se na linha política que o Governo dos Açores tem defendido, nomeadamente no que respeita à conservação dos oceanos, à preservação da biodiversidade e à exploração sustentável dos recursos marinhos”, frisou.
Gui Menezes referiu que o Mar dos Sargaços é “um ecossistema singular muito próximo dos Açores” que se constitui como “um local de reprodução de algumas espécies e também um local de passagem de muitas espécies" que aparecem na Região, como as tartarugas marinhas.
O titular da pasta do Mar salientou, na sua intervenção, que está a ser criada uma Estratégia Regional para o Mar e que será também implementado um sistema de ordenamento do espaço marítimo dos Açores, considerando as diretivas europeias.
“Este será um instrumento crucial para promover a utilização sustentável dos nossos ecossistemas e recursos marinhos e a conservação da biodiversidade marinha”, disse, acrescentando que “as pescas, as atividades marítimo-turísticas, a extração de inertes, a investigação marinha e a aquacultura são atividades que irão beneficiar diretamente desta estratégia".
O Secretário Regional referiu ainda que, no âmbito da Diretiva Quadro Estratégia Marinha, “os Açores, em parceria com a Madeira e as Canárias, estão a desenvolver projetos que visam a promoção do uso sustentável dos recursos marinhos à escala da Macaronésia”, congratulando-se com o facto de, através da Comissão do Mar dos Sargaços, se poder estender a cooperação nestes domínios às Bermudas.
A Declaração de Hamilton para a Conservação do Mar dos Sargaços foi assinada, em 2014, pelas Bermudas, Reino Unido, Principado do Mónaco, Estados Unidos da América e Região Autónoma dos Açores, tendo sido subscrita mais tarde pelo Canadá e pelas Ilhas Caimão.
O Governo dos Açores propôs à Comissão do Mar dos Sargaços que a reunião de 2017 decorresse na cidade da Horta, no Faial, tendo apoiado toda a sua organização.
GaCS/GM/MN

Encerramento da loja da TAP na Terceira e da delegação da companhia aérea nos Açores

Governo dos Açores coloca em primeiro lugar a “defesa intransigente do interesse dos Açorianos”, assegura Vítor Fraga
O Secretário Regional dos Transportes e Obras Públicas assegurou hoje, na Horta, que o Governo dos Açores pauta a sua atuação pela “defesa intransigente do interesse dos Açorianos”.
Vítor Fraga, que falava na Assembleia Legislativa, no debate sobre o encerramento da loja da TAP na Terceira e da delegação da companhia aérea nos Açores, revelou que, no dia seguinte a ser tornado público o comunicado da TAP dando conta dessa intenção, enviou “uma carta ao Ministro Pedro Marques a indicar a indignação" do Executivo regional, pelo facto de o Governo da República e a TAP "não terem comunicado aos órgãos de governo próprio da Região que tinha essa intenção”.
A carta, segundo Vítor Fraga, solicitava também ao ministro que "faça tudo o que estiver ao seu alcance, não só para reverter a situação de encerramento da loja da TAP e da delegação da TAP nos Açores, mas também para assegurar que a TAP irá manter um serviço para os Açores, no mínimo, igual aquilo que foi a oferta no último inverno IATA e naquilo que tem proposto para o próximo verão IATA”.
Nessa comunicação, Vítor Fraga referia ainda que “o encerramento de uma loja comercial, mas sobretudo de uma delegação regional de uma companhia aérea de que o Estado é o maior acionista, não pode ser encarado de ânimo leve e muito menos ser decido sem o prévio conhecimento e o adequado esclarecimento dos órgãos de governo próprio, designadamente do Governo Regional”.
“Uma decisão desta natureza e alcance, para além de criar natural apreensão nos agentes económicos em geral, revela desconsideração para com a Região, ignorando, desde logo, a ligação histórica que se iniciou nos anos 70”, frisou o Secretário Regional.
“Não estamos perante o fecho de uma simples loja comercial da TAP nos Açores, concretamente em Angra do Heroísmo, mas também do encerramento de uma delegação de representação institucional da companhia na Região”, acrescentou.
O titular da pasta dos Transportes solicitou, por isso, que o ministro “se digne promover as diligências necessárias para que esta decisão de encerramento da delegação regional e loja comercial da TAP em Angra do Heroísmo seja revertida”, aproveitando ainda para solicitar a Pedro Marques que “se digne assegurar o necessário para que a TAP mantenha a sua presença na Região, garantindo, no mínimo, o mesmo número de ligações de e para os Açores realizadas na anterior estação e aquelas que se propõe realizar na presente estação IATA”.
O Governo dos Açores aguarda agora resposta da parte do Governo da República a esta comunicação.
GaCS/HB/MN

Governo dos Açores defende a ampliação da pista do Aeroporto da Horta

Vasco Cordeiro lamenta que PSD/Açores queira pôr todos os Açorianos a pagar por omissões do anterior Governo da República
O Presidente do Governo reafirmou hoje que o Executivo defende a ampliação da pista do Aeroporto da Horta, mas adiantou que não está disposto a pôr todos os Faialenses e os restantes Açorianos a pagar pelas omissões e falhas do anterior Governo da República, do PSD, neste processo.
“A posição do Governo dos Açores sobre esta matéria é clara: o Governo dos Açores defende a ampliação da pista do Aeroporto da Horta”, afirmou Vasco Cordeiro, no debate sobre transportes que decorreu na Assembleia Legislativa.
Segundo Vasco Cordeiro, neste processo, o Governo dos Açores “não está disposto a pôr todos os Açorianos a pagar pelas omissões do Governo da República do PSD".
"A altura certa para colocar esta questão, em sede da assunção de custos pela ampliação da pista, era no processo de privatização da ANA”, frisou.
“O anterior Governo da República do PSD entendeu que não e lamento que posição do PSD seja, agora, a de querer pôr os Açorianos a pagar por um erro e por uma falha do seu partido”, sublinhou o Presidente do Governo.
Perante os deputados regionais, Vasco Cordeiro adiantou ainda que, para além de defender a ampliação da pista, o Governo dos Açores preconiza também a melhoria das condições das obrigações de serviço público que servem o Faial, por ser por aí que mais diretamente se cumpre o objetivo final de ter mais companhias e mais passageiros nesta ilha.
Neste debate parlamentar, o Presidente do Governo recordou, por outro lado, que é sabido que o processo do novo modelo de acessibilidades aéreas à Região esteve, cerca de três anos, “parado nas gavetas do Governo da República chefiado por Pedro Passos Coelho e, só quando o Ministro da Economia deixou de ser do PSD, é que este assunto se resolveu”.
Relativamente ao pagamento dos reencaminhamentos entre as ilhas, Vasco Cordeiro explicou que, ao contrário do que defendeu o Governo dos Açores, de que o protocolo que regula esta matéria não necessitava de visto do Tribunal de Contas, o Governo da República da responsabilidade do PSD resolveu, mesmo assim, mandar o protocolo para o Tribunal de Contas.
“O facto é que só em dezembro de 2016, portanto, há cerca de três meses, é que o Tribunal de Contas respondeu que não estava sujeito a visto”, disse Vasco Cordeiro, ao adiantar que está, assim, retomada a normalidade na aplicação do protocolo em causa.
GaCS/PC/MN

'Atlantic Interactions: High Level Industry-Science-Government Dialogue´

Encontro sobre o AIR Center tem grande potencial para a projeção dos Açores, afirma Vasco Cordeiro
O Presidente do Governo destacou o grande potencial para a projeção da Região do encontro internacional de alto nível que decorre hoje e sexta-feira, na ilha Terceira, para debater a criação do Centro de Investigação Internacional dos Açores (AIR Center).
“Este é um momento com grande significado e com grande potencial para a nossa Região, no sentido de reafirmar a centralidade dos Açores num conjunto de áreas do conhecimento e da ciência, caso do clima, dos oceanos e do espaço”, afirmou Vasco Cordeiro.
Em declarações aos jornalistas, o Presidente do Governo salientou ainda ser com grande expectativa que o Executivo, que está envolvido na preparação deste encontro, aguarda as suas conclusões e os passos que se seguirão, no “sentido de se concretizar esta aposta de alicerçar na ciência um novo fator de projeção dos Açores e do país a nível internacional”.
“Este encontro e os objetivos que lhe subjazem, naturalmente não esgotam o trabalho que o Governo dos Açores tem desenvolvido num conjunto de outras áreas”, frisou Vasco Cordeiro, apontando o exemplo de vários investimentos em diversas ilhas, como é o caso da Estação de Rastreamento de Satélites de Santa Maria, da Agência Espacial Europeia (ESA).
Um trabalho que inclui, também, o projeto a sedear na ilha do Faial relacionado com um futuro centro de observação sobre as ciências do Mar.
“Tudo isso - e o AIR Center é mais um fator - acresce a esse alicerce da ciência e do conhecimento para a projeção da nossa Região no exterior”, salientou Vasco Cordeiro.
A ilha Terceira acolhe, hoje e sexta-feira, a reunião 'Atlantic Interactions: High Level Industry-Science-Government Dialogue', organizada pelo Governo da República, em parceria com o Governo dos Açores.
Este encontro de alto nível, que juntará delegações de cerca de 30 países, com cerca de duas centenas de participantes, para debater a criação do futuro AIR Center, pretende promover o diálogo entre governantes, investigadores e empresários com o objetivo de alinhar as estratégias de investigação dos países do Atlântico Sul e do Atlântico Norte para a cooperação internacional em áreas como as alterações climáticas, a energia, o espaço e o oceano.
GaCS/PC/MN